Avançar para o conteúdo principal

E se de repente fosse ver um filme sueco???

Gostava!

Pelo menos eu gostei. Sou suspeita, sou fanática pela série Millennium.

Mas isso só transformava a coisa numa expectativa maior, até porque é dos poucos filmes que vi com tão pouco tempo de distância de devorar o livro. Por norma, as adaptações, para mim, ficam sempre àquem, excepção feita para esse clássico, o melhor filme de sempre, E Tudo O Vento Levou. O livro não é tão apaixonante. O Rhett Butler não se cola a nós como no filme e a Scarlett não tem uma aura tão deliciosamente gaja como a da Vivien Leigh. Mais uma vez a minha objectividade é algo toldada, já vi o Gone with the Wind mais de 10 vezes.

Regressando aos suecos, grosso modo aprovado. A totatlidade do livro era impossivel reproduzir nem mesmo em 152m. de duração. Tirando 1 ou outro momento, quem não leu consegue acompanhar a intrincada ligação inter-personagens.

A Lisbeth está IGUAL à que eu imagino do livro (os pelos nas axilas eram dispensáveis, não?). É a personagem que mais "real" se conseguiu extrair do manuscrito. Credito para a actriz Noomi Rapace, que está absolutamente colada à sua personagem e não deixa espaço para dúvidas. O filme, apesar de longo, e com paisagens frias suecas como pano de fundo não cansa, está sempre lá a duvida, o "e agora". Para quem leu, com menos peso.

A violencia existe, no contexto certo. Custa a superar uma cena. Mas facilitaram na 1ª violação, não recorrendo ao método usado no livro. Menos mal, não vem prejuizo ao mundo.

No entanto, falta:

- a dimensão da importância da ideologia nazi na desagregação da familia Venger (não esquecer porque Henrik foi ostracizado pelos irmãos...) e não apenas expor que havia uns maluquinhos na familia que eram Heil Hitler;

- a anulação total da Erika Berger e ausência da relação tão própria com o Mikael. Não se percebe. Mesmo numa optica de redução de personagens para tornar a narrativa mais fluida (vide a menor intervenção da Cecilia Venger, a nao existencia da Anita Venger e a lacuna no papel que a mãe da Harriet e de Martin teve naquele mundo paralelo), a Erika tem um peso grande no contexto pessoal do Mikael.

- a vertente Papa Gajas do Mikael não existe. Tira-lhe carácter. Faz parte daquele personagem ser assim. Fica reduzido a um jornalista de uma revista (á qual nem se dá grande destaque nem a relevancia que tem na tomada de decisao do Mikael em termos de trade off com o Grupo Venger) entalado numa cilada e que se deixa obcecar pela historia principal. Mas ele é um ser carismatico a quem nao se resiste... Isso, nao está lá!

- alguma intensidade negra que rodeia a invstigação, a qual se faz às claras, sem nunca ter havido uma tentativa de "camuflar" sob outros pretextos

- fio condutor ao final. Percebem-se as manobras da Lisbeth mas porque li o livro... Gastar 5m a explicar como ficou loura e com mamas e o porquê nao custava nada.

- a menção aos móveis IKEA (LOL).

Não quero parecer uma critica chata, tipo daqueles que ninguem gosta de ler (e que provavelmente só vão ver o filme porque é sueco), gostei do filme mas vou contaminada pelos livros e além do mais a companhia era boa.

Venham o Millenium 2 e 3

Comentários

Olá...

Dá uma espreitadela no meu blog ;p
www.ocantinhodamimi.blogspot.com

Beijos*

Mensagens populares deste blogue

gaja à beira da loucura

Isto pode paracer a demência absoluta mas já estou por tudo. A Alexandra Solnado (isso mesmo, este post vai por esse caminho...) dizia numa entrevista, há umas semanas, ao promover o seu mais recente "livro" que a maioria das pessoas que lhe aparecem para consultas, são pessoas doentes - jura?!
Agora, a sério, as pessoas padecem de doenças fisicas e, no seu desespero, que nem é discutivel porque cada um saberá o que se sente quando se chega a esse patamar, procuram ajuda ou conforto no projecto da Alexandra Solnado (é assim que se chama). Posto isto, explicava a Alexandra Solnado que as doenças são, não obstante, reflexos de outros problemas mais antigos ou e a outros níveis. Não me recordo dos exemplos que ela dava mas era algo como pessoas que tinham tido muitos desgostos e uma vida marcada pela tristeza, desenvolviam uma doença grave em especifico, localizada numa área do corpo em particular. 
Ora, e dando o beneficio da duvida a esta teoria (pois que temos a perder?), gosta…

Inesperadamente, a semana passada

Uns dias bons.
O  25 de Abril. Comer caracóis, os primeiros deste ano. Passear e trabalhar no Porto, deambular nos Clérigos. Diariamente, sessões de The Newsroom e Melhor do Que Falecer. O Pedro Mexia e os ferrinhos na emissão especial do Governo Sombra (e a banda sonora e a Manuela Azevedo e as citações certeiras de Salazar bem seleccionadas por Ricardo Araujo Pereira). O Benfica, tão grande! Opá, o Benfica ❤️

Organismos Unicelulares ...

"alimentam-se" de pequenos prazeres (no pouco tempo) quando não estão a trabalhar (como é o caso!).





Filme para incomodar, para gerar desconforto, que nos deixa sem conseguir estar sentados. Um filme que não é para quem não se gosta de ver ao "espelho".  A ultima cena, explica tudo. 


Por fim, TV Cine Séries. YES!



National Geographic, às 2ª F

A rever. O Original. Só este interessa. 



De volta. Gente estranha. Dia 25!