Avançar para o conteúdo principal

Os Animais ou os Herdeiros do Visconde de Alvalade

Hoje fui à bola. Dia de derby. Jogo de risco, dizia a policia. Mas o estádio (daqui em diante denominado AlfaLidl) estava pertinho de casa e os bilhetes haviam sido oferecidos com amizade.
Pusemo-nos a caminho. Viagem de metro pacifica, com benfiquistas e sportinguistas a partilhar o mesmo espaço com civismo e até amabilidade. Ou seja, como deve ser.

E sai-se para fora da estação do Campo Grande e choque de realidade. Civismo? Que é lá isso. E tendo em atenção que é a saída onde desemboca a maioria das pessoas para os jogos, atravessando uma larga avenida para se chegar às escadas, polícia, onde andavas tu? É que se a porra do jogo é de risco talvez estarem a monitorizar a saída do metro até à entrada das portas, é pá, talvez fosse boa ideia.

Pois não. Avisaram-nos para esconder qualquer símbolo encarnado. Ok. Eu acataria à revelia mas se o meu namorado vai de sweatshirt a dizer Benfica, por solidariedade e por achar que não tenho nada que ter vergonha de pôr o meu cachecol, lá vamos nós a falar de coisas nada a ver com a bola. Se vamos ver um jogo com duas equipas é normal que se usem cachecóis de ambas, foi para isso que eles foram criados e postos à venda.

Aparentemente há uns animais em Alvalade que não concordam, talvez o clube deles devesse jogar sozinho, da mesma maneira que estes adeptos devem apenas conhecer o prazer onanista.


Uns benfiquistas que nos avisaram para evitarmos umas entradas altamente conflituosas, avisaram-nos para os “indivíduos” que estando por ali, de cerveja na mão, haveriam de embirrar connosco. Quase em simultâneo comecei a ser apelidada de “puta” por todos os lados. Não sei como de repente o meu namorado, que não é pequeno, estava a ser agarrado, em andamento por um tipo que surgiu sabe-se lá de onde, a mandar vir agressivamente de irmos para ali a exibir as cores do nosso clube.

Queria o filha da puta o quê, que pedíssemos aos senhores que distribuem os jornais Metro as tshirts para parecermos apoiantes do Clube do AlvaLidl?

Quando tento ir apaziguar as coisas, sou agarrada por um outro individuo que começa incessantemente a perguntar-me o que era o que eu trazia ao pescoço, a chamar-me puta e a deitar-me bafo de cerveja para a cara (coisa que me põe MUITO danada). Sempre que tentava perceber com o meu namorado, o estupor do animal que me rodeava puxava-me o cachecol, fazendo pressão no pescoço. Perguntou-me tantas vezes para que era aquilo que lhe respondi se ele era cego ou parvo. Era um cachecol, não via? “Quem fala aqui sou eu, puta” (vocabulario diversificado, portanto).

Recusando dar-lhe o cachecol (era só que faltava…), ainda mais bafo me atirava para a cara e evitava que eu me apercebesse como estava outra situação que parecia mais grave. Fui salva por um puto também do SCP que dizia que “em gaja não se toca”. Aparentemente, para os mais novos há um código de honra e fui promovida de “puta” a “gaja”. Não percebi como se resolveu com o meu namorado, definitivamente mais ameaçadora, mas houve outro Animal, menos bêbedo e mais conscioso que intercedeu.

Lá nos safámos, com os agressores pouco convictos em deixar-nos ir vivos, continuámos sempre a ser provocados até chegarmos a um parque de estacionamento escuro onde escondemos cachecol e camisola como podemos. E não vimos um único policia.

