Avançar para o conteúdo principal

Croiassants, baguettes e coisas sérias

Nao simpatizo com França, para dizê-lo de forma diplomática, digamos.
E não gosto de Renaults (tenho a teoria de quem conduz um, é 10 vezes mais propenso a ser aselha ao volante e o meu método estatisitico é bastante credivel em termos de amostra)*.
Quando comecei a ouvir / ler sobre os suicidios na Renault até brinquei com o tema: eram pessoas duplamente infelizes - não só eram franceses como trabalhavam na Renault.
Mas estava a escapar-me a big picture. E a história é pior que um filme noir francês.
Segundo um artigo da Visão, desta semana, a vaga de suicidios que assolou em maior escala a France Telecom (nos ultimos meses, 24 suicidios) deve-se à cultura de «Gestão terrorista» que esta(s) empresa(s) encetou numa lógica de redução de quadros. Quando já não havia dinheiro para pagar as indemnizações de saída, passou-se á fase do que se chama mobbing: estratégias de humilhação, assédio moral, pressão psicológica e perseguição aos colaboradores.
No artigo questiona-se se estas acções, destinadas a forçar a que pessoa se despeça por sua opção, em contexto de crise e de baixa falta de oportunidades no mercado, seriam suficientes para que as pessoas se matem. A resposta é algo à advogado: depende... da pessoa e da sua capacidade para aguentar a degradação psicológica.
Não vou discutir a questão "suicidio" porque cada um tem direito a acabar a sua vida quando quer e se se chega a um ponto em que só apetece desistir, é de facto triste, porque há coisas boas na vida, mas entendo que se atinjam momentos de "já chega".
O que me preocupa é a violencia intrinseca a que as organizações chegam para atingir os seus fins. Ora, as organizações são feitas por pessoas e geridas por pessoas portanto a "maldade" está nas pessoas. Entendo as estratégias de racionalização de custos, de melhoria da eficiência, da mobilização do grupo em prol do aumento da produtividade e, inclusivemente, da redução de pessoal.
Mas acho inaceitável que sejam premiados gestores com chorudos bonus e salários cuja finalidade é infligir, em prol do accionista, uma violência psicológica continuada aos que diariamente fazem o seu trabalho. Se estes colaboradores não eram bons (o tipico passar de bestial a besta é um fenomeno clássico), tivessem então sido despedidos antes (é para isso que existe uma ferramente de RH chamada "despedimento" tão válida como outra qualquer). E se as companhias, em momento de vacas gordas, não esbanjassem de forma algo displicente os dividendos (e sabemos que isso acontece "n" vezes... mais uma vez, as empresas são geridas por pessoas...), talvez em momentos de aperto não tivessem que ser tão agressivas.
O que está em causa é como estes agressores dormem à noite. Um custo elimina-se. Nao se esfrangalha sem dignidade. Que espécie de sociopatas atingem lugares de poder sem que ninguém os trave? E porque não há mais pessoas a travá-los (seja em França ou na Roménia ou nos EUA ou em Portugal)? A queixar-se, a armar o barraco?
Porque isso implica dar parte fraca e passar pelo "mau da vitima" (alguém que visa em proveito proprio aproveitar-se da empresa que lhe deu tanto...) e, ainda, potencialmente sofrer mais represálias futuras.
Mas se estes gajos(as) / chefias, comecassem a levar nas trombas no dia em que pisam o risco e começam a abusar, talvez o proximo sacana pensassse 2 vezes em vez de humilhar e dar cabo dos nervos de uma pessoa.
Não faço a apologia da violencia mas asseguro convictamente que a força da "tareia" psicologica é 100 vezes mais intensa, profunda e dolorosa que um belo pontapé na boca de um "chefe mete nojo".
E já agora, onde andam os RH da France Telecom? A encher chouriços e a processar salários? E outras pessoas de outras empresas que estão na mesma situação mas que estão na total obscuridão porque ninguem se matou em catadupa?


E onde está a motivação das pessoas, essencial ao bom desempenho e a uma performance de excelencia, sobretudo quando eles são mais necessários?

E onde está o principio básido do respeito pelos outros? O Madoff roubou, enganou e foi com os costados 150 anos para uma cadeia... Esta raça de FdP anda à solta e têm na sua base uma patologia clinica grave.

Porque ninguém de "bem" faz estas merdas, por muitas medidas correctivas que tenham que se fazer para o bem da companhia. E a saude de uma empresa nao se constrói assim, à lei do chicote e do desprezo pelo bem estar dos colaboradores, como se estes fossem fantoches ao sabor da corrente. Só pessoas (muitissimo) limitadas não o entendem.

Oferecem-se alvissaras a quem parta as pernas ao Didier Lombard (presidente executivo da France Telecom) que inicialmente ainda se deu ao luxo de fazer piadas sobre o caso. Ou que lhe risquem o carro. Que espero sinceramente que seja um Renault!






* Salvo 2 execpçoes: Pajó e Santos

Comentários

LN disse…
Obrigado pela reflexão dos condutores Renault!

Mensagens populares deste blogue

Do arrebatamento

O vestido caiu facilmente. Estava apenas preso pelas alças nos ombros magros e deslizou com vontade declarada pelo corpo, até ao chão, enquanto ela acendia uma única luz de presença.

Beijou-lhe o ventre. Sentiu-o a tremer. Antecipação. Expectativa. Sentia-lhe o calor sem sequer tocar. Era como uma fonte inesgotável de desejo prestes a desmoronar-se com um toque. Os dedos enfiaram-se entre a pele e a linha das cuecas de renda fazendo-as sair com mestria. Estava liberta, da máscara de tecidos, não das demais camadas de protecção. Tal não a impedia de arfar baixinho e com satisfação sob um rosto que perdia vergonha a cada caída da cabeça para trás.


Nua, encostada à parede fria, costas arqueadas, totalmente exposta viu-a a desmontar-se com cuidado ao primeiro beijo que se colou à boca como dali não houvera saída. Era intenso, forte, penetrante o modo como ela o arrastava para si com a língua e uma perna em torno da cintura.


Todo aquele momento era primário, selvagem, sem travões ainda que, e…

I shine

Kiss me before you break my heart. There is still room to be damaged for every breath I take on myself and for myself. I regain confidence on me on every touch of you, even those that will be lost. 
The shivers running down on my spine awaken me and allow me to make you feel stronger, bolder, in love with life. 
I expand my senses while you will torn my world apart. We are under the same sky but I am meant to be a trail of light rather than a guiding star. 
I will burn your soul and you will break my heart. Yet I shine. So, kiss me and let's pretend.

Da alegria

Gosto desses olhos que se iluminam e que pausam em mim como se nada mais existisse naquele longo momento. Esse olhar decidido, seguro, revelador de um modo de estar ciente do que se quer e descomplicado.
Fazes-me rir. Como se o mundo fosse fácil. Como se salvar-me das trevas não fosse uma missão mas sim manter-me saciada, livre, às gargalhadas, serena e em silencio, a ler com as pernas esticadas sobre ti.

Gosto das madrugadas de surf, mesmo ao frio. Dos beijos salgados e daquele teu cheiro misturado com água gelada. O cheiro que ainda hoje me faz ficar apreensiva, receosa, quando acordo a meio da noite e te ouço a respirar devagarinho e aquele cheiro está encostado a mim. E como aquele cheiro me apareceu e inundou de alegria.