Avançar para o conteúdo principal

Visitem-me no Tarrafal...

Irra, uma pessoa vai ali ao Porto e volta num tirinho e há mortos e feridos à volta do velhote Saramago. O gajo é tramado, está sempre pronto a meter-se em tropelias e a dar a volta ao miolo a alguns intelectos pouco inspirados.
Começo já por dizer que não sou fã de Saramago. Gosto de alguns livros dele... aprendi a gostar. Também não sou comunista e nunca fui a Lanzarote mas acