Avançar para o conteúdo principal

Diário de uma semana

Foi uma semana catita, bastante veraneante, apesar de estar trabalhar e não pôr pézinho na praia e, por tal, estar mais branca do que se tivesse encontrado aqueles pavorosos dos vampiros da saga irritante que não acaba nunca.

Mantenho-me nas dimensões de um Hummer, o que preconiza uma constância e coerência na minha vida, que não deixa de ser cruelmente interessante.

Começou a semana com mais uma maluqueira, daquelas que só eu. Nasci abençoada por ser pestanuda mas com umas pestanas louras. Então, nos próximos 3 a 4 meses, graças à Georgia, do santo Iunique, vou ter umas sedutoras longas pestanas negras, lindas de morrer, sem necessitar de diariamente fazer as figuras estranhas a colocar rimmel, de modo a que fique bem. Estou muito satisfeita com o resultado.

Depois continuou, coberta de mel e doçura derretida pela "sobrinha" Mini Diva, que é um bébé adorável, meiga, bem comportada e tão calma que dá vontade de a cobrir de beijos. Pronto, gosta de Lady Gaga mas com 6 meses, e apesar de já manifestar clara inteligência, não se pode exigir muito discernimento, certo? O jantar que os pais nos ofereceram estava deliciosoooooooooo. Foi mesmo muito bom e apaixonámo-nos pela Mini Diva.

Ainda por estes dias de bafus horribilis estive com a Bookette, amiga de livros e conversas sem fim, alguém que percebe a minha paixão por revistas, e que já não via há meses. Foi tão bom revê-la, passear na H&M e findar nos sofás do Starbucks. Há pessoas que têm uma magia própria, uma luz tão especial quanto o brilho dos seus olhos. A Bookette é assim, agarrou a vida pela mão e passeia triunfante pela avenida. 

Este "namoro" de saudades teve direito a bónus, directamente de uma Muji de Barcelona: um magnifico e simples caderno de capinha preta para as minhas notas mentais (devaneios, vá!) e uma lima girissima com desenhos. Para uma fanática da escrita e da manicura cai como ginjas mas o que é mesmo delicioso é receber, assim, de supressa, presentes. Significa que estamos na mente e no coração das pessoas de quem gostamos, o que é muito bom. 

Por fim, Happy Hour semanal no Sky Bar do Hotel Tivoli. A vista é fabulosa, o ambiente é muito descontraido, com uns sofás estilo marroquino que convidam a sesta de fim de dia, ao som de uma musica calma, a ver o pôr de sol. Conversa de gajas num dolce far niente tão bom como confortável. 

Ainda fui a tempo de regojizar-me com uma fotografia na Nova Gente da Clara de Sousa em que se vê a dita com uma pavarosa bolsa-meia para o seu telemóvel. Adoro o nível de possidonice. Acredito mesmo que há naperons lá por casa. Ninguém me tira isso da cabeça

E, agora, fim de semana com tanta leitura para pôr em dia... E ainda vem uma Vogue Espanha a caminho e uma Visão que está algures cá em casa!



Comentários

Mensagens populares deste blogue

Do arrebatamento

O vestido caiu facilmente. Estava apenas preso pelas alças nos ombros magros e deslizou com vontade declarada pelo corpo, até ao chão, enquanto ela acendia uma única luz de presença.

Beijou-lhe o ventre. Sentiu-o a tremer. Antecipação. Expectativa. Sentia-lhe o calor sem sequer tocar. Era como uma fonte inesgotável de desejo prestes a desmoronar-se com um toque. Os dedos enfiaram-se entre a pele e a linha das cuecas de renda fazendo-as sair com mestria. Estava liberta, da máscara de tecidos, não das demais camadas de protecção. Tal não a impedia de arfar baixinho e com satisfação sob um rosto que perdia vergonha a cada caída da cabeça para trás.


Nua, encostada à parede fria, costas arqueadas, totalmente exposta viu-a a desmontar-se com cuidado ao primeiro beijo que se colou à boca como dali não houvera saída. Era intenso, forte, penetrante o modo como ela o arrastava para si com a língua e uma perna em torno da cintura.


Todo aquele momento era primário, selvagem, sem travões ainda que, e…

Das razões

Quero-te pela desarrumação incompreensível que somos. Quero-te pela forma como me procuras à noite na cama, ainda a dormir, de modo instintivo, apenas para te recostares do mundo e amaciares no meu calor. Quero-te (tanto) quando sais do mar, feliz e salgado, qual criança livre agarrado à prancha como se fosse o teu bem mais precioso, a tua melhor amiga, a porta para o teu refúgio. Quero-te pelos beijos inesperados, lentos, que invadem qual descarga eléctrica, e afirmam sem hesitações desejo e amor. Quero-te pela forma como te afundas num livro e tudo à volta entra em pause-still e, mesmo assim, de repente tocas-me no joelho, no cabelo, dás-me a mão. Quero-te porque sei que acreditas em mim e não me questionas, crês que posso mudar o mundo. Quero-te pela tesão, confiança, cumplicidade e pelas saudades que temos, ainda, sempre, um do outro. Quero-te por te rires quando começo a cantar músicas que gosto e ouço a tocar, esteja onde esteja. Quero-te por dançarmos na rua se preciso entre ga…

Dos maldiitos

via boudoir photography

Agora acordo com mensagens que iluminam o telemóvel e em que dás conta de como pensas em mim antes de dormir. E que o queres partilhar comigo porque agora sentes saudades minhas. Agora recebo telefonemas sem hora nem expectativa e a voz é meiga e quente. Não ouço nada do que dizes, as palavras apenas são ditas mas há muito que já não têm peso ou impacto.
Antes foi a indecisão. O jogo dos que não se comprometem, que querem atalhos facilitados para um espaço confortável de repouso, salvação emocional momentânea, ilusão de pertença. Egoísta forma de ser que suga o querer dos outros para se sustentar, para sentir uma rede rápida de carinho e abraço mas que reclama para si a indisponibilidade de reciprocidade. Para quê? Se vos é dado grátis um sentimento para que serve o esforço de lutar por ele, qual o propósito de envolvimento, de estar, dar a mão, partilhar silêncios e perder a possibilidade de ter mais e mais, melhor, diferente, sempre mais, outras.
Era assim, ante…