Avançar para o conteúdo principal

O maravilhoso mundo da vida a 2

O calor ajuda a baixar-me a já de si perene barreira da tolerância. Põe-me com os nervos em franja e o lado assassino anda mais à superfície. Nada de bom pode advir disto!

Claro que quando se partilha um espaço chamado vida com outra pessoa, há muita viola enfiada no saco. Nada de sapos que odeio ao ponto de os querer matar à pedrada. 

Mas se há coisa que estes 8, quase 9, anos de convivência amorosa me dão grande conforto para desabafar sem hesitações, é que para além do amor, do companheirismo, do sexo desenfreado, da confiança, 3 coisas são fundamentais para se sobreviver na selva da "conjugalidade":

1) Ter 2 casas de banho. 
Não tenho. É uma grande merda.  
Faz muita falta. 
Desde logo, pela privacidade. Esses à vontades de um lavar os dentes enquanto o outro corta as unhas dos pés sentado na sanita... menos! Depois pela necessidade de espaço para as minhas coisinhas. 
E há mais: não ter que regular, diariamente, como sai a água, do chuveiro; não ter que gramar com cabelos pretos (nota: euros depois, a minha melena é loura!) na banheira antes de entrar; e, sobretudo, as horas... a gestão do tempo de utilização matinal da casa de banho resulta numa logistica que me lixa sempre, porque como o gajo tem um problema de horas (basicamente, são-lhe indiferentes), levanto-me sempre primeiro para me arranjar com 2 horas de antecedência.
Noutra encarnação, ou noutra casa, ou noutra relação, quero MESMO mais uma casa de banho.

2) Se o gajo gostar de ir às compras ao supermercado, deixá-lo ir.
Para mim, uma ida ao Continente, ao Pingo Doce ou ao Lidl que dure mais de 30 minutos, já é um caso sério de intolerância. Começo a ter comichões e a hiper-ventilar. Começo a arrastar-me pelos corredores a ver já tudo muito torto. E como faço uma ida à Zara, com vistoria completa, com compra efectiva, e passagem pela caixa registadora, em menos de 10 minutos, desespero com a capacidade de alguém que esbanja tempo a escolher mostarda (já chegámos há uns belos 25 minutos neste cenário), queijo (nunca menos de 10 minutos), shampoo (10-12 minutos) ou ... pão (5 minutos).
Solução: eu fico em casa a ler, ele vai às compras. Ás vezes, vou eu.

3) Ter 2 TVs.
A doutrina divide-se. 2 TVs afastam um casal. É verdade. Mas também não gera uma frustração de serial killer em atacar o outro que teima ver, sei lá, o American Pie (merece umas belas caneladas, de qualquer maneira), ou faz aquela coisa irritante de, chegando um anuncio, mudar sem parar de canal, coisa MEGA enervante.
Melhor do que ter 2 TVs, é ter 2 boxes que gravam. MARAVILHA. Ó abençoada cama, comando e tardes de Domingo a ver gravações e dvd's de coisas giras (Criminal Minds, Damages, Ossos, Closer, The City) vs. ter que gramar o Guimarães-Estrela Amadora, época 84/85, na RTP Memória ou o Campeonato Mundial de Dardos na Sport TV ou, pior, o Melrose Place (dasseeeeeeeeeeeee).
Há outra vantagem: quando nos querem obrigar a ver o programa dos Gorditos que emagrecem, num misto de pedagogia e indirecta velada, permite virar as costas, rodar os calcanhares de forma arrogante e ir ver as irmãs Kardashian!

Comentários

Mensagens populares deste blogue

A importância de se chamar Candidato

Numa altura em que as empresas recorrem cada vez mais às redes sociais para procurar candidatos a postos de trabalho (89%) e que 65% por cento é bem-sucedida, conseguindo contratações satisfatórias (Fonte: PR Comunicácion) convinha que as empresas de recrutamento e de executive search pensassem um bocadinho mais sobre o seu modus operandi.


Falo por experiência, por conhecimento e por não ter conseguido efectivar mudanças. 

O headhunter da velha guarda, armado em doutrina maquiavélica, que nunca leu, perspectiva o candidato como um meio para atingir um fim: facturar.  O candidato só serve enquanto servir os interesses do projecto. A satisfação do cliente é posta à frente de tudo e todos. Esta sobranceira linha de raciocínio,  a frio, tem alguma razão de ser. Quem paga as contas são os clientes. Como metodologia, é um erro crasso.
Num mercado concorrencial, um factor claramente diferenciador é a relação que se estabelece entre um consultor e os seus candidatos, pelo menos com aqueles que a…

Da alegria

Gosto desses olhos que se iluminam e que pausam em mim como se nada mais existisse naquele longo momento. Esse olhar decidido, seguro, revelador de um modo de estar ciente do que se quer e descomplicado.
Fazes-me rir. Como se o mundo fosse fácil. Como se salvar-me das trevas não fosse uma missão mas sim manter-me saciada, livre, às gargalhadas, serena e em silencio, a ler com as pernas esticadas sobre ti.

Gosto das madrugadas de surf, mesmo ao frio. Dos beijos salgados e daquele teu cheiro misturado com água gelada. O cheiro que ainda hoje me faz ficar apreensiva, receosa, quando acordo a meio da noite e te ouço a respirar devagarinho e aquele cheiro está encostado a mim. E como aquele cheiro me apareceu e inundou de alegria.

I shine

Kiss me before you break my heart. There is still room to be damaged for every breath I take on myself and for myself. I regain confidence on me on every touch of you, even those that will be lost. 
The shivers running down on my spine awaken me and allow me to make you feel stronger, bolder, in love with life. 
I expand my senses while you will torn my world apart. We are under the same sky but I am meant to be a trail of light rather than a guiding star. 
I will burn your soul and you will break my heart. Yet I shine. So, kiss me and let's pretend.