Avançar para o conteúdo principal

até quando somos capa da VF, somos "pequeninos"

Para grande orgulho de muito tuguinha, alguns dos quais nem conheciam a "bíblia" Vanity Fair, um "conterrâneo" luso enchia a capa da revista, o mês passado, em tronco nú para gaúdio de muita moça e moço de olho arregalado.

Confesso, que andei sempre com a revista na rua tapadinha porque não queria estranhos a mirarem o corpo do gajo ou a espiolharem a minha leitura. Não acho simpático. E não me deu particular acesso de amor à pátria lusitana o boxer short encarnado piroso da Armani ser capa de uma publicação de referência. A parte mais encantadora era mesmo a D. Dolores aparecer nas fotos no interior da revista.

Lamento que Portugal seja capa com o Cristiano Ronaldo. E não peço desculpa por achar isso. É somente a minha opinião.

Agora, é 1 feito, pois está claro, custa a admitir porque não suporto aquele cruzamento de bicha com dread, mas é pá, é assim uma coisa em grande, se pensar racionalmente.

E vai daí, como o rapazito nunca me decepciona, então não é que o supra sumo do bolo rei decide amuar por dividir a capa com Didier Drogba, do Chelsea

Aparentemente a fotógrafa Annie Leibovitz, percebendo o potencial daqueles abdominais na capa, mas imune ao charme baratinho do CR9, ter-lhe-á dito que o iria colocar na capa, e que aliás essa seria a razão de ele ter aceite posar para a sessão fotográfica (tanta humildade, dá dó, valha-me Santa 5ª Avenida).

O que a Srª Leibovitz não terá dito é que Cristiano Ronaldo não seria o único e o espécimen agora sente-se "usado"por lhe terem roubado o protagonismo, misturando-o com o atleta da Costa do Marfim.

A ser verdade (a fonte são publicações americanas citadas por outras portuguesas, entre elas a Vidas do CM), isto é de uma pequenez atroz. E estúpido. É uma pseudo arrogância de quem é, na base, mesmo muito estúpido, independentemente do talento e do empenho.

Isto é tão ridículo e "poucachinho" que aplica-se o "dar-se pérolas a porcos". LITERALMENTE.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Do arrebatamento

O vestido caiu facilmente. Estava apenas preso pelas alças nos ombros magros e deslizou com vontade declarada pelo corpo, até ao chão, enquanto ela acendia uma única luz de presença.

Beijou-lhe o ventre. Sentiu-o a tremer. Antecipação. Expectativa. Sentia-lhe o calor sem sequer tocar. Era como uma fonte inesgotável de desejo prestes a desmoronar-se com um toque. Os dedos enfiaram-se entre a pele e a linha das cuecas de renda fazendo-as sair com mestria. Estava liberta, da máscara de tecidos, não das demais camadas de protecção. Tal não a impedia de arfar baixinho e com satisfação sob um rosto que perdia vergonha a cada caída da cabeça para trás.


Nua, encostada à parede fria, costas arqueadas, totalmente exposta viu-a a desmontar-se com cuidado ao primeiro beijo que se colou à boca como dali não houvera saída. Era intenso, forte, penetrante o modo como ela o arrastava para si com a língua e uma perna em torno da cintura.


Todo aquele momento era primário, selvagem, sem travões ainda que, e…

I shine

Kiss me before you break my heart. There is still room to be damaged for every breath I take on myself and for myself. I regain confidence on me on every touch of you, even those that will be lost. 
The shivers running down on my spine awaken me and allow me to make you feel stronger, bolder, in love with life. 
I expand my senses while you will torn my world apart. We are under the same sky but I am meant to be a trail of light rather than a guiding star. 
I will burn your soul and you will break my heart. Yet I shine. So, kiss me and let's pretend.

Da alegria

Gosto desses olhos que se iluminam e que pausam em mim como se nada mais existisse naquele longo momento. Esse olhar decidido, seguro, revelador de um modo de estar ciente do que se quer e descomplicado.
Fazes-me rir. Como se o mundo fosse fácil. Como se salvar-me das trevas não fosse uma missão mas sim manter-me saciada, livre, às gargalhadas, serena e em silencio, a ler com as pernas esticadas sobre ti.

Gosto das madrugadas de surf, mesmo ao frio. Dos beijos salgados e daquele teu cheiro misturado com água gelada. O cheiro que ainda hoje me faz ficar apreensiva, receosa, quando acordo a meio da noite e te ouço a respirar devagarinho e aquele cheiro está encostado a mim. E como aquele cheiro me apareceu e inundou de alegria.