Avançar para o conteúdo principal

E se de repente fosse ver um filme sueco???

Gostava!

Pelo menos eu gostei. Sou suspeita, sou fanática pela série Millennium.

Mas isso só transformava a coisa numa expectativa maior, até porque é dos poucos filmes que vi com tão pouco tempo de distância de devorar o livro. Por norma, as adaptações, para mim, ficam sempre àquem, excepção feita para esse clássico, o melhor filme de sempre, E Tudo O Vento Levou. O livro não é tão apaixonante. O Rhett Butler não se cola a nós como no filme e a Scarlett não tem uma aura tão deliciosamente gaja como a da Vivien Leigh. Mais uma vez a minha objectividade é algo toldada, já vi o Gone with the Wind mais de 10 vezes.

Regressando aos suecos, grosso modo aprovado. A totatlidade do livro era impossivel reproduzir nem mesmo em 152m. de duração. Tirando 1 ou outro momento, quem não leu consegue acompanhar a intrincada ligação inter-personagens.

A Lisbeth está IGUAL à que eu imagino do livro (os pelos nas axilas eram dispensáveis, não?). É a personagem que mais "real" se conseguiu extrair do manuscrito. Credito para a actriz Noomi Rapace, que está absolutamente colada à sua personagem e não deixa espaço para dúvidas. O filme, apesar de longo, e com paisagens frias suecas como pano de fundo não cansa, está sempre lá a duvida, o "e agora". Para quem leu, com menos peso.

A violencia existe, no contexto certo. Custa a superar uma cena. Mas facilitaram na 1ª violação, não recorrendo ao método usado no livro. Menos mal, não vem prejuizo ao mundo.

No entanto, falta:

- a dimensão da importância da ideologia nazi na desagregação da familia Venger (não esquecer porque Henrik foi ostracizado pelos irmãos...) e não apenas expor que havia uns maluquinhos na familia que eram Heil Hitler;

- a anulação total da Erika Berger e ausência da relação tão própria com o Mikael. Não se percebe. Mesmo numa optica de redução de personagens para tornar a narrativa mais fluida (vide a menor intervenção da Cecilia Venger, a nao existencia da Anita Venger e a lacuna no papel que a mãe da Harriet e de Martin teve naquele mundo paralelo), a Erika tem um peso grande no contexto pessoal do Mikael.

- a vertente Papa Gajas do Mikael não existe. Tira-lhe carácter. Faz parte daquele personagem ser assim. Fica reduzido a um jornalista de uma revista (á qual nem se dá grande destaque nem a relevancia que tem na tomada de decisao do Mikael em termos de trade off com o Grupo Venger) entalado numa cilada e que se deixa obcecar pela historia principal. Mas ele é um ser carismatico a quem nao se resiste... Isso, nao está lá!

- alguma intensidade negra que rodeia a invstigação, a qual se faz às claras, sem nunca ter havido uma tentativa de "camuflar" sob outros pretextos

- fio condutor ao final. Percebem-se as manobras da Lisbeth mas porque li o livro... Gastar 5m a explicar como ficou loura e com mamas e o porquê nao custava nada.

- a menção aos móveis IKEA (LOL).

Não quero parecer uma critica chata, tipo daqueles que ninguem gosta de ler (e que provavelmente só vão ver o filme porque é sueco), gostei do filme mas vou contaminada pelos livros e além do mais a companhia era boa.

Venham o Millenium 2 e 3

Comentários

Olá...

Dá uma espreitadela no meu blog ;p
www.ocantinhodamimi.blogspot.com

Beijos*

Mensagens populares deste blogue

A importância de se chamar Candidato

Numa altura em que as empresas recorrem cada vez mais às redes sociais para procurar candidatos a postos de trabalho (89%) e que 65% por cento é bem-sucedida, conseguindo contratações satisfatórias (Fonte: PR Comunicácion) convinha que as empresas de recrutamento e de executive search pensassem um bocadinho mais sobre o seu modus operandi.


Falo por experiência, por conhecimento e por não ter conseguido efectivar mudanças. 

O headhunter da velha guarda, armado em doutrina maquiavélica, que nunca leu, perspectiva o candidato como um meio para atingir um fim: facturar.  O candidato só serve enquanto servir os interesses do projecto. A satisfação do cliente é posta à frente de tudo e todos. Esta sobranceira linha de raciocínio,  a frio, tem alguma razão de ser. Quem paga as contas são os clientes. Como metodologia, é um erro crasso.
Num mercado concorrencial, um factor claramente diferenciador é a relação que se estabelece entre um consultor e os seus candidatos, pelo menos com aqueles que a…

Da alegria

Gosto desses olhos que se iluminam e que pausam em mim como se nada mais existisse naquele longo momento. Esse olhar decidido, seguro, revelador de um modo de estar ciente do que se quer e descomplicado.
Fazes-me rir. Como se o mundo fosse fácil. Como se salvar-me das trevas não fosse uma missão mas sim manter-me saciada, livre, às gargalhadas, serena e em silencio, a ler com as pernas esticadas sobre ti.

Gosto das madrugadas de surf, mesmo ao frio. Dos beijos salgados e daquele teu cheiro misturado com água gelada. O cheiro que ainda hoje me faz ficar apreensiva, receosa, quando acordo a meio da noite e te ouço a respirar devagarinho e aquele cheiro está encostado a mim. E como aquele cheiro me apareceu e inundou de alegria.

I shine

Kiss me before you break my heart. There is still room to be damaged for every breath I take on myself and for myself. I regain confidence on me on every touch of you, even those that will be lost. 
The shivers running down on my spine awaken me and allow me to make you feel stronger, bolder, in love with life. 
I expand my senses while you will torn my world apart. We are under the same sky but I am meant to be a trail of light rather than a guiding star. 
I will burn your soul and you will break my heart. Yet I shine. So, kiss me and let's pretend.