Avançar para o conteúdo principal

Das novidades

O Diário Económico anunciou hoje que a cadeia Erich Kayser vai abrir uma 2ª loja no Chiado.



E, por mim, tudo bem.



Tenho mixed feelings com a Erich Kayser. Estranho porque tomo o pequeno almoço diariamente no próprio do sitio.



Portanto, por um lado, pão do bom, uns croissants de amêndoa que deviam ser ilegais, uns bolos de encher olho, uns menús de almoço a preços convidativos (apesar do mote carote da coisa). Dandy!



Por outro, o serviço. E... havia tanto a dizer sobre o dito. Ou não, basta isto: é mau. E olhem que vou lá diariamente, não é uma opinião assim às 3 pancadas.



Há boas intenções, é certo. Mas também muito atrofio, esquecimento da existência de clientes, mesas que não são levantadas, empregados mal encarados.



Isto já de si, de manhã, custa a funcionar, mas se, azar dos azares, se apanha com pico de franceses, está tudo lixado. Juntam-se os atados aos complicadinhos. Sem explicação. Escolhem, voltam a escolher, perguntam 35.000 coisas e depois acabam por enfardar as criancinhas com leite de chocolate e pão de chocolate. Os pais, chatinhos à 5ª casa com o pequeno almoço de suminho de laranja, crias com a dieta matinal mais alucinada que p'loamordasanta.



Bom, franceses...



Mas a cereja no topo do bolo é a ideia peregrina para sanar o tempo de espera: deixaram de fazer os pedidos na hora, têm sandes pré-feitas mas como o mais pedido, pela fresca, era pão com manteiga, e pão barrado não vendido não é re-utilizável, agora uma pessoa pede um Amoreiras com manteiga, e leva com o pão + pacotinho de manteiga e DIY. E paga 1,20€.



Está certo. Eu PASSO-ME!



Francesices!

Comentários

Mensagens populares deste blogue

gaja à beira da loucura

Isto pode paracer a demência absoluta mas já estou por tudo. A Alexandra Solnado (isso mesmo, este post vai por esse caminho...) dizia numa entrevista, há umas semanas, ao promover o seu mais recente "livro" que a maioria das pessoas que lhe aparecem para consultas, são pessoas doentes - jura?!
Agora, a sério, as pessoas padecem de doenças fisicas e, no seu desespero, que nem é discutivel porque cada um saberá o que se sente quando se chega a esse patamar, procuram ajuda ou conforto no projecto da Alexandra Solnado (é assim que se chama). Posto isto, explicava a Alexandra Solnado que as doenças são, não obstante, reflexos de outros problemas mais antigos ou e a outros níveis. Não me recordo dos exemplos que ela dava mas era algo como pessoas que tinham tido muitos desgostos e uma vida marcada pela tristeza, desenvolviam uma doença grave em especifico, localizada numa área do corpo em particular. 
Ora, e dando o beneficio da duvida a esta teoria (pois que temos a perder?), gosta…

Inesperadamente, a semana passada

Uns dias bons.
O  25 de Abril. Comer caracóis, os primeiros deste ano. Passear e trabalhar no Porto, deambular nos Clérigos. Diariamente, sessões de The Newsroom e Melhor do Que Falecer. O Pedro Mexia e os ferrinhos na emissão especial do Governo Sombra (e a banda sonora e a Manuela Azevedo e as citações certeiras de Salazar bem seleccionadas por Ricardo Araujo Pereira). O Benfica, tão grande! Opá, o Benfica ❤️

Organismos Unicelulares ...

"alimentam-se" de pequenos prazeres (no pouco tempo) quando não estão a trabalhar (como é o caso!).





Filme para incomodar, para gerar desconforto, que nos deixa sem conseguir estar sentados. Um filme que não é para quem não se gosta de ver ao "espelho".  A ultima cena, explica tudo. 


Por fim, TV Cine Séries. YES!



National Geographic, às 2ª F

A rever. O Original. Só este interessa. 



De volta. Gente estranha. Dia 25!