Avançar para o conteúdo principal

Diário de uma semana

Foi uma semana catita, bastante veraneante, apesar de estar trabalhar e não pôr pézinho na praia e, por tal, estar mais branca do que se tivesse encontrado aqueles pavorosos dos vampiros da saga irritante que não acaba nunca.

Mantenho-me nas dimensões de um Hummer, o que preconiza uma constância e coerência na minha vida, que não deixa de ser cruelmente interessante.

Começou a semana com mais uma maluqueira, daquelas que só eu. Nasci abençoada por ser pestanuda mas com umas pestanas louras. Então, nos próximos 3 a 4 meses, graças à Georgia, do santo Iunique, vou ter umas sedutoras longas pestanas negras, lindas de morrer, sem necessitar de diariamente fazer as figuras estranhas a colocar rimmel, de modo a que fique bem. Estou muito satisfeita com o resultado.

Depois continuou, coberta de mel e doçura derretida pela "sobrinha" Mini Diva, que é um bébé adorável, meiga, bem comportada e tão calma que dá vontade de a cobrir de beijos. Pronto, gosta de Lady Gaga mas com 6 meses, e apesar de já manifestar clara inteligência, não se pode exigir muito discernimento, certo? O jantar que os pais nos ofereceram estava deliciosoooooooooo. Foi mesmo muito bom e apaixonámo-nos pela Mini Diva.

Ainda por estes dias de bafus horribilis estive com a Bookette, amiga de livros e conversas sem fim, alguém que percebe a minha paixão por revistas, e que já não via há meses. Foi tão bom revê-la, passear na H&M e findar nos sofás do Starbucks. Há pessoas que têm uma magia própria, uma luz tão especial quanto o brilho dos seus olhos. A Bookette é assim, agarrou a vida pela mão e passeia triunfante pela avenida. 

Este "namoro" de saudades teve direito a bónus, directamente de uma Muji de Barcelona: um magnifico e simples caderno de capinha preta para as minhas notas mentais (devaneios, vá!) e uma lima girissima com desenhos. Para uma fanática da escrita e da manicura cai como ginjas mas o que é mesmo delicioso é receber, assim, de supressa, presentes. Significa que estamos na mente e no coração das pessoas de quem gostamos, o que é muito bom. 

Por fim, Happy Hour semanal no Sky Bar do Hotel Tivoli. A vista é fabulosa, o ambiente é muito descontraido, com uns sofás estilo marroquino que convidam a sesta de fim de dia, ao som de uma musica calma, a ver o pôr de sol. Conversa de gajas num dolce far niente tão bom como confortável. 

Ainda fui a tempo de regojizar-me com uma fotografia na Nova Gente da Clara de Sousa em que se vê a dita com uma pavarosa bolsa-meia para o seu telemóvel. Adoro o nível de possidonice. Acredito mesmo que há naperons lá por casa. Ninguém me tira isso da cabeça

E, agora, fim de semana com tanta leitura para pôr em dia... E ainda vem uma Vogue Espanha a caminho e uma Visão que está algures cá em casa!



Comentários

Mensagens populares deste blogue

gaja à beira da loucura

Isto pode paracer a demência absoluta mas já estou por tudo. A Alexandra Solnado (isso mesmo, este post vai por esse caminho...) dizia numa entrevista, há umas semanas, ao promover o seu mais recente "livro" que a maioria das pessoas que lhe aparecem para consultas, são pessoas doentes - jura?!
Agora, a sério, as pessoas padecem de doenças fisicas e, no seu desespero, que nem é discutivel porque cada um saberá o que se sente quando se chega a esse patamar, procuram ajuda ou conforto no projecto da Alexandra Solnado (é assim que se chama). Posto isto, explicava a Alexandra Solnado que as doenças são, não obstante, reflexos de outros problemas mais antigos ou e a outros níveis. Não me recordo dos exemplos que ela dava mas era algo como pessoas que tinham tido muitos desgostos e uma vida marcada pela tristeza, desenvolviam uma doença grave em especifico, localizada numa área do corpo em particular. 
Ora, e dando o beneficio da duvida a esta teoria (pois que temos a perder?), gosta…

A importância de se chamar Candidato

Numa altura em que as empresas recorrem cada vez mais às redes sociais para procurar candidatos a postos de trabalho (89%) e que 65% por cento é bem-sucedida, conseguindo contratações satisfatórias (Fonte: PR Comunicácion) convinha que as empresas de recrutamento e de executive search pensassem um bocadinho mais sobre o seu modus operandi.


Falo por experiência, por conhecimento e por não ter conseguido efectivar mudanças. 

O headhunter da velha guarda, armado em doutrina maquiavélica, que nunca leu, perspectiva o candidato como um meio para atingir um fim: facturar.  O candidato só serve enquanto servir os interesses do projecto. A satisfação do cliente é posta à frente de tudo e todos. Esta sobranceira linha de raciocínio,  a frio, tem alguma razão de ser. Quem paga as contas são os clientes. Como metodologia, é um erro crasso.
Num mercado concorrencial, um factor claramente diferenciador é a relação que se estabelece entre um consultor e os seus candidatos, pelo menos com aqueles que a…

Inesperadamente, a semana passada

Uns dias bons.
O  25 de Abril. Comer caracóis, os primeiros deste ano. Passear e trabalhar no Porto, deambular nos Clérigos. Diariamente, sessões de The Newsroom e Melhor do Que Falecer. O Pedro Mexia e os ferrinhos na emissão especial do Governo Sombra (e a banda sonora e a Manuela Azevedo e as citações certeiras de Salazar bem seleccionadas por Ricardo Araujo Pereira). O Benfica, tão grande! Opá, o Benfica ❤️