Isto é a história. Agora, a gravidade da situação globalmente:

a) Onde raio estava a policia naquela zona, conhecida por deambularem tipos bêbados à procura de atritos? Que merda de planeamento se faz para um jogo de risco?


b) Existiam pessoas que não tinham nada a ver com o jogo (motoristas e revisores da carris e das camionetas) que assistiram a tudo ali ao lado e não fizeram nada. Que sociedade é esta? Aquilo proporcionava-se um belo sarilho a qualquer momento, éramos dois contra os que viessem e ninguém agiu ou tentou pôr água na fervura. Homens feitos sem nada entre as pernas.


c) Tive cativo no Benfica alguns anos, durante esse tempo ia aos jogos a pé, entrando ou pelo Alto dos Moinhos (sempre mais confuso) ou pelo Colombo. Vi raramente confusões mas entre grupos ou um mano a mano mas despoletado por alguma coisa concreta. E até acredito que haja violência pela parte de grupos no Benfica, mesmo nunca tendo visto (mas passava pela porta da entrada da claque e de facto havia com cada figura …).


No entanto, o episódio de hoje é de uma COBARDIA brutal. Um casal versus uma matilha de animais mal-educados, bêbados e das barracas. Ai das barracas, não, porque são o clube da elite. Têm um Lidl nas instalações mas são da elite.

Alguém sportinguista dizia esta semana que contratar Carvalhal era sintoma da ambição zero do Bettencourt. A cobardia destes animais mostra a garra do leão: frouxa e nojenta.


O Sporting sempre me mereceu uma indiferença afável. Existia. Não me causava asco pelas trafulhices anti-jogo como o Porto, mas também não tinha um ódio visceral. Divertia-me o Miguel Veloso, as nuances da Brandoa do Polga, o estilo macho gay do Rochemback, a macrocabeça do Moutinho, o presidente da Associação dos Strumpfes. E até não me importava quando ganhavam contra algum clube estrangeiro.


Agora, e mesmo sabendo que a generalização é uma coisa pervertida, passei a ter animosidade natural pelo clube e não vou ter tanta paciência para os adeptos inclusivamente os que sejam meus amigos. Vou-me sempre lembrar-me do filho da puta alto de argolas nas orelhas e boné na cabeça a ameaçar o meu namorado, sem razão mas só porque sim e sabendo que tinha apoio e nós não.

Para quem me conhece, entende a profundidade do meu recém-adquirido sentimento de desprezo e sobranceria por aquele clube: até podem jogar com uma equipa turca ou indiana, que torcerei sempre pelos outros. Está tudo dito.

Comentários

Selbo disse…
Eu avisei-vos... Leva-se cachecol, mas guardadinho até se estar dentro do estádio. Espero que vos tenha servido de lição.

