Avançar para o conteúdo principal

Caderneta de Carteiras



Quem ou me conhece ou, ocasionalmente, lhe dá para ler-me pode já ter percebido que sou doida por carteiras. Doida é uma palavra algo redutora: doente encaixa-se mais no espirito da coisa.

O armário, aos meus olhos modesto, é uma profusão de cores e materiais, desde
a essencial Vuitton, à clássica Longchamp, à massificada Furla, à sóbria Church, aos (vários) devaneios Muu, às contestadas Carolina Herrera, às variadas Massimo Dutti e Miusho, às "nunca falham" Zara, às imbativeis H&M.


Neste caso, como no do copo, o armário está sempre meio vazio. Há sempre espaço para mais uma (mesmo quando as leis da física ditam o contrário) e falta sempre algum tom diferente de castanho.


Se as carteiras fossem cromos, daqueles que contagiaram gajos adultos em corrida desenfreada por craques do mundial 2010, eu diria que precisava de colocar na minha caderneta, pelo menos, os seguintes modelitos:


G Coin Medium Hobo White
Prada Leather Tote White e Prada Leather Tote Brown
D&G LillyBag
Red Extra Large Hermés Birkin



















Como o sonho comanda a vida, acredita-se que é possivel chegar lá.


Porém, 3 amigas que partilham idêntica paixão por carteiras, tiveram a ideia de concretizar em Portugal algo que já se faz por esse mundo fora: através da Internet, alugar carteiras novas de marcas de qualidade e a preços variados, assegurando entrega e recolha.

A Glamorous (http://www.glamorous.pt/) permite também que os membros do clube associado à marca possam vender carteiras que já não utilizam (e cujo bom estado é validado a priori pelas responsaveis). Miúdas, é do melhor.


Para festas, casamentos, baptizados há modelos de clutchs que permitem entrada em grande estilo e fazer a prima espumar de raiva, sem estar a comer Farinha 33 durante 2 meses. Mesmo sendo uma Bottega Veneta.


Para quem tem uns dias de reuniões de trabalho e quer impreessionar, ou vai a uma ronda de entrevistas de emprego e quer sentir-se confiante com uma carteira mais sofisticada, ou somente vai de fim de semana com a cunhada invejosa ou com mulherio piroso, e quer mostrar com quantos kilos de fashion se faz uma canoa, há alguma opção ideal.


Depois há o target das verdadeiramente apaixonadas por carteiras que, por uns tempinhos, têm o supremo prazer de andar de braço dado com o modelo que mais preenche o coração, sem ter que estar um ano sem férias.


As malas são mesmo novas (eu testei: abri, fechei, cheirei, acariciei e abracei uma Birkin côr camel, um pouco petit para o meu gosto). Quem gostava de ter uma carteira deste calibre pode tê-la sem recorrer à contrafacção (com impactos sociais graves para além das implicações legais e económicas).

A Glamorous ajuda também todas as afortunadas com excesso de stock
em casa, que já não usam, e que podem colocar, anonimamente, à venda online no Outlet do site.

Se de repente me virem aninhada a uma Hermés Picotin Lock Coffee TMG, já sabem:

a) não ganhei o Euromilhões (escusam de vir pedir guito);
b) nem vendi os rins e um pulmão;
c) não coloquei o namorado no "prego";
d) nem investi numa estratégia para irritar certas pessoas que se arrogam ao direito de criticar, de forma vil, a minha colecção de carteiras (não têm nada com que brincar, de certeza, então marram comigo como se fosse defeito de personalidade... gente -apenas- estúpida).

... Apenas fui ali ao site da Glamorous e perdi-me no meu desporto de eleição (não reproduzível em cromos). Mas como estas almas salvadoras advogam, "mais vale uma cateira na mão que duas na montra".






Comentários

Anónimo disse…
eheheh. Gostei do texto

Mensagens populares deste blogue

gaja à beira da loucura

Isto pode paracer a demência absoluta mas já estou por tudo. A Alexandra Solnado (isso mesmo, este post vai por esse caminho...) dizia numa entrevista, há umas semanas, ao promover o seu mais recente "livro" que a maioria das pessoas que lhe aparecem para consultas, são pessoas doentes - jura?!
Agora, a sério, as pessoas padecem de doenças fisicas e, no seu desespero, que nem é discutivel porque cada um saberá o que se sente quando se chega a esse patamar, procuram ajuda ou conforto no projecto da Alexandra Solnado (é assim que se chama). Posto isto, explicava a Alexandra Solnado que as doenças são, não obstante, reflexos de outros problemas mais antigos ou e a outros níveis. Não me recordo dos exemplos que ela dava mas era algo como pessoas que tinham tido muitos desgostos e uma vida marcada pela tristeza, desenvolviam uma doença grave em especifico, localizada numa área do corpo em particular. 
Ora, e dando o beneficio da duvida a esta teoria (pois que temos a perder?), gosta…

A importância de se chamar Candidato

Numa altura em que as empresas recorrem cada vez mais às redes sociais para procurar candidatos a postos de trabalho (89%) e que 65% por cento é bem-sucedida, conseguindo contratações satisfatórias (Fonte: PR Comunicácion) convinha que as empresas de recrutamento e de executive search pensassem um bocadinho mais sobre o seu modus operandi.


Falo por experiência, por conhecimento e por não ter conseguido efectivar mudanças. 

O headhunter da velha guarda, armado em doutrina maquiavélica, que nunca leu, perspectiva o candidato como um meio para atingir um fim: facturar.  O candidato só serve enquanto servir os interesses do projecto. A satisfação do cliente é posta à frente de tudo e todos. Esta sobranceira linha de raciocínio,  a frio, tem alguma razão de ser. Quem paga as contas são os clientes. Como metodologia, é um erro crasso.
Num mercado concorrencial, um factor claramente diferenciador é a relação que se estabelece entre um consultor e os seus candidatos, pelo menos com aqueles que a…

Inesperadamente, a semana passada

Uns dias bons.
O  25 de Abril. Comer caracóis, os primeiros deste ano. Passear e trabalhar no Porto, deambular nos Clérigos. Diariamente, sessões de The Newsroom e Melhor do Que Falecer. O Pedro Mexia e os ferrinhos na emissão especial do Governo Sombra (e a banda sonora e a Manuela Azevedo e as citações certeiras de Salazar bem seleccionadas por Ricardo Araujo Pereira). O Benfica, tão grande! Opá, o Benfica ❤️