Avançar para o conteúdo principal

Voltando às manias e um Ferrari

Nas minhas manias sobreviveu uma não revelada: adorava viver num hotel. Sempre tive este fascínio à Beatriz Costa. Gosto de hotéis (como gosto de portas, sejam de rua, de casa, de casa de banho... fico especada sempre que vejo uma que me tira o fôlego!)... as camas, os lençóis esticados, as TVs que nunca têm ZON, os pequenos almoços, os recantos, as vistas. 

Vivia bem num hotel, vivia! Pronto, admito. 




Ora, isto encaixa no ambiente intimista e quase familiar que Sofia Coppola nos traz com o Chateau Marmont, a zona de conforto do desinteressado, do indiferente, do alienado, do dettached Johnny Marco (Stephen Dorff), actor que conta os minutos pelos cigarros que fuma. E nada mais. 

Exilado naquele reduto confortável mas nada luxuoso, quase kitsch, do Chateau Marmont, só a chegada da aparentemente equilibrada mas triste (e esforçada) Cleo (Elle Fenning, brilhante) lhe dá um vislumbre que a sua vida é um dia vazio, aborrecido, sem significado, atrás do outro. 

Quanto vale, na vida de alguém, a última cena do filme? 

Quem não entende, agradeça ser poupado aquele aperto no peito que nos tira o ar, tolda a visão e nos faz sentir apenas sombras.

Achei magnifico o filme. O barulho do Ferrari, as gêmeas (boas!!!) e as suas coreografias tão pouco naturais no varão, os ovos benedict.

Coppola filha tem uma maneira de equilibrar uma linguagem vintage, simples e quase banal de filmar com graciosidade e capacidade de nos "puxar" para o ecran.

Continuo a ser uma acérrima louca pelo Lost in Translaction mas esta senhora faz-se!!!

Comentários

Mensagens populares deste blogue

gaja à beira da loucura

Isto pode paracer a demência absoluta mas já estou por tudo. A Alexandra Solnado (isso mesmo, este post vai por esse caminho...) dizia numa entrevista, há umas semanas, ao promover o seu mais recente "livro" que a maioria das pessoas que lhe aparecem para consultas, são pessoas doentes - jura?!
Agora, a sério, as pessoas padecem de doenças fisicas e, no seu desespero, que nem é discutivel porque cada um saberá o que se sente quando se chega a esse patamar, procuram ajuda ou conforto no projecto da Alexandra Solnado (é assim que se chama). Posto isto, explicava a Alexandra Solnado que as doenças são, não obstante, reflexos de outros problemas mais antigos ou e a outros níveis. Não me recordo dos exemplos que ela dava mas era algo como pessoas que tinham tido muitos desgostos e uma vida marcada pela tristeza, desenvolviam uma doença grave em especifico, localizada numa área do corpo em particular. 
Ora, e dando o beneficio da duvida a esta teoria (pois que temos a perder?), gosta…

Inesperadamente, a semana passada

Uns dias bons.
O  25 de Abril. Comer caracóis, os primeiros deste ano. Passear e trabalhar no Porto, deambular nos Clérigos. Diariamente, sessões de The Newsroom e Melhor do Que Falecer. O Pedro Mexia e os ferrinhos na emissão especial do Governo Sombra (e a banda sonora e a Manuela Azevedo e as citações certeiras de Salazar bem seleccionadas por Ricardo Araujo Pereira). O Benfica, tão grande! Opá, o Benfica ❤️

Organismos Unicelulares ...

"alimentam-se" de pequenos prazeres (no pouco tempo) quando não estão a trabalhar (como é o caso!).





Filme para incomodar, para gerar desconforto, que nos deixa sem conseguir estar sentados. Um filme que não é para quem não se gosta de ver ao "espelho".  A ultima cena, explica tudo. 


Por fim, TV Cine Séries. YES!



National Geographic, às 2ª F

A rever. O Original. Só este interessa. 



De volta. Gente estranha. Dia 25!