Avançar para o conteúdo principal

Ao Domingo custa mais ...

Ao Domingo custa mais. 

É quando mais apetece ficar na cama, deixar o sono escapar-se devagar, sentir a companhia do lençol no rosto e permitir que a almofada seja o centro do mundo. Por onde nós passamos em sonhos. Só em sonhos. E em cada Domingo, ao acordar e espreguiçar as esperanças, a cama está vazia e os lençóis brancos cobrem a tua ausência de modo discreto para que eu não dê por ela.

Nos últimos tempos arrepio-me ao pensar que, num qualquer futuro, vou pensar como teria sido. Irei guardar sempre em mim as duvidas do que nos poderia ter acontecido. Hei-de acordar em outras manhãs de Domingo e o meu primeiro pensamento, mal abra os olhos será: "nunca estive com ele numa manhã assim." 

Acordarei com outros ao meu lado, alguém que me faça ter vontade de ficar na cama nessas outras manhãs e, mesmo assim, em alguns domingos vou ter saudades desses abraços com que nunca me aqueceste, das gargalhadas que podíamos ter partilhado enquanto tomássemos o pequeno almoço em conjunto. Torradas com manteiga, leite quente com chocolate. Que bom que são as manhãs de Inverno, com livros no chão e a preguiça tremenda que não me permite afastar de ti. E depois percebo que não és tu que buscas o meu corpo na cama grande e deixo-me enlaçar atirando para longe a ideia de que naquele momento acordas feliz ao lado da tranquilidade de outro alguém.

E em cada caída no travesseiro só peço que na manhã seguinte o despertar não traga a sensação que é Domingo, aquela alvorada em que tudo á minha volta me faz recordar que tu já passaste por mim. Desse cruzamento tão rápido nada ficou, o teu rosto por vezes já nem consigo ver, mas apesar de fileiras tão cerradas, após noites em branco, de passeios sem rumo, fiquei parada num instante de ti.

E em cada manhã de Domingo é esse instante que me prende e se repete. Como se estivesses ali. Acendo o telemóvel, mas não tenho mensagens. Como é Domingo nem poderei receber uma carta tua. Como se alguma vez me tivesses escrito. Tão pouco, quase nada, me deste. E eu sem perceber porque não te podia dar, porque tanto te recusavas a receber. Era tão pouco o que tínhamos que fazer, tão fácil até.

Podíamos ter acordado um dia e qual casal de velhotes amorosos, com respeitáveis roupas de dormir, olharmo-nos nos olhos com carinho e sorrir perante as fotografias dos netos. A t-shirt branca é, no entanto, a única companhia que envelhece comigo nesta cama. 

É Domingo de manhã outonal e já chove. Sabe bem ouvir a chuva. A lassidão cresceu a cada momento, não me apetece levantar, também não tenho onde ir. Fico a observar pela janela. Está uma manhã de Domingo perfeita, mas faltas tu para lhe conferir algo mais de sabor. Que Domingo passe rapidamente, que outras manhãs venham, ainda que não te tragam com elas. Opto por me aninhar no sono e pedir que amanhã chegue depressa.


                                               (mónica pinheiro, autoria)

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Do arrebatamento

O vestido caiu facilmente. Estava apenas preso pelas alças nos ombros magros e deslizou com vontade declarada pelo corpo, até ao chão, enquanto ela acendia uma única luz de presença.

Beijou-lhe o ventre. Sentiu-o a tremer. Antecipação. Expectativa. Sentia-lhe o calor sem sequer tocar. Era como uma fonte inesgotável de desejo prestes a desmoronar-se com um toque. Os dedos enfiaram-se entre a pele e a linha das cuecas de renda fazendo-as sair com mestria. Estava liberta, da máscara de tecidos, não das demais camadas de protecção. Tal não a impedia de arfar baixinho e com satisfação sob um rosto que perdia vergonha a cada caída da cabeça para trás.


Nua, encostada à parede fria, costas arqueadas, totalmente exposta viu-a a desmontar-se com cuidado ao primeiro beijo que se colou à boca como dali não houvera saída. Era intenso, forte, penetrante o modo como ela o arrastava para si com a língua e uma perna em torno da cintura.


Todo aquele momento era primário, selvagem, sem travões ainda que, e…

Das razões

Quero-te pela desarrumação incompreensível que somos. Quero-te pela forma como me procuras à noite na cama, ainda a dormir, de modo instintivo, apenas para te recostares do mundo e amaciares no meu calor. Quero-te (tanto) quando sais do mar, feliz e salgado, qual criança livre agarrado à prancha como se fosse o teu bem mais precioso, a tua melhor amiga, a porta para o teu refúgio. Quero-te pelos beijos inesperados, lentos, que invadem qual descarga eléctrica, e afirmam sem hesitações desejo e amor. Quero-te pela forma como te afundas num livro e tudo à volta entra em pause-still e, mesmo assim, de repente tocas-me no joelho, no cabelo, dás-me a mão. Quero-te porque sei que acreditas em mim e não me questionas, crês que posso mudar o mundo. Quero-te pela tesão, confiança, cumplicidade e pelas saudades que temos, ainda, sempre, um do outro. Quero-te por te rires quando começo a cantar músicas que gosto e ouço a tocar, esteja onde esteja. Quero-te por dançarmos na rua se preciso entre ga…

Dos maldiitos

via boudoir photography

Agora acordo com mensagens que iluminam o telemóvel e em que dás conta de como pensas em mim antes de dormir. E que o queres partilhar comigo porque agora sentes saudades minhas. Agora recebo telefonemas sem hora nem expectativa e a voz é meiga e quente. Não ouço nada do que dizes, as palavras apenas são ditas mas há muito que já não têm peso ou impacto.
Antes foi a indecisão. O jogo dos que não se comprometem, que querem atalhos facilitados para um espaço confortável de repouso, salvação emocional momentânea, ilusão de pertença. Egoísta forma de ser que suga o querer dos outros para se sustentar, para sentir uma rede rápida de carinho e abraço mas que reclama para si a indisponibilidade de reciprocidade. Para quê? Se vos é dado grátis um sentimento para que serve o esforço de lutar por ele, qual o propósito de envolvimento, de estar, dar a mão, partilhar silêncios e perder a possibilidade de ter mais e mais, melhor, diferente, sempre mais, outras.
Era assim, ante…