Avançar para o conteúdo principal

In memoriam



Atravessei uma imensidão de deserto árido e floresta densa abrasadora para chegar ao mar. Andei em guerra comigo e com o mundo, com moinhos de vento, com a minha sombra. Uma pressa. Uma avidez em superar-me. Em preencher-me. A ansiedade de provar, a mim, aos outros. Intensidade em tudo, opiniões, decisões, sentimentos. Viver no limite do arrebatamento.

Cansa. Desgasta. Não elimina sensação de vazio. Não traz mais paz de espírito. Há uma gula continua pelo amanhã. Por outras coisas. Por satisfação. Por descoberta. Por motores em sobrecarga, potência máxima como se o mundo fosse acabar e tudo tivesse que ser esgotado.

E um dia queres qualquer coisa que não sabes o que é. Sabes que é outra coisa. É algo que te alimenta a paixão, a vontade de viver com risos, dar suporte para as quedas, uma construção em que participas e que te sentes cada vez mais envolvida, não arremessada para segundo plano. É teu. É de alguém.

Queres calma mesmo sem perder dose de loucura. Queres silencio pelo meio de um coração galopante que se ouve indistintamente. Queres significado e trazer valor. Queres um olhar devolvido com intenção, sem pudor, com nu de verdades.

O desassossego vai perdendo força quão mais claro fica o que se pretende. A impaciência transforma-se em distanciamento. Não vale a pena lutar contra os elementos. Continuamos a fervilhar mas já não corremos sem parar e sem destino. Ser selvagem não requer ser domesticado, apenas pede razão para abrandar.

Resta entrar no mar e deixar que as ondas rebentem, purificando, massacrando a derme com o frio e a força. Mergulhar e voltar à superfície. Olhar o céu e finalmente boiar. Está ali o destino.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Do arrebatamento

O vestido caiu facilmente. Estava apenas preso pelas alças nos ombros magros e deslizou com vontade declarada pelo corpo, até ao chão, enquanto ela acendia uma única luz de presença.

Beijou-lhe o ventre. Sentiu-o a tremer. Antecipação. Expectativa. Sentia-lhe o calor sem sequer tocar. Era como uma fonte inesgotável de desejo prestes a desmoronar-se com um toque. Os dedos enfiaram-se entre a pele e a linha das cuecas de renda fazendo-as sair com mestria. Estava liberta, da máscara de tecidos, não das demais camadas de protecção. Tal não a impedia de arfar baixinho e com satisfação sob um rosto que perdia vergonha a cada caída da cabeça para trás.


Nua, encostada à parede fria, costas arqueadas, totalmente exposta viu-a a desmontar-se com cuidado ao primeiro beijo que se colou à boca como dali não houvera saída. Era intenso, forte, penetrante o modo como ela o arrastava para si com a língua e uma perna em torno da cintura.


Todo aquele momento era primário, selvagem, sem travões ainda que, e…

Das razões

Quero-te pela desarrumação incompreensível que somos. Quero-te pela forma como me procuras à noite na cama, ainda a dormir, de modo instintivo, apenas para te recostares do mundo e amaciares no meu calor. Quero-te (tanto) quando sais do mar, feliz e salgado, qual criança livre agarrado à prancha como se fosse o teu bem mais precioso, a tua melhor amiga, a porta para o teu refúgio. Quero-te pelos beijos inesperados, lentos, que invadem qual descarga eléctrica, e afirmam sem hesitações desejo e amor. Quero-te pela forma como te afundas num livro e tudo à volta entra em pause-still e, mesmo assim, de repente tocas-me no joelho, no cabelo, dás-me a mão. Quero-te porque sei que acreditas em mim e não me questionas, crês que posso mudar o mundo. Quero-te pela tesão, confiança, cumplicidade e pelas saudades que temos, ainda, sempre, um do outro. Quero-te por te rires quando começo a cantar músicas que gosto e ouço a tocar, esteja onde esteja. Quero-te por dançarmos na rua se preciso entre ga…

Dos maldiitos

via boudoir photography

Agora acordo com mensagens que iluminam o telemóvel e em que dás conta de como pensas em mim antes de dormir. E que o queres partilhar comigo porque agora sentes saudades minhas. Agora recebo telefonemas sem hora nem expectativa e a voz é meiga e quente. Não ouço nada do que dizes, as palavras apenas são ditas mas há muito que já não têm peso ou impacto.
Antes foi a indecisão. O jogo dos que não se comprometem, que querem atalhos facilitados para um espaço confortável de repouso, salvação emocional momentânea, ilusão de pertença. Egoísta forma de ser que suga o querer dos outros para se sustentar, para sentir uma rede rápida de carinho e abraço mas que reclama para si a indisponibilidade de reciprocidade. Para quê? Se vos é dado grátis um sentimento para que serve o esforço de lutar por ele, qual o propósito de envolvimento, de estar, dar a mão, partilhar silêncios e perder a possibilidade de ter mais e mais, melhor, diferente, sempre mais, outras.
Era assim, ante…