Avançar para o conteúdo principal

Visitem-me no Tarrafal...

Irra, uma pessoa vai ali ao Porto e volta num tirinho e há mortos e feridos à volta do velhote Saramago. O gajo é tramado, está sempre pronto a meter-se em tropelias e a dar a volta ao miolo a alguns intelectos pouco inspirados.
Começo já por dizer que não sou fã de Saramago. Gosto de alguns livros dele... aprendi a gostar. Também não sou comunista e nunca fui a Lanzarote mas acho que não gostava de lá viver.
Posto isto, e baseando-me no site da TSF e em info da Lusa, aparentemente "na apresentação do novo livro, Caim, o Nobel da Literatura afirmou que a Bíblia é um manual de maus costumes e um catálogo de violências, palavras que desagradaram aos católicos (...). A conferência episcopal portuguesa já considerou que Saramago faz uma leitura ingénua da Bíblia.
Por seu turno, o euro deputado social democrata e vice presidente do parlamento europeu, Mário David, já disse que se sente envergonhado e convidou Saramago a renunciar à cidadania portuguesa, por se sentir "envergonhado" com as recentes declarações do Nobel da Literatura sobre a Bíblia. No sítio pessoal na Internet, o vice-presidente do Partido Popular Europeu (PPE), eleito pelo PSD, escreveu que José Saramago «há uns anos, fez a ameaça de renunciar à cidadania portuguesa. Na altura, pensei quão ignóbil era esta atitude. Hoje, peço-lhe que a concretize... E depressa!" "Tenho vergonha de o ter como compatriota! Ou julga que, a coberto da liberdade de expressão, se lhe aceitam todas as imbecilidades e impropérios?", questiona o eurodeputado."
Pronto, aqui começam a chatear-me a sério.
Porque eu desconheço quem é o Mário David, não sei quais os seus méritos, não quero saber, é-me indiferente, mas mesmo assim reconheço-lhe o direito á sua opinião, sendo esta contrária a um tema de um livro (que não li, nem sei se vou ler porque há quem trabalhe, ó Sr. MÁRIO DAVID, entendeu?). O que acontece é que eu gosto da UE, acredito no projecto europeu e enquanto cidadã cumpridora dos meus deveres (votar, pagar impostos, não cuspir para o chão nem para fontes) TENHO VERGONHA QUE ESTE SENHOR SEJA DEPUTADO EUROPEU POR PORTUGAL.
Que a conferência episcopal se sinta melindrada pelas palavras do Saramago, eu entendo. Dou-me por contente de não haver fatwas declaradas pela Igreja Católica e que os tempos da Santa Inquisição já tenham passado.
Agora, o sr. Mário David, se eu conduzisse, e me passasse à frente, era passado a ferro, certinho como eu ser do Benfica. Reitero que ele tem direito à sua opinião mas fazer dela uma arma de arremesso de auto publicidade em tom moralista pequenino, é triste.
Eu sentir-me-ia muito infeliz se fosse ou pensasse como o Mário David. Ó sr. deputado, diga-me lá uma coisa: esta sua "amiga" (que by the way NÃO VOTOU EM SI!) acha a Bíblia assim, como dizê-lo, uma fraude. Uma misturada de acontecimentos bem coloridos para agregar as comunidades na Idade Média. Não acredito em Deus. Acho que Jesus era um viajante que não trabalhava com capacidades de escuta e de psicólogo, com um estilo Woodstock, e talvez, com alguns poderes místicos sempre acompanhado por um bando de gajos ...
Isso faz de mim exactamente o quê? Num país democrático e LAICO (vá ver ao dicionário se não sabe o que é)? Eu respeito quem acredita, mas eu nego e renego. Mas tenho direito a isso, ou não? Ou só tenho direito se disser que os islâmicos põe todos bombas à espera de papar virgens? Ou que os Budistas não fazem ponta e vestem-se mal? Ou que os Judeus têm o desígnio mundial de mandar no mundo e estender tentáculos de poder?
É que eu posso dizer isto tudo, mesmo que não acredite. Mas pra si se calhar não era problema... agora com a Igreja Católica, ' tá mal.
Até o compreendo, que sendo provavelmente católico, se sinta afectado e não goste. Não leia, tem essa opção. Mas imbecil é V. Exa e quem subscreva as suas tão doutas palavras.
E, para mais, até consigo entender quando o Saramago diz que pode mudar de país dado ao estado geral a que este "rectângulo" chegou (já agora, o autor do conceito "rectângulo" é uma vergonha PUBLICA da Republica Portuguesa e é do seu partido, sabia?).
Aliás, pela sua opinião e de outros que concordam, eu vou mesmo mudar de país porque depois de manifestar as minhas teorias sobre a religião católica no mínimo mandam-me para o Tarrafal, aquele sitio onde antes do 25 de Abril quem era dissidente de ideias ia parar (conhece?).
Volto a explicar, antes de ir de viagem para uma zona de praia, ou para uma Guantanamo nas Berlengas: Estado Laico e Democrático. Livre expressão.
Se se podem acusar sem problema o FCP e seus adeptos de corruptos, o Governo de pressionar a comunicação social, o PR de ter um discurso estranho, porque não pode um escritor opinar sobre uma religão?
Mas quem é que votou neste gajo??? Alguém no PSD faz alguma coisa de jeito???

Comentários

Anónimo disse…
O excesso do Saramago, algum excesso do eurodeputado e o teu total excesso. Ou a tal democracia tambem não lhe permite opinião. Pode o saramago continuar a atacar não só pricipios base da sociedade, apontar o seu desgosto em ser portugues (alias, os mesmos portugueses que compram e que fizeram dele o que é, mais o PCP claro), e nós - os portugueses, não podemos não o querer com tamanho comportamento.
E será que algum partido faz alguma coisa de jeito, ou politico ou eventualmente pessoa?! é excessivo. Claro que sim. O PSD e outros.O problema é a massa da população criticar mas nao agir.
Alexandra

Mensagens populares deste blogue

gaja à beira da loucura

Isto pode paracer a demência absoluta mas já estou por tudo. A Alexandra Solnado (isso mesmo, este post vai por esse caminho...) dizia numa entrevista, há umas semanas, ao promover o seu mais recente "livro" que a maioria das pessoas que lhe aparecem para consultas, são pessoas doentes - jura?!
Agora, a sério, as pessoas padecem de doenças fisicas e, no seu desespero, que nem é discutivel porque cada um saberá o que se sente quando se chega a esse patamar, procuram ajuda ou conforto no projecto da Alexandra Solnado (é assim que se chama). Posto isto, explicava a Alexandra Solnado que as doenças são, não obstante, reflexos de outros problemas mais antigos ou e a outros níveis. Não me recordo dos exemplos que ela dava mas era algo como pessoas que tinham tido muitos desgostos e uma vida marcada pela tristeza, desenvolviam uma doença grave em especifico, localizada numa área do corpo em particular. 
Ora, e dando o beneficio da duvida a esta teoria (pois que temos a perder?), gosta…

A importância de se chamar Candidato

Numa altura em que as empresas recorrem cada vez mais às redes sociais para procurar candidatos a postos de trabalho (89%) e que 65% por cento é bem-sucedida, conseguindo contratações satisfatórias (Fonte: PR Comunicácion) convinha que as empresas de recrutamento e de executive search pensassem um bocadinho mais sobre o seu modus operandi.


Falo por experiência, por conhecimento e por não ter conseguido efectivar mudanças. 

O headhunter da velha guarda, armado em doutrina maquiavélica, que nunca leu, perspectiva o candidato como um meio para atingir um fim: facturar.  O candidato só serve enquanto servir os interesses do projecto. A satisfação do cliente é posta à frente de tudo e todos. Esta sobranceira linha de raciocínio,  a frio, tem alguma razão de ser. Quem paga as contas são os clientes. Como metodologia, é um erro crasso.
Num mercado concorrencial, um factor claramente diferenciador é a relação que se estabelece entre um consultor e os seus candidatos, pelo menos com aqueles que a…

Inesperadamente, a semana passada

Uns dias bons.
O  25 de Abril. Comer caracóis, os primeiros deste ano. Passear e trabalhar no Porto, deambular nos Clérigos. Diariamente, sessões de The Newsroom e Melhor do Que Falecer. O Pedro Mexia e os ferrinhos na emissão especial do Governo Sombra (e a banda sonora e a Manuela Azevedo e as citações certeiras de Salazar bem seleccionadas por Ricardo Araujo Pereira). O Benfica, tão grande! Opá, o Benfica ❤️