Avançar para o conteúdo principal

Como um livro me irrita

Estar a ler um livro cuja narrativa (nada de comparações socráticas) continuadamente, no discurso indirecto, trata os personagens por "o" Santiago fez, "a" Amélia sentiu, o "Don Armando" anuiu. Mas que raio? 

Para quê o uso do artigo? Não é discurso directo. Ai que me colide tanto com os nervos que me apetece atirar as 1083 páginas à cabeça do tradutor e do editor! 

É coisa do novo acordo ortográfico? 

Está-me mesmo a chatear a ponto de não me apetecer insistir até porque esta porra pesa no meu dia a dia de caminhante e frequentadora de bus! 

Comentários

Rachelet disse…
Não é do acordo ortográfico (embora esse também tenha pérolas que davam para encher páginas); é mesmo mau português de quem traduziu. Também me irrita isso, como se todas as personagens se tratassem por tu num discurso indirecto que não está no texto.

Quanto ao papel do revisor, se o houve, deve ter-se limitado a passar o corrector ortográfico, que é o que a maioria faz. O imperativo é mandar o livro para a tipografia e tê-lo nas livrarias no dia X. A qualidade é o que depois se vê...
Mónica disse…
ainda bem que não sou a única que se sente incomodada com o mau português :)

Mensagens populares deste blogue

Da alegria

Gosto desses olhos que se iluminam e que pausam em mim como se nada mais existisse naquele longo momento. Esse olhar decidido, seguro, revelador de um modo de estar ciente do que se quer e descomplicado.
Fazes-me rir. Como se o mundo fosse fácil. Como se salvar-me das trevas não fosse uma missão mas sim manter-me saciada, livre, às gargalhadas, serena e em silencio, a ler com as pernas esticadas sobre ti.

Gosto das madrugadas de surf, mesmo ao frio. Dos beijos salgados e daquele teu cheiro misturado com água gelada. O cheiro que ainda hoje me faz ficar apreensiva, receosa, quando acordo a meio da noite e te ouço a respirar devagarinho e aquele cheiro está encostado a mim. E como aquele cheiro me apareceu e inundou de alegria.

A importância de se chamar Candidato

Numa altura em que as empresas recorrem cada vez mais às redes sociais para procurar candidatos a postos de trabalho (89%) e que 65% por cento é bem-sucedida, conseguindo contratações satisfatórias (Fonte: PR Comunicácion) convinha que as empresas de recrutamento e de executive search pensassem um bocadinho mais sobre o seu modus operandi.


Falo por experiência, por conhecimento e por não ter conseguido efectivar mudanças. 

O headhunter da velha guarda, armado em doutrina maquiavélica, que nunca leu, perspectiva o candidato como um meio para atingir um fim: facturar.  O candidato só serve enquanto servir os interesses do projecto. A satisfação do cliente é posta à frente de tudo e todos. Esta sobranceira linha de raciocínio,  a frio, tem alguma razão de ser. Quem paga as contas são os clientes. Como metodologia, é um erro crasso.
Num mercado concorrencial, um factor claramente diferenciador é a relação que se estabelece entre um consultor e os seus candidatos, pelo menos com aqueles que a…

I shine

Kiss me before you break my heart. There is still room to be damaged for every breath I take on myself and for myself. I regain confidence on me on every touch of you, even those that will be lost. 
The shivers running down on my spine awaken me and allow me to make you feel stronger, bolder, in love with life. 
I expand my senses while you will torn my world apart. We are under the same sky but I am meant to be a trail of light rather than a guiding star. 
I will burn your soul and you will break my heart. Yet I shine. So, kiss me and let's pretend.