Avançar para o conteúdo principal

Excelência



Balotelli, sonso, mas vai-se a ver sábio, disse tudo com este comentário.

Há uns anos, em miuda, ensinaram-me que não se agradece a quem faz o seu trabalho. 

As palavras generosas, de reconhecimento, são devidas quando alguém faz mais do que lhe é pedido, quando atingiu um resultado positivo e acima do que seria expectável pelas suas funções ou quando no exercicio das suas responsabilidades, empenhou-se para lá do que é normal, por exemplo fazendo mais horas para cumprir um prazo mais curto ou para fazer tarefas adicionais. 

No fundo, o que Balotelli acabou por afirmar. 

Nestes tempos de crise, de ansiedade, de receio, devíamos (cada um e a sociedade nacional, como um todo) repensar os nossos modos de estar e de viver as várias "gavetas" da nossa vida, quer familiar, quer social, quer de cidadania bem como profissional. Repensar-nos e reagir, passando a actuar de outra forma porque definitivamente a que temos tido, genericamente, tem sido uma treta e tem uma grande quota parte da responsabilidade da situação em que estamos. 

Bem sei que é uma utopia. Nem somos estimulados pelas instituições politico-sociais-educativas para tal, nem temos a disciplina para mudarmos. Ao passar a instabilidade e a crise, voltaremos aos maus hábitos, nos nossos comportamentos, na educação dos nossos (vossos) filhos e no nivel de exigencia perante quem nos representa (validando as mesmas pessoas com zero qualidades e uma imensidão de defeitos).

Não obstante, algo vai ter que mudar. 

Não creio que depois desta contracção economica, aumento do desemprego e consequente redefinição do modus operandi do funcionamento das empresas que conseguem continuar sacar delante, haja um regresso à forma como globalmente se encaravam as práticas de trabalho. Mal seria. 

Não vai voltar a haver, espero eu, grosso modo, espaço para pessoas acomodadas, pouco flexiveis, que gostam de ter chefiados (mesmo que não tenham sequer equipas formais sob coordenação), orientadas ao entrar tarde e sair cedo, e que aportam pouco às organizações. Podem ser umas queridas, contarem a vida toda na pausa do café (aquela que não tem duração definida!), à segunda feira trazerem imensos inputs sobre os golos da jornada ou as maravilhosas proezas realizadas pela prole, e serem um doce com as chefias... Mas ou impactam de modo construtivo nas organizações ou estas não vão ter espaço para elementos assim. 

Por um lado, com a retoma económica é mais fácil a mobilidade laboral, ou seja, a "guerra pelo talento" volta a abrir e aqueles que se destacam nas empresas vão ser tentados a sair. E sairão se virem que o seu esforço e engagement tem a mesma recompensa daqueles que contribuem apenas com o básico para o todo. E as empresa não podem dar-se ao luxo de perder os seus "melhores", nos quais já investiu tempo, recursos e que de facto apresentam ROI.*

Por outro lado, as estruturas estarão cada vez mais "esprimidas" logo quem está tem que ter uma performance de facto produtiva, pois tal não ocorrendo os resultados globais ressentem-se e/ou sobra mais trabalho para os demais. 

Posto isto,  é bastante interessante, e pedagógico, apreender as 5 (Novas) Regras da Liderança Excepcional apontadas no livro de Robin Sharma, O Lider sem Titulo, nomeadamente:

1. Cada colaborador é pago não só para fazer o seu trabalho mas também para ter medo, ou seja, quando "atirados" para fora da zona de conforto, cada um de nós tem o dever de saber "encaixar", lidar com o imprevisto e ter a capacidade de reagir. Temos que estar preparados para tal.

2. Cada colaborador deve ser o melhor no que faz. Dominar nas suas funções. Se for necessário reduzir custos, estas caracteristicas tornam a pessoa indispensável. 

3. O impacto positivo que cada colaborador tem nos outros é mais relevante do que o cargo ou o titulo que está no cartão de visita. A capacidade e a natureza do nosso relacionamento com os demais, sejam colegas, chefias, clientes, parceiros, é vital e é uma marca da nossa performance. 

4. O "ADN" emocional dos colaboradores é cada vez mais um critério base na selecção e retenção dos colaboradores, em detrimento da experiência que detenham. O "ADN" emocional reveste-se dos valores e carácter do individuo e reflecte-se no modo como interagem com as outras pessoas: e como o fazem num plano pessoal é visto como um sinal de como actuarão em contexto de trabalho.

5. A liderança é sustentada por 3 pilares basilares: a) Inspiração - que geramos nos outros; b) Influência -  como agimos e damos o exemplo; c) Impacto - reflexos da nossa atitude e desempenho na performance da organização.

Food for thought ... 


______________________________________________________________________________
*return on investment


Comentários

Mensagens populares deste blogue

gaja à beira da loucura

Isto pode paracer a demência absoluta mas já estou por tudo. A Alexandra Solnado (isso mesmo, este post vai por esse caminho...) dizia numa entrevista, há umas semanas, ao promover o seu mais recente "livro" que a maioria das pessoas que lhe aparecem para consultas, são pessoas doentes - jura?!
Agora, a sério, as pessoas padecem de doenças fisicas e, no seu desespero, que nem é discutivel porque cada um saberá o que se sente quando se chega a esse patamar, procuram ajuda ou conforto no projecto da Alexandra Solnado (é assim que se chama). Posto isto, explicava a Alexandra Solnado que as doenças são, não obstante, reflexos de outros problemas mais antigos ou e a outros níveis. Não me recordo dos exemplos que ela dava mas era algo como pessoas que tinham tido muitos desgostos e uma vida marcada pela tristeza, desenvolviam uma doença grave em especifico, localizada numa área do corpo em particular. 
Ora, e dando o beneficio da duvida a esta teoria (pois que temos a perder?), gosta…

Inesperadamente, a semana passada

Uns dias bons.
O  25 de Abril. Comer caracóis, os primeiros deste ano. Passear e trabalhar no Porto, deambular nos Clérigos. Diariamente, sessões de The Newsroom e Melhor do Que Falecer. O Pedro Mexia e os ferrinhos na emissão especial do Governo Sombra (e a banda sonora e a Manuela Azevedo e as citações certeiras de Salazar bem seleccionadas por Ricardo Araujo Pereira). O Benfica, tão grande! Opá, o Benfica ❤️

A importância de se chamar Candidato

Numa altura em que as empresas recorrem cada vez mais às redes sociais para procurar candidatos a postos de trabalho (89%) e que 65% por cento é bem-sucedida, conseguindo contratações satisfatórias (Fonte: PR Comunicácion) convinha que as empresas de recrutamento e de executive search pensassem um bocadinho mais sobre o seu modus operandi.


Falo por experiência, por conhecimento e por não ter conseguido efectivar mudanças. 

O headhunter da velha guarda, armado em doutrina maquiavélica, que nunca leu, perspectiva o candidato como um meio para atingir um fim: facturar.  O candidato só serve enquanto servir os interesses do projecto. A satisfação do cliente é posta à frente de tudo e todos. Esta sobranceira linha de raciocínio,  a frio, tem alguma razão de ser. Quem paga as contas são os clientes. Como metodologia, é um erro crasso.
Num mercado concorrencial, um factor claramente diferenciador é a relação que se estabelece entre um consultor e os seus candidatos, pelo menos com aqueles que a…