Avançar para o conteúdo principal

O maravilhoso mundo da vida a 2

O calor ajuda a baixar-me a já de si perene barreira da tolerância. Põe-me com os nervos em franja e o lado assassino anda mais à superfície. Nada de bom pode advir disto!

Claro que quando se partilha um espaço chamado vida com outra pessoa, há muita viola enfiada no saco. Nada de sapos que odeio ao ponto de os querer matar à pedrada. 

Mas se há coisa que estes 8, quase 9, anos de convivência amorosa me dão grande conforto para desabafar sem hesitações, é que para além do amor, do companheirismo, do sexo desenfreado, da confiança, 3 coisas são fundamentais para se sobreviver na selva da "conjugalidade":

1) Ter 2 casas de banho. 
Não tenho. É uma grande merda.  
Faz muita falta. 
Desde logo, pela privacidade. Esses à vontades de um lavar os dentes enquanto o outro corta as unhas dos pés sentado na sanita... menos! Depois pela necessidade de espaço para as minhas coisinhas. 
E há mais: não ter que regular, diariamente, como sai a água, do chuveiro; não ter que gramar com cabelos pretos (nota: euros depois, a minha melena é loura!) na banheira antes de entrar; e, sobretudo, as horas... a gestão do tempo de utilização matinal da casa de banho resulta numa logistica que me lixa sempre, porque como o gajo tem um problema de horas (basicamente, são-lhe indiferentes), levanto-me sempre primeiro para me arranjar com 2 horas de antecedência.
Noutra encarnação, ou noutra casa, ou noutra relação, quero MESMO mais uma casa de banho.

2) Se o gajo gostar de ir às compras ao supermercado, deixá-lo ir.
Para mim, uma ida ao Continente, ao Pingo Doce ou ao Lidl que dure mais de 30 minutos, já é um caso sério de intolerância. Começo a ter comichões e a hiper-ventilar. Começo a arrastar-me pelos corredores a ver já tudo muito torto. E como faço uma ida à Zara, com vistoria completa, com compra efectiva, e passagem pela caixa registadora, em menos de 10 minutos, desespero com a capacidade de alguém que esbanja tempo a escolher mostarda (já chegámos há uns belos 25 minutos neste cenário), queijo (nunca menos de 10 minutos), shampoo (10-12 minutos) ou ... pão (5 minutos).
Solução: eu fico em casa a ler, ele vai às compras. Ás vezes, vou eu.

3) Ter 2 TVs.
A doutrina divide-se. 2 TVs afastam um casal. É verdade. Mas também não gera uma frustração de serial killer em atacar o outro que teima ver, sei lá, o American Pie (merece umas belas caneladas, de qualquer maneira), ou faz aquela coisa irritante de, chegando um anuncio, mudar sem parar de canal, coisa MEGA enervante.
Melhor do que ter 2 TVs, é ter 2 boxes que gravam. MARAVILHA. Ó abençoada cama, comando e tardes de Domingo a ver gravações e dvd's de coisas giras (Criminal Minds, Damages, Ossos, Closer, The City) vs. ter que gramar o Guimarães-Estrela Amadora, época 84/85, na RTP Memória ou o Campeonato Mundial de Dardos na Sport TV ou, pior, o Melrose Place (dasseeeeeeeeeeeee).
Há outra vantagem: quando nos querem obrigar a ver o programa dos Gorditos que emagrecem, num misto de pedagogia e indirecta velada, permite virar as costas, rodar os calcanhares de forma arrogante e ir ver as irmãs Kardashian!

Comentários

Mensagens populares deste blogue

gaja à beira da loucura

Isto pode paracer a demência absoluta mas já estou por tudo. A Alexandra Solnado (isso mesmo, este post vai por esse caminho...) dizia numa entrevista, há umas semanas, ao promover o seu mais recente "livro" que a maioria das pessoas que lhe aparecem para consultas, são pessoas doentes - jura?!
Agora, a sério, as pessoas padecem de doenças fisicas e, no seu desespero, que nem é discutivel porque cada um saberá o que se sente quando se chega a esse patamar, procuram ajuda ou conforto no projecto da Alexandra Solnado (é assim que se chama). Posto isto, explicava a Alexandra Solnado que as doenças são, não obstante, reflexos de outros problemas mais antigos ou e a outros níveis. Não me recordo dos exemplos que ela dava mas era algo como pessoas que tinham tido muitos desgostos e uma vida marcada pela tristeza, desenvolviam uma doença grave em especifico, localizada numa área do corpo em particular. 
Ora, e dando o beneficio da duvida a esta teoria (pois que temos a perder?), gosta…

Inesperadamente, a semana passada

Uns dias bons.
O  25 de Abril. Comer caracóis, os primeiros deste ano. Passear e trabalhar no Porto, deambular nos Clérigos. Diariamente, sessões de The Newsroom e Melhor do Que Falecer. O Pedro Mexia e os ferrinhos na emissão especial do Governo Sombra (e a banda sonora e a Manuela Azevedo e as citações certeiras de Salazar bem seleccionadas por Ricardo Araujo Pereira). O Benfica, tão grande! Opá, o Benfica ❤️

Organismos Unicelulares ...

"alimentam-se" de pequenos prazeres (no pouco tempo) quando não estão a trabalhar (como é o caso!).





Filme para incomodar, para gerar desconforto, que nos deixa sem conseguir estar sentados. Um filme que não é para quem não se gosta de ver ao "espelho".  A ultima cena, explica tudo. 


Por fim, TV Cine Séries. YES!



National Geographic, às 2ª F

A rever. O Original. Só este interessa. 



De volta. Gente estranha. Dia 25!