Avançar para o conteúdo principal

Breakfast with Body Balance (não soa bem, pois não?)

Há quem ande feliz a usar isto!




Eu sentir-me-ia feliz com isto



Ora, cada um sabe de si e procura o equilíbrio onde quer.


A pulseirinha ate é catita e tal, em branco até passa bem por pulseira de praia, daquelas das modas estivais (há dois anos haviam umas das Havaianas bem giras, a condizer com chinela e bikini) mas são caras (o que, diga-se, atesta o desequilíbrio de quem as compra). Para mais, o Cristiano Ronaldo usa uma. Só por si, mega argumento para fugir. Imagino a banalização que isto vai ser.

Sejamos realistas, acreditar no poder holistico da coisa é tão estranho como acreditar que o Pongolle é um bom jogador.

Hoje, tal como no passado, as pessoas ou querem estar na moda (e usar o que milhares de outros usam porque isso confere sentido de pertença, por mais disparatado que seja o elo em comum) ou querem acreditar num totem que as vai ajudar a ser melhor ou a sentirem-se melhor.

Eu compreendo. 

Eu própria, com a mania das grandezas que me caracteriza, adorava que existisse um comprimido, uma bracelete, um fio, uma bandolete ou um piercing, que me ajudasse no meu maior drama: a balança

De uma penada só, algo que fosse inibidor do apetite, adelgaçante, anti celulítico, tonificante e substituto de comida. Há que ser ambicioso e pensar que um dia as grandes mentes deste mundo param de inventar coisas de silicone que não são mais do que tontarias e resolvem esta grande questão que me aflige.

Ate lá, quem for a Nova Iorque ou a Madrid, please talk to me. 

Comentários

Anónimo disse…
o andre esta em madrid.pede-lhe.alexandra

Mensagens populares deste blogue

gaja à beira da loucura

Isto pode paracer a demência absoluta mas já estou por tudo. A Alexandra Solnado (isso mesmo, este post vai por esse caminho...) dizia numa entrevista, há umas semanas, ao promover o seu mais recente "livro" que a maioria das pessoas que lhe aparecem para consultas, são pessoas doentes - jura?!
Agora, a sério, as pessoas padecem de doenças fisicas e, no seu desespero, que nem é discutivel porque cada um saberá o que se sente quando se chega a esse patamar, procuram ajuda ou conforto no projecto da Alexandra Solnado (é assim que se chama). Posto isto, explicava a Alexandra Solnado que as doenças são, não obstante, reflexos de outros problemas mais antigos ou e a outros níveis. Não me recordo dos exemplos que ela dava mas era algo como pessoas que tinham tido muitos desgostos e uma vida marcada pela tristeza, desenvolviam uma doença grave em especifico, localizada numa área do corpo em particular. 
Ora, e dando o beneficio da duvida a esta teoria (pois que temos a perder?), gosta…

Inesperadamente, a semana passada

Uns dias bons.
O  25 de Abril. Comer caracóis, os primeiros deste ano. Passear e trabalhar no Porto, deambular nos Clérigos. Diariamente, sessões de The Newsroom e Melhor do Que Falecer. O Pedro Mexia e os ferrinhos na emissão especial do Governo Sombra (e a banda sonora e a Manuela Azevedo e as citações certeiras de Salazar bem seleccionadas por Ricardo Araujo Pereira). O Benfica, tão grande! Opá, o Benfica ❤️

Organismos Unicelulares ...

"alimentam-se" de pequenos prazeres (no pouco tempo) quando não estão a trabalhar (como é o caso!).





Filme para incomodar, para gerar desconforto, que nos deixa sem conseguir estar sentados. Um filme que não é para quem não se gosta de ver ao "espelho".  A ultima cena, explica tudo. 


Por fim, TV Cine Séries. YES!



National Geographic, às 2ª F

A rever. O Original. Só este interessa. 



De volta. Gente estranha. Dia 25!