Avançar para o conteúdo principal

Boas Novas

Às vezes também dá para ser arauto de boas noticias.
(Não me peçam para explicar o que é um arauto porque já tive que o fazer, um dia destes, no escritório e são sempre momentos em que EU me sinto pior dos que não sabem... Vão à Wikipédia!)


Não que as noticias blink-blink sejam respeitantes à minha pessoa (aliás, ainda não descobri como não passei já a um estádio diário de soluços em versão choro compulsivo mas certamente que, com falta de força e anos de desalento, lá chegaremos e em grande estilo).


Todavia, sendo noticias boas relativas a pessoas de quem gosto (muito) afectam-me pela positiva. Não imagino o que seja receber um Omega Speedmaster clássico versão masculina ou um vale-viagem para a Nova Zelândia, mas deve ser muito bom ............. Estas noticias, ainda são melhores.


Comecemos por uma escala evolutiva meramente socio-burguesa mas que permite arrumar os eventos sem prioritizar felicidades alheias.


Uma amiga especial está apaixonada, é correspondida, está feliz e o gajo não tem estilo de estafermo! Pode ser lana caprina mas não é. Quando se gosta de estar numa relação, do conforto de estar a 2 e depois de ter-se levado alguma porrada, encontrar alguém inteligente, interessante, meigo e reciprocamente apaixonado, e essa pessoa ser um gajo (coisa pretendida neste cenário), é obra.


Aliás, arranjar namorado / a nos tempos que correm é quase como estar na lista de espera de uma Birkin. Além de que nunca se sabe o que vem do Ovo do Kinder Surpresa. À moça aparentemente não lhe bateu duas vezes o carteiro à porta, mas a encomenda parece vir em condições, chegou na melhor hora e estão felizes tipo partilhar a mantinha no joelho e cachecol do Glorioso ao pescoço. Esta fase de contemplação tontinha é gira.


Já não há momentos Kodak mas eles mereciam um. Mesmo sabendo de antemão que daqui em diante, bem posso carpir mágoas com o meu muro das lamentações (uma qualquer parede cá de casa) que fiquei sem SMS SOS.


Celebração II: quando tudo parecia perdido, eis que afinal ainda vou ter mais um casamento. Não é este ano, será em 2011 (até lá, há todo um grupo que tem que fazer dieta), mas vou a um casamento, coisa que não esperava voltar a experimentar nos próximos 10 anos.


Entre amigos já casados, amigos que não estão nem aí, amigos que não casam porque a lista de convidados daria para encher o estádio da Luz , amigos que já casaram e agradecem não ter que perder um dia das suas vidas e dinheiro noutra alhada... bom, restava-me fazer novos amigos o que é difícil nesta vidinha inútil casa-trabalho (a ler, sempre; não me meto cá nem com companheiros de metro nem com os taxistas).


Ora, o filho que todas as mães querem ter, o genro que todas as sogras desejam, o namorado / noivo que todas as gajas almejam, o melhor colega de trabalho que se pode ter, vai fazer bungee jumping (figurativo) e dizer "Aceitooooooooooo!".


Apesar ser do FCP, ele é o conselheiro sensato dos piores momentos, o camarada de almoços e lanches, o fã de Xutos, que se vai fazer homenzinho. Estou muito contente por ele(s) e, prometo, Puto, que; a) não vou de escafandro à "boda"; b) não levo a cabra; c) não vou acompanhada do Carvalho da Silva.


E ainda dizem que eu sou uma má pessoa. Vejam lá, o que não faço pela felicidade de pessoas especiais! (perante figurinhas em cima de bolos de boda, já não sei se me conseguirei conter, lamento). Puto, parabéns!!!


E, chegámos ao nascimento, algures em Outubro do meu novo sobrinho /a. Sem mais dados genéticos até ao momento, passaremos a identificar o futuro alvo de mimo como Fábio Ruben ou Bruna Verónica.


É quase um momento "Amigos de Alex".

A pessoa conhece outra, faz uma amizade para a vida, partilha parvoíces e momentos de pura loucura (verdade seja dita, eu era a bem comportada), perde o rasto, re-descobre que passados os anos a força da amizade é a mesma, fica-se orgulhosa dos sucessos que o outro, parte de nós, alcança e, de repente, vou ser tia. Desta vez, pelo menos não morri com uma pipoca entalada, mas o pastel de massa tenra que entretanto comi já teve outro sabor.


Temos, pois, a caminho mais um jovem brilhante membro do Benfica, que assiste da barriga da mãe ao sucesso dos nossos meninos e que quando espernear pela primeira vez na sala de partos, provavelmente, já nem se falará de agências de rating.


À semelhança do meu sobrinho Pedro aka Viriato, já sei que vou estar com esta nova criança menos tempo do que desejaria e será obra socializar: não tenho grande jeito para estabelecer comunicação com seres pequeninos, confesso; eu gosto mesmo é de apertar e dar beijos, coisa que os putos não são propriamente adeptos. Também gosto de dar presentes e vou tentando comprá-los à falta de outra estratégia.

Neste caso, é ainda pior porque há todo um clã Von Trapp materno, habituadissimo na arte de criançar, que vai criar um mundo em que estranhos não entram.

Não sendo de sangue, o Fábio Ruben e a Bruna Verónica já faz parte do meu ser. Não é tão bom?


Comentários

Anónimo disse…
Já há alguem tempo que não lia um post com um sorrisinho parvo, tipo miúdo do liceu. Obrigado :-)
MBA
Marta disse…
Não ficaste sem SMS SOS, parvita.

Mensagens populares deste blogue

gaja à beira da loucura

Isto pode paracer a demência absoluta mas já estou por tudo. A Alexandra Solnado (isso mesmo, este post vai por esse caminho...) dizia numa entrevista, há umas semanas, ao promover o seu mais recente "livro" que a maioria das pessoas que lhe aparecem para consultas, são pessoas doentes - jura?!
Agora, a sério, as pessoas padecem de doenças fisicas e, no seu desespero, que nem é discutivel porque cada um saberá o que se sente quando se chega a esse patamar, procuram ajuda ou conforto no projecto da Alexandra Solnado (é assim que se chama). Posto isto, explicava a Alexandra Solnado que as doenças são, não obstante, reflexos de outros problemas mais antigos ou e a outros níveis. Não me recordo dos exemplos que ela dava mas era algo como pessoas que tinham tido muitos desgostos e uma vida marcada pela tristeza, desenvolviam uma doença grave em especifico, localizada numa área do corpo em particular. 
Ora, e dando o beneficio da duvida a esta teoria (pois que temos a perder?), gosta…

A importância de se chamar Candidato

Numa altura em que as empresas recorrem cada vez mais às redes sociais para procurar candidatos a postos de trabalho (89%) e que 65% por cento é bem-sucedida, conseguindo contratações satisfatórias (Fonte: PR Comunicácion) convinha que as empresas de recrutamento e de executive search pensassem um bocadinho mais sobre o seu modus operandi.


Falo por experiência, por conhecimento e por não ter conseguido efectivar mudanças. 

O headhunter da velha guarda, armado em doutrina maquiavélica, que nunca leu, perspectiva o candidato como um meio para atingir um fim: facturar.  O candidato só serve enquanto servir os interesses do projecto. A satisfação do cliente é posta à frente de tudo e todos. Esta sobranceira linha de raciocínio,  a frio, tem alguma razão de ser. Quem paga as contas são os clientes. Como metodologia, é um erro crasso.
Num mercado concorrencial, um factor claramente diferenciador é a relação que se estabelece entre um consultor e os seus candidatos, pelo menos com aqueles que a…

Inesperadamente, a semana passada

Uns dias bons.
O  25 de Abril. Comer caracóis, os primeiros deste ano. Passear e trabalhar no Porto, deambular nos Clérigos. Diariamente, sessões de The Newsroom e Melhor do Que Falecer. O Pedro Mexia e os ferrinhos na emissão especial do Governo Sombra (e a banda sonora e a Manuela Azevedo e as citações certeiras de Salazar bem seleccionadas por Ricardo Araujo Pereira). O Benfica, tão grande! Opá, o Benfica ❤️