Avançar para o conteúdo principal

até quando somos capa da VF, somos "pequeninos"

Para grande orgulho de muito tuguinha, alguns dos quais nem conheciam a "bíblia" Vanity Fair, um "conterrâneo" luso enchia a capa da revista, o mês passado, em tronco nú para gaúdio de muita moça e moço de olho arregalado.

Confesso, que andei sempre com a revista na rua tapadinha porque não queria estranhos a mirarem o corpo do gajo ou a espiolharem a minha leitura. Não acho simpático. E não me deu particular acesso de amor à pátria lusitana o boxer short encarnado piroso da Armani ser capa de uma publicação de referência. A parte mais encantadora era mesmo a D. Dolores aparecer nas fotos no interior da revista.

Lamento que Portugal seja capa com o Cristiano Ronaldo. E não peço desculpa por achar isso. É somente a minha opinião.

Agora, é 1 feito, pois está claro, custa a admitir porque não suporto aquele cruzamento de bicha com dread, mas é pá, é assim uma coisa em grande, se pensar racionalmente.

E vai daí, como o rapazito nunca me decepciona, então não é que o supra sumo do bolo rei decide amuar por dividir a capa com Didier Drogba, do Chelsea

Aparentemente a fotógrafa Annie Leibovitz, percebendo o potencial daqueles abdominais na capa, mas imune ao charme baratinho do CR9, ter-lhe-á dito que o iria colocar na capa, e que aliás essa seria a razão de ele ter aceite posar para a sessão fotográfica (tanta humildade, dá dó, valha-me Santa 5ª Avenida).

O que a Srª Leibovitz não terá dito é que Cristiano Ronaldo não seria o único e o espécimen agora sente-se "usado"por lhe terem roubado o protagonismo, misturando-o com o atleta da Costa do Marfim.

A ser verdade (a fonte são publicações americanas citadas por outras portuguesas, entre elas a Vidas do CM), isto é de uma pequenez atroz. E estúpido. É uma pseudo arrogância de quem é, na base, mesmo muito estúpido, independentemente do talento e do empenho.

Isto é tão ridículo e "poucachinho" que aplica-se o "dar-se pérolas a porcos". LITERALMENTE.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

gaja à beira da loucura

Isto pode paracer a demência absoluta mas já estou por tudo. A Alexandra Solnado (isso mesmo, este post vai por esse caminho...) dizia numa entrevista, há umas semanas, ao promover o seu mais recente "livro" que a maioria das pessoas que lhe aparecem para consultas, são pessoas doentes - jura?!
Agora, a sério, as pessoas padecem de doenças fisicas e, no seu desespero, que nem é discutivel porque cada um saberá o que se sente quando se chega a esse patamar, procuram ajuda ou conforto no projecto da Alexandra Solnado (é assim que se chama). Posto isto, explicava a Alexandra Solnado que as doenças são, não obstante, reflexos de outros problemas mais antigos ou e a outros níveis. Não me recordo dos exemplos que ela dava mas era algo como pessoas que tinham tido muitos desgostos e uma vida marcada pela tristeza, desenvolviam uma doença grave em especifico, localizada numa área do corpo em particular. 
Ora, e dando o beneficio da duvida a esta teoria (pois que temos a perder?), gosta…

A importância de se chamar Candidato

Numa altura em que as empresas recorrem cada vez mais às redes sociais para procurar candidatos a postos de trabalho (89%) e que 65% por cento é bem-sucedida, conseguindo contratações satisfatórias (Fonte: PR Comunicácion) convinha que as empresas de recrutamento e de executive search pensassem um bocadinho mais sobre o seu modus operandi.


Falo por experiência, por conhecimento e por não ter conseguido efectivar mudanças. 

O headhunter da velha guarda, armado em doutrina maquiavélica, que nunca leu, perspectiva o candidato como um meio para atingir um fim: facturar.  O candidato só serve enquanto servir os interesses do projecto. A satisfação do cliente é posta à frente de tudo e todos. Esta sobranceira linha de raciocínio,  a frio, tem alguma razão de ser. Quem paga as contas são os clientes. Como metodologia, é um erro crasso.
Num mercado concorrencial, um factor claramente diferenciador é a relação que se estabelece entre um consultor e os seus candidatos, pelo menos com aqueles que a…

Inesperadamente, a semana passada

Uns dias bons.
O  25 de Abril. Comer caracóis, os primeiros deste ano. Passear e trabalhar no Porto, deambular nos Clérigos. Diariamente, sessões de The Newsroom e Melhor do Que Falecer. O Pedro Mexia e os ferrinhos na emissão especial do Governo Sombra (e a banda sonora e a Manuela Azevedo e as citações certeiras de Salazar bem seleccionadas por Ricardo Araujo Pereira). O Benfica, tão grande! Opá, o Benfica ❤️