P.S. - Há de facto gente que não merece o ar que respira. Cobardes de m****!
Tigrão disse…
Cabe-me dizer que cheira-me que antes do dia catastrófico (vulgo, 25 de Abril '74) estas merdas não aconteceriam. Como é óbvio, desacatos sempre houveram na História da humanidade, mas numa sociedade que se diz contantemente vitoriosa pelas conquistas no âmbito da "liberdade", não me parece que com o andar dos tempos haja assim grandes melhorias mas sim retrocessos notórios.
Venham-me cá as associações de defesa do desprotegido e desfavorecido, ou seja, de defesa maioritariamente dos gajos das argolas , crista e bafo de jola/vinhaça, que os mando todos levar na real peida e para a PQP!!!
Mónica disse…
Dsclp lá, Selbo, os avisos foram bem intencionados mas eu nao tenho que ter vergonha ou nao poder usar o cachecol do meu clube num dia de jogo, na cidade onde sempre vivi, como se eu fosse a CULPADA. È como se tivesse a Pide sobe o meu ombro. É dar-lhes a vitória.
Consola-me a ideia de que memorizei as trombas do cabrão que me agrdediu e hei-de encontrá-lo, seja em trabalho, seja no metro seja num restaurante fino e ele há-de passar a vergonha da vida dele.
Mesmo que ele venha da IC19 ou da cintura industrial, vou vê-lo novamente e só não lhe vou às trombas disformes se nao me apetecer estragar o verniz. RECUSO PERENTORIAMENTE que me venham com tretas de que somos inocentes e nao se mostra cachecois? Mas isto é o quê? Era só que faltava que eu tivesse que ter medo à porta de um supermercado porque o meu clube joga contra outro. COBARDES, filhos de uma real grandesssima cabra.
Há um ponto de salientar no meio disto tudo: não havia polícia. que todos nós pagamos em prol de manter a calmaria que se impõe em eventos desta natureza.
Há um conceito que ressalta neste post: há uma falta de civismo na sociedade civil, quer se reuna por futebol, por eventos religiosos, politicos ou puro lazer.
Falo isto com a propriedade que ganhei ao ser enxovalhada por benfiquistas na luz por causa do meu cachecol verde, ou por adeptos portistas quando aplaudia a Briosa.
O problema não é em Alvalade. O problema está em todos os nós. E muito me entristece ler que "só não lhe vou às trombas disformes se não me apetecr estragar o verniz" porque te faz igual a eles. Mas também guardo a esperança de saber que é um desabafo de raiva e que és maior que aqueles energumenos que nos envergonham a todos.
Beijos com amizade de uma sportinguista que lamenta o sucedido!
(quanto a falatórios clubistícos não me debruço porque o nosso presidente é o problema do Sporting, mesmo com tudo o que se podia dizer do V. glórias não ter ganho)
Xana disse…
As coisas que o meu irmão nao me conta e venho a saber pelo teu blog...um grande bem-haja p ti e p estas novas tecnologias lol...
Rita disse…
Compreendo a tua revolta mas acho que canalizares a tua raiva para todo e qualquer sportinguista que se cruze contigo (eu incluída) não me parece justo. Conheço relatos idênticos de sportinguistas que foram à Luz ver jogos e lhes aconteceu o mesmo ou pior. Podes pesquisar na net que eles existem. Não és a única, infelizmente. Acho que não tem a ver com o clube, tem a ver com a selvajaria das claques e adeptos fanáticos que quanto a mim não são os verdadeiros adeptos de futebol. Gosto muito de ti mas fico um pouco triste quando dizes estas coisas insultando o Sporting por ter o Lidl no centro comercial do estádio (para ti é sinónimo de ser-se das barracas), dizendo que é um clube de elite, a casa de banho, largartos, etc. Depois o falares do presidente do Sporting, do seu treinador, de cobardia, etc. como se nunca se tivesse passado nada ao longo de anos no Benfica, na sua direcção, com os seus treinadores, etc. Quem tem telhados de vidro…
Os benfiquistas são sempre os maiores, não teriam necessidade de rebaixar os outros mas parece que se sentem sempre na necessidade de utilizar este vocabulário para deitarem o Sporting abaixo. Não só gostam de se enaltecer mas também de rebaixar os outros, coisa que eu não entendo, pois se são os maiores... Por outro lado, não conheço ninguém do Sporting que se refira ao seu clube como um clube de elite e apresente esse argumento para se valorizar. Vocês utilizam-no para nos rebaixar. Sim, há um maior n.º de adeptos de classe mais alta no scp, e então? Porque é que isso é motivo de insulto? Mas é também o 2.º clube mais popular do país, há adeptos de todas as raças, credos e classes sociais (como aliás pudeste constatar) e não percebo porque continuam a atacar-nos com essa. Se quiseres dizer clube diferente, tudo bem. E não é diferente no sentido pejorativo que vocês lhe costumam dar, mas sim, entendo eu, porque de facto para se ser do scp tem que se ter nervos de aço, coração forte, capacidade de resistir às desilusões. Preferes insultar dizendo que somos fracos, cobardes… se isso te faz sentir melhor, tudo bem. Na verdade não conheces o clube. Não temos nenhum complexo de superioridade, sabemos qual o nosso lugar. Sim sabemos que não somos o n.º 1 e depois? Eu reconheço esse lugar e aceito. Isso não me faz deixar de ser do meu clube e não é por causa disso que se é de um clube. Eu também não me identifico com o típico adepto do Benfica, que passeia de fato de treino com a família no Colombo antes dos jogos, que escarra no chão, que leva o garrafão de vinho para o estádio, etc. e até percebo porque esse é o retrato de Portugal e do típico adepto de um clube do povo com tudo o que isso tem de bom e de mau. Eu não utilizo o argumento da classe social baixa (nem nenhuns outros) para deitar abaixo o Benfica. Agora há uma característica que eu não gosto nos adeptos do slb como em ninguém de um modo geral: serem uns gabarolas, uns presunçosos. Eu percebo, é uma necessidade porque de facto são o maior clube. Mas se se colocarem na posição dos outros talvez percebam que é um bocadinho demais e que isso vos torna insuportáveis aos olhos dos outros clubes…
Bom, mas para mim, importante mesmo é que te lembres que há mais vida para além do clubismo e que devemos respeitar-nos a todos e que não somos todos uns bichos por sermos do clube de futebol rival. Somos todos diferentes e ninguém é melhor ou pior, da mesma maneira que todos temos filosofias de vida diferentes, ideologias políticas, gostos, maneiras de estar. Felizmente. E há lugar para todos, menos para os fanáticos, claro! Beijo.
Mónica disse…
Oi Rita

eu nunca disse que parecia 1 wc. acho 1 insulto estupido se queres q te diga. 1º é 1 insulto; 2ª nao tem pés nem cabeça.

Alfalidl, gosto, é 1 facto pq na verdade o estadio tem 1 lidl no r/c. e de facto lidl nao é o supercor. obviamente quando o digo sei q a) tem piada (ate ha sportinguistas q se riem), b) nao acho uma difamaçao por ai alem. Digo-o mais pq deves ser a unica pessoa do SCP que nao diz à boca cheia que o SLB é o clube do garrafao e voces sao os da elite. Como TODOS os outros sportinguistas que conheço me disseram isso vezes sem conta, claro paga o justo pelo pecador.

Como paguei eu no sabado, por arruaceiros que compensaram outras putativas vitimas q se calhar tb ja apanharam na luz. a verdade é q se eu visse o q se passou comigo a suceder na luz eu ia lá e metia me e nao deixava q sucedesse. ali nem policias havia o que me choca. e ninguem nos defendeu, mesmo adeptos do SCP que estavam a passar com seu ar de familia, o que acho mt triste a nivel de sociedade.

e pode acontecer em tds os estadios, acredito que sim, eu mais uma vez digo que pessoalmente nunca vi nada mas tb sou distraida. No entanto, aconteceu-me a mim, logo sou eu que falo.E me queixo

E da mesma maneira como gozo sem problemas com o treinador do meu clube e com o presidente e com o capitao (que agora nunca se sabe sequer quem é), tenho o direito, constitucional, de gozar com o Bettencourt e as suas maracas ou a macrocefalia do Moutinho. Nao creio que sejam insultos de lesa patria.

Só mais um ponto: eu sinceramente nao dou atençao aos outros clubes. Nem à selecção. Gosto do benfica. Sente-se. Acabou. Somos o maior clube de PT, somos dos maiores do mundo e dos melhores; fizemos uma longa travessia no deserto, é verdade. Pessima gestao, pessimas contrataçoes, pessimas escolhas. Somos um clube de pessoas, logo... Mas isso nao invalida que eu vibre de alegria com as vitorias e sofra com as derrotas. é-me indiferente se o SCP perde ou ganha ou o Porto. Neste momento ando so atenta ao Braga.

isto sou eu. O blog é meu é a minha opiniao. tenho amigos do FCP e eu nao suporto aquele clube. Tenho amigos do SCP (ate namorados tive!)e sao esses mesmo que vejo falarem on and on do Benfica, e o benfica isto e o benfica aquilo, falam mais do que eu, livra! não somos nós que somos superiores (até somos, mas vá LOL), são tantos e tantos sportinguistas que me rodeiam ou conheço (ou que vejo na TV) que sofrem de complexo de inferioridade e nao posso fazer nada contra isso. Da mm forma que ha benfiquistas mais imparciais tipo Nuno, ha px no extremo oposto, por exx. do SCP q sofrem mais com as nossas vitorias do que com as do clube deles. Isso obviamente que nos dá uma sensaçao de vaidade maior

So um ultimo comment: eu nao passei a nao gostar de sportinguistas, mas se tu fosses assaltada por ciganos de certeza que passarias a ter uma antipatia generalizada pela raça. Compreendo que se te fizessem a mm coisa na Luz te sentisses igualmente mal... mas entao fazias como eu: que me queixei ao teu presidente, à policia, escrevi 1 post e de facto passei a ter uma antipatia pelo clube. Que nao tinha, por acaso.

Mas é como a madeira: eu nao gosto, mas gosto de madeirenses que conheço.

E consigo distinguir fanatismo de clubite aguda. O que eu acho mal é eu nao poder usar o cachecol do meu clube. Quer voces queiram ou nao, existimos, e jogam contra nós. O ser forçada, como o teu marido a ir de cachecol escondido e bone a olhar para o chao, é para mim cobardia e dar-lhes força, apesar de todas as criticas q os sportinguistas e incluisivamente o teu marido (mega ultra lampiao) me fez. E eu isso nao faço.

E se alguma x encontrar qualquer 1 daqueles individuos nao lhes bato (mais 1 vez manicure impera), mas passam a vergonha da vida deles.

Mensagens populares deste blogue

A importância de se chamar Candidato

Numa altura em que as empresas recorrem cada vez mais às redes sociais para procurar candidatos a postos de trabalho (89%) e que 65% por cento é bem-sucedida, conseguindo contratações satisfatórias (Fonte: PR Comunicácion) convinha que as empresas de recrutamento e de executive search pensassem um bocadinho mais sobre o seu modus operandi.


Falo por experiência, por conhecimento e por não ter conseguido efectivar mudanças. 

O headhunter da velha guarda, armado em doutrina maquiavélica, que nunca leu, perspectiva o candidato como um meio para atingir um fim: facturar.  O candidato só serve enquanto servir os interesses do projecto. A satisfação do cliente é posta à frente de tudo e todos. Esta sobranceira linha de raciocínio,  a frio, tem alguma razão de ser. Quem paga as contas são os clientes. Como metodologia, é um erro crasso.
Num mercado concorrencial, um factor claramente diferenciador é a relação que se estabelece entre um consultor e os seus candidatos, pelo menos com aqueles que a…

gaja à beira da loucura

Isto pode paracer a demência absoluta mas já estou por tudo. A Alexandra Solnado (isso mesmo, este post vai por esse caminho...) dizia numa entrevista, há umas semanas, ao promover o seu mais recente "livro" que a maioria das pessoas que lhe aparecem para consultas, são pessoas doentes - jura?!
Agora, a sério, as pessoas padecem de doenças fisicas e, no seu desespero, que nem é discutivel porque cada um saberá o que se sente quando se chega a esse patamar, procuram ajuda ou conforto no projecto da Alexandra Solnado (é assim que se chama). Posto isto, explicava a Alexandra Solnado que as doenças são, não obstante, reflexos de outros problemas mais antigos ou e a outros níveis. Não me recordo dos exemplos que ela dava mas era algo como pessoas que tinham tido muitos desgostos e uma vida marcada pela tristeza, desenvolviam uma doença grave em especifico, localizada numa área do corpo em particular. 
Ora, e dando o beneficio da duvida a esta teoria (pois que temos a perder?), gosta…

Inesperadamente, a semana passada

Uns dias bons.
O  25 de Abril. Comer caracóis, os primeiros deste ano. Passear e trabalhar no Porto, deambular nos Clérigos. Diariamente, sessões de The Newsroom e Melhor do Que Falecer. O Pedro Mexia e os ferrinhos na emissão especial do Governo Sombra (e a banda sonora e a Manuela Azevedo e as citações certeiras de Salazar bem seleccionadas por Ricardo Araujo Pereira). O Benfica, tão grande! Opá, o Benfica ❤️