Avançar para o conteúdo principal

Especiais de Manga

Uma ida à Moda Lisboa / Estoril (começa logo tão bem com esta contradição), coisa que já não fazia há uns anos, é o cruzamento da criatividade (às vezes desvairada) com a loucura instalada.

Um criador chamado Vitor, inserido no que serão as novas "promessas", fez-me logo uma dor de cabeça com os seus fatos forrados a garrafas de minis vazias, que batiam umas nas outras. Além de nao perceber a utilidade (claramente, não há!), nem o conceito subjacente (dou-lhe o beneficio da duvida), sempre que os desgraçados passavam com aquilo vestido, era uma barulheira, pareciam cabrestos à solta. Eu diria que esta 1ª aventura podia inserir-se na categoria da loucura instalada MAS não, lamento, terá que ser vista na logica da criatividade alucinada.

Sempre duvidei do retorno real que aquele evento daria quer às marcas que patrocinam, quer aos próprios criadores. Não nos enganemos, estando em Portugal, álguém se abotoa a uma boa parte do dinheiro. Mas será que a Seat vende mais carros por estar lá com expositor (eram todos modelos tão feios), ou a L' Oreal vai vender mais por ter estado a pintar adolescentes (aí até acredito)? Disseram-me que sim, eu acredito, mas tenho algumas duvidas se o retorno de facto compensa o mega investimento.

De qualquer modo, a verdade verdadinha é que é uma feira das vaidades. 90% das pessoas vão à bola porque gostam de ver o jogo. À vontade uns 80% das pessoas vão à Moda Lisboa para ser vistas, fotografadas, e parecerem importantes (quem sabe até ganhar um modelito!). Os restantes 20% são potenciais clientes, pessoas que de facto gostam de ver roupas bonitas e estudantes de Moda.

E aqui entra a loucura. O nivel de flashes em barda à volta da geração Moranguitos é assustador. A Lili Caneças de leggings prateadas a merecer todas as atenções, revela muito deste rectangulo que anda maluco, como diria o AJJ. A violencia de levar a Srª D. Lady para estas confussões, com tanto "povo" e calor, são claramento maus tratos a idosos... LOL. A atracção pelo dar nas vistas, quando, na verdade, tem-se mérito a rondar o zero, e a disponibilidade para se dar tempo de antena a estas pessoas, é uma alucinação.

Mas o que mais impressão me fez foi como a passerelle se transformou neste ultimos anos. Salvo raras execpçoes, as manequins não sabem desfilar, são desengraçadas e esqueléticas. Deus não as abençoou nem com o dom do sorriso nem com o das mamas. É impressionante o quão magras e desprovidas de glandulas mamárias estas miudas / mulheres são. Segundo o meu namorado, que entende de gajas, há a ideia de que os criadores querem cabides que afastem a atenção para, e exlusivamente, a roupa. Mas a roupa não "brilha" em mulheres com atitude, pose afirmativa e sorriso? De facto, naquelas miudas nao ganha grande vida. Parece que as foram buscar aos centros de desordens alimentares dos hospitais.

Estou a ver na Fashion TV desfiles em Italia e há com cada mulherão, boas mesmo ... com peito, formas, cabelos bonitos, sorrisos. Que diferença.

Os desfiles de ontem, apesar da qualidade das peças da Xiomara e do Baltazar (o ultimo vestido preto era lindo), foram algo "deslavados" e via-se de tudo: vestidos por fechar, dedos mindinhos a sairem das sandálias, sapatos varios numeros acima (não sei como não caem), sapatos com saltos tortos para dar alguma "graça" ao andamento da modelo (que nao sabia desfilar, ponto). Mesmo os rapazes, com ar mais saudável, pareciam tao imberbes.

A organização melhorou mas claramente a passerelle perdeu appeal, excepto no desfile da Adidas. O recurso a figuras publicas que levaram aquilo de forma mais desportiva, tornou o desfile mais descontraido. A Naide Gomes deu cá um exemplo de bem andar e de mega corpo. E claro quem vê o Nelson Évora em tronco nú já ganhou o dia!

Para além do Nelson Evora, a nota positiva vai claramente para a companhia. Muito boa mesmo. Especialmente quando havia Especiais de Manga um magnifico cocktail patrocinado pela Absolut. Ora aí está, aí sim a Moda Lisboa / Estorial na Cidadela de Cascais ganhou outra dimensão. E nós, outra (boa) disposição.

Comentários

Tigrão disse…
Acredito que tenha sido bom, e concordo com quase tudo o que é mencionado. A parte do Nélson Évora é-me claramente indiferente...
No entanto, para uma melhor/boa apreciação do aparato (ou falta dele) glandular mamário, haveria de lá ter dado um salto. Há mais marés que marinheiros... :D
Luisinho disse…
A Seat e/ou a Lóreal venderiam muito mais produtos se patrocinassem outros eventos de índole desportiva!...Assim de repente lembro-me logo de um desporto!:)

Mensagens populares deste blogue

gaja à beira da loucura

Isto pode paracer a demência absoluta mas já estou por tudo. A Alexandra Solnado (isso mesmo, este post vai por esse caminho...) dizia numa entrevista, há umas semanas, ao promover o seu mais recente "livro" que a maioria das pessoas que lhe aparecem para consultas, são pessoas doentes - jura?!
Agora, a sério, as pessoas padecem de doenças fisicas e, no seu desespero, que nem é discutivel porque cada um saberá o que se sente quando se chega a esse patamar, procuram ajuda ou conforto no projecto da Alexandra Solnado (é assim que se chama). Posto isto, explicava a Alexandra Solnado que as doenças são, não obstante, reflexos de outros problemas mais antigos ou e a outros níveis. Não me recordo dos exemplos que ela dava mas era algo como pessoas que tinham tido muitos desgostos e uma vida marcada pela tristeza, desenvolviam uma doença grave em especifico, localizada numa área do corpo em particular. 
Ora, e dando o beneficio da duvida a esta teoria (pois que temos a perder?), gosta…

A importância de se chamar Candidato

Numa altura em que as empresas recorrem cada vez mais às redes sociais para procurar candidatos a postos de trabalho (89%) e que 65% por cento é bem-sucedida, conseguindo contratações satisfatórias (Fonte: PR Comunicácion) convinha que as empresas de recrutamento e de executive search pensassem um bocadinho mais sobre o seu modus operandi.


Falo por experiência, por conhecimento e por não ter conseguido efectivar mudanças. 

O headhunter da velha guarda, armado em doutrina maquiavélica, que nunca leu, perspectiva o candidato como um meio para atingir um fim: facturar.  O candidato só serve enquanto servir os interesses do projecto. A satisfação do cliente é posta à frente de tudo e todos. Esta sobranceira linha de raciocínio,  a frio, tem alguma razão de ser. Quem paga as contas são os clientes. Como metodologia, é um erro crasso.
Num mercado concorrencial, um factor claramente diferenciador é a relação que se estabelece entre um consultor e os seus candidatos, pelo menos com aqueles que a…

Inesperadamente, a semana passada

Uns dias bons.
O  25 de Abril. Comer caracóis, os primeiros deste ano. Passear e trabalhar no Porto, deambular nos Clérigos. Diariamente, sessões de The Newsroom e Melhor do Que Falecer. O Pedro Mexia e os ferrinhos na emissão especial do Governo Sombra (e a banda sonora e a Manuela Azevedo e as citações certeiras de Salazar bem seleccionadas por Ricardo Araujo Pereira). O Benfica, tão grande! Opá, o Benfica ❤️