Avançar para o conteúdo principal

Nas minhas costas

Hoje foi dia de guerra civil.

Há semanas que o desconforto penoso que me acompanha há anos nos ombros deu lugar a uma dor permanente que se agravava de dia para dia, tendo escalado para a cervical e, nos últimos dias, para dores de cabeça incessantes e de ouvidos. 

Alguma má postura, carteiras sempre pesadas, muito tempo sentada em frente ao computador e, sobretudo, um nível de stress que rebenta a escala de qualquer teste, agravaram o quadro negro.

Vai daí fui ao osteopata, primeiro quase arrastada por um amigo, mas hoje já a contar os minutos para que no limite me colocassem alguém a andar em cima das costas e me aliviasse estas dores que me toldavam o raciocínio.

Foi um festival. Acupunctura com choques electoestimulantes (que provou que tenho grande tolerância e resistência pois aguentei carga máxima mas fiquei com as costas em brasa). Mais uma sessão de electro-estimulação com uns patches. Seguido de uma massagem que apesar de todos os esforços esbarrou no meu mecanismo de defesa. Relaxar, não entra no meu vocabulário, pois que tensão era tanta que era impossível descongestionar os músculos com as mãos. Veio uma máquina muito catita que me fazia trepidar toda e que me vai deixar em modo "tareia" por uns bons dias. A seguir ventosas quentes. Depois, esticanço do pescoço e braços. Last but not least, injecções de anti-inflamatórios e ainda estou cheia de fitas coloridas na cervical e ombros que mais parece que tenho um colete reflector: à noite, por questões de segurança, na estrada, em calhando, posso usufruir de segurança rodoviária.

E a bem das práticas de reflexologia uns autocolantes nas orelhas, os quais ainda me fizeram soltar uns "ais" nos pontos que estão ligados ao pescoço e que quando pressionados, p'losdeuses, que dorzinha! 

Quase 2 horas non-stop de porrada. Pelo meio, confesso, dormi por momentos, é verdade. E estou bastante melhor, mas também levei com o anti-inflamatório. No entanto, parece-me que amanhã vou estar dorida, ai se vou!

Diagnóstico: demasiado stress. O uso do rato está a causar danos do lado direito. E tenho uma omoplata  colada (WTF!?!?!) do lado esquerdo que não se conseguiu sequer começar  a dar um arzinho de tratamento porque estava tão tensa que nada mexia ali. Terei que tomar substâncias recreativas antes de ir à(s) próxima(s) sessão(ões)? É com que este ritmo, a sacana da omoplata está pronta para um anuncio da Super Cola 3.

Era muito mais glamoroso dizer que estive a fazer massagens XPTO drenantes, adelgaçantes ou a ultima moda do chique zen. Não, estou em luta com as minhas costas. 

Comentários

Cailin disse…
oh mónica bem sei do que falas, tenho umas amigas dessas tb e o problema disto é que se deixa sempre andar até chegar ao ponto que chegaste, em que basicamente não dá mais! essas tiras são milagrosas, uma amiga minha usou à pouco tempo e ajudam muito. e não sei se é o caso das tuas mas têm umas coisas todas giras da moda, talvez isso já seja chique :P e sim, amanhã tás tramada!
Mónica disse…
Ja receava isso do estar tramada ;) !
E sim, fui adiando q chegou ao ponto de achar q amanha não me aguentava em pé.
Agora é aguentar. Pelo menos são todos mt simpáticos. As minhas fitas são do mais fashion :) todas néon laranja e azul!!!
Cailin disse…
era umas cores todas giras da moda, ainda bem que entendeste lol então estás em bom, partida mas em bom! as melhoras :)
Mónica disse…
Obrigada Lucia & Cailin
Mnc

Mensagens populares deste blogue

gaja à beira da loucura

Isto pode paracer a demência absoluta mas já estou por tudo. A Alexandra Solnado (isso mesmo, este post vai por esse caminho...) dizia numa entrevista, há umas semanas, ao promover o seu mais recente "livro" que a maioria das pessoas que lhe aparecem para consultas, são pessoas doentes - jura?!
Agora, a sério, as pessoas padecem de doenças fisicas e, no seu desespero, que nem é discutivel porque cada um saberá o que se sente quando se chega a esse patamar, procuram ajuda ou conforto no projecto da Alexandra Solnado (é assim que se chama). Posto isto, explicava a Alexandra Solnado que as doenças são, não obstante, reflexos de outros problemas mais antigos ou e a outros níveis. Não me recordo dos exemplos que ela dava mas era algo como pessoas que tinham tido muitos desgostos e uma vida marcada pela tristeza, desenvolviam uma doença grave em especifico, localizada numa área do corpo em particular. 
Ora, e dando o beneficio da duvida a esta teoria (pois que temos a perder?), gosta…

Inesperadamente, a semana passada

Uns dias bons.
O  25 de Abril. Comer caracóis, os primeiros deste ano. Passear e trabalhar no Porto, deambular nos Clérigos. Diariamente, sessões de The Newsroom e Melhor do Que Falecer. O Pedro Mexia e os ferrinhos na emissão especial do Governo Sombra (e a banda sonora e a Manuela Azevedo e as citações certeiras de Salazar bem seleccionadas por Ricardo Araujo Pereira). O Benfica, tão grande! Opá, o Benfica ❤️

A importância de se chamar Candidato

Numa altura em que as empresas recorrem cada vez mais às redes sociais para procurar candidatos a postos de trabalho (89%) e que 65% por cento é bem-sucedida, conseguindo contratações satisfatórias (Fonte: PR Comunicácion) convinha que as empresas de recrutamento e de executive search pensassem um bocadinho mais sobre o seu modus operandi.


Falo por experiência, por conhecimento e por não ter conseguido efectivar mudanças. 

O headhunter da velha guarda, armado em doutrina maquiavélica, que nunca leu, perspectiva o candidato como um meio para atingir um fim: facturar.  O candidato só serve enquanto servir os interesses do projecto. A satisfação do cliente é posta à frente de tudo e todos. Esta sobranceira linha de raciocínio,  a frio, tem alguma razão de ser. Quem paga as contas são os clientes. Como metodologia, é um erro crasso.
Num mercado concorrencial, um factor claramente diferenciador é a relação que se estabelece entre um consultor e os seus candidatos, pelo menos com aqueles que a…