Avançar para o conteúdo principal

Socorro, casamento e sem nada pra' vestir

Em setembro vou a uma festa de casamento. Pânico Numero 1!

E vou ser Madrinha de boda. Pânico 2!

Desde que soube que ia haver festaça, suores frios, uma ansiedade daquelas e um medo enorme em entrar em lojas. 

Festa é uma coisa que me gera borbulhas tamanho os nervos. Socializar com outros, muitos deles estranhos, sem estar de calças de ganga e bailarinas, dá-me voltas à barriga. Geralmente, quando chega à hora da sair de casa, já estou mas é na cama, livre de chatices.  

Desta vez, porém, não posso falhar, sou Madrinha. Somos duas, de facto, se calhar ninguem daria pela minha falta. Mas é um risco alto para se correr. A nubente espeta-me com um dos seus saltos na cabeça e foi-se a minha vidinha.

O dress code é casual chic, nada elaborado nem muito casamenteiro porque ninguém gosta dessas coisas, é uma malta cool e vai ser tudo muito descontraído, muito reunião de amigos, mas raios, sou Madrinha, não posso ir propriamente como se fosse ao supermercado (nota; vou ao supermercado como saio à noite, é sempre o mais básico dos básicos mas com maquilhagem).

Para mais a nubente, vai estar brilhante e já de si é alta e magra. A outra Madrinha, é parva de gira até ao abuso. Os meus pensamentos centravam-se em: "lá vou pois, euzinha, pronta para ser apagada das fotos institucionais pelo Photoshop" (juro que já estive num casamento em que não apareci em uma única fotografia; e, sim, eu estava lá! É o cumulo ser-se ignorado pelos gajos que estão ali para fazer dinheiro, mas mesmo assim desistiram de mim dado que sou tão fotogênica como um tractor).

Bom, foram 48H de intensa sensação de que nada giro me vai servir, vou ter que ou vestir algo pavoroso mas que entre, ou algo extremamente caro que caia mesmo bem e disfarce o drama que pra' aqui vai. Até tremia só de pensar o tempo e frustração que esta tarefa me iria  consumir, terminando comigo a comprar, já em desespero, qualquer coisa e derrotada pela Lei do Retalho.

Curiosamente, e como tenho um segundo dom (o primeiro sendo a capacidade para dormir, mesmo no meio do maior desastre natural), o de ter paixões imediatas por roupa que resulta, a operação ocorreu sem espinhas, de forma até natural, e já tenho um vestido todo catita, que combina com uns sapatos lindos de êxtase. Tenho a clutch perfeita, uma pulseira que encaixa no ensemble na perfeição e uns brincos que também estarão à altura do desafio.

O vestido tem só um handicap: é de cavas. Mas aprendi algumas maneiras de usar a echarpe de forma elegante e prática, tapando os braços de sopeira que o serviço publico (e a vergonha) me obrigam a cobrir.

E, pronto, venha a festa. Com uns drunfes (dos legais!) é capaz de uma pessoa aguentar-se.

Deixa-me muito feliz esta boda. Gosto muito dos noivos. Vai ser de estalo!!!!

PS. Pânico 3... estou branca como a cal, ainda tenho que me bronzear... Uh Uh, solários aí vou eu!

Comentários

Marta Rebelo disse…
Para reacções «noivais» a este post, ide a meu mural no FB :-)
Tigrão disse…
Não hás-de ficar invisível na boda do ano! Não que fosse acontecer, mas just in case, nem que encha os fotógrafos/foto-repórteres de berlaites! :)

Mensagens populares deste blogue

gaja à beira da loucura

Isto pode paracer a demência absoluta mas já estou por tudo. A Alexandra Solnado (isso mesmo, este post vai por esse caminho...) dizia numa entrevista, há umas semanas, ao promover o seu mais recente "livro" que a maioria das pessoas que lhe aparecem para consultas, são pessoas doentes - jura?!
Agora, a sério, as pessoas padecem de doenças fisicas e, no seu desespero, que nem é discutivel porque cada um saberá o que se sente quando se chega a esse patamar, procuram ajuda ou conforto no projecto da Alexandra Solnado (é assim que se chama). Posto isto, explicava a Alexandra Solnado que as doenças são, não obstante, reflexos de outros problemas mais antigos ou e a outros níveis. Não me recordo dos exemplos que ela dava mas era algo como pessoas que tinham tido muitos desgostos e uma vida marcada pela tristeza, desenvolviam uma doença grave em especifico, localizada numa área do corpo em particular. 
Ora, e dando o beneficio da duvida a esta teoria (pois que temos a perder?), gosta…

A importância de se chamar Candidato

Numa altura em que as empresas recorrem cada vez mais às redes sociais para procurar candidatos a postos de trabalho (89%) e que 65% por cento é bem-sucedida, conseguindo contratações satisfatórias (Fonte: PR Comunicácion) convinha que as empresas de recrutamento e de executive search pensassem um bocadinho mais sobre o seu modus operandi.


Falo por experiência, por conhecimento e por não ter conseguido efectivar mudanças. 

O headhunter da velha guarda, armado em doutrina maquiavélica, que nunca leu, perspectiva o candidato como um meio para atingir um fim: facturar.  O candidato só serve enquanto servir os interesses do projecto. A satisfação do cliente é posta à frente de tudo e todos. Esta sobranceira linha de raciocínio,  a frio, tem alguma razão de ser. Quem paga as contas são os clientes. Como metodologia, é um erro crasso.
Num mercado concorrencial, um factor claramente diferenciador é a relação que se estabelece entre um consultor e os seus candidatos, pelo menos com aqueles que a…

Inesperadamente, a semana passada

Uns dias bons.
O  25 de Abril. Comer caracóis, os primeiros deste ano. Passear e trabalhar no Porto, deambular nos Clérigos. Diariamente, sessões de The Newsroom e Melhor do Que Falecer. O Pedro Mexia e os ferrinhos na emissão especial do Governo Sombra (e a banda sonora e a Manuela Azevedo e as citações certeiras de Salazar bem seleccionadas por Ricardo Araujo Pereira). O Benfica, tão grande! Opá, o Benfica ❤️