Avançar para o conteúdo principal

Aleluia

Pouco ou nada sei sobre o padre pop brasileiro Marcelo Rossi. A bem da verdade, pouco ou nada me interessa.

Até porque ele pode ser estrela de uma linha de padrecos modernos mas depois é um anti gay e isso irrita-me.

Mas li ontem que numa missa, em 2011, para entre 10.000 ou 15.000 espectadores (a inexactidão do numero releva-se) , também transmitida na TV (milhões, portanto), o padre proferiu umas afirmações (inofensivas) pouco consensuais e polémicas.

Os ânimos inflamaram-se. Circulou um abaixo assinado online com 2.300 mil assinaturas a exigir que ele pedisse desculpa. O diabo a sete.

E numa era de politicamente correcto em que os mediáticos têm a tendencia de "ah, pois, expressei-me mal, lamento que as minhas palavras tenham sido mal interpretadas e causado dor ao meu publico", o padre Rossi não capitulou. E manteve o que disse.

Gosto desta verticalidade. É rara.


PS. O homem basicamente disse que os gatos são traiçoeiros. À puta de loucura a que chegámos!

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Do arrebatamento

O vestido caiu facilmente. Estava apenas preso pelas alças nos ombros magros e deslizou com vontade declarada pelo corpo, até ao chão, enquanto ela acendia uma única luz de presença.

Beijou-lhe o ventre. Sentiu-o a tremer. Antecipação. Expectativa. Sentia-lhe o calor sem sequer tocar. Era como uma fonte inesgotável de desejo prestes a desmoronar-se com um toque. Os dedos enfiaram-se entre a pele e a linha das cuecas de renda fazendo-as sair com mestria. Estava liberta, da máscara de tecidos, não das demais camadas de protecção. Tal não a impedia de arfar baixinho e com satisfação sob um rosto que perdia vergonha a cada caída da cabeça para trás.


Nua, encostada à parede fria, costas arqueadas, totalmente exposta viu-a a desmontar-se com cuidado ao primeiro beijo que se colou à boca como dali não houvera saída. Era intenso, forte, penetrante o modo como ela o arrastava para si com a língua e uma perna em torno da cintura.


Todo aquele momento era primário, selvagem, sem travões ainda que, e…

I shine

Kiss me before you break my heart. There is still room to be damaged for every breath I take on myself and for myself. I regain confidence on me on every touch of you, even those that will be lost. 
The shivers running down on my spine awaken me and allow me to make you feel stronger, bolder, in love with life. 
I expand my senses while you will torn my world apart. We are under the same sky but I am meant to be a trail of light rather than a guiding star. 
I will burn your soul and you will break my heart. Yet I shine. So, kiss me and let's pretend.

Da alegria

Gosto desses olhos que se iluminam e que pausam em mim como se nada mais existisse naquele longo momento. Esse olhar decidido, seguro, revelador de um modo de estar ciente do que se quer e descomplicado.
Fazes-me rir. Como se o mundo fosse fácil. Como se salvar-me das trevas não fosse uma missão mas sim manter-me saciada, livre, às gargalhadas, serena e em silencio, a ler com as pernas esticadas sobre ti.

Gosto das madrugadas de surf, mesmo ao frio. Dos beijos salgados e daquele teu cheiro misturado com água gelada. O cheiro que ainda hoje me faz ficar apreensiva, receosa, quando acordo a meio da noite e te ouço a respirar devagarinho e aquele cheiro está encostado a mim. E como aquele cheiro me apareceu e inundou de alegria.