quarta-feira, 15 de maio de 2013

Como um livro me irrita

Estar a ler um livro cuja narrativa (nada de comparações socráticas) continuadamente, no discurso indirecto, trata os personagens por "o" Santiago fez, "a" Amélia sentiu, o "Don Armando" anuiu. Mas que raio? 

Para quê o uso do artigo? Não é discurso directo. Ai que me colide tanto com os nervos que me apetece atirar as 1083 páginas à cabeça do tradutor e do editor! 

É coisa do novo acordo ortográfico? 

Está-me mesmo a chatear a ponto de não me apetecer insistir até porque esta porra pesa no meu dia a dia de caminhante e frequentadora de bus! 

2 comentários:

Rachelet disse...

Não é do acordo ortográfico (embora esse também tenha pérolas que davam para encher páginas); é mesmo mau português de quem traduziu. Também me irrita isso, como se todas as personagens se tratassem por tu num discurso indirecto que não está no texto.

Quanto ao papel do revisor, se o houve, deve ter-se limitado a passar o corrector ortográfico, que é o que a maioria faz. O imperativo é mandar o livro para a tipografia e tê-lo nas livrarias no dia X. A qualidade é o que depois se vê...

Mónica disse...

ainda bem que não sou a única que se sente incomodada com o mau português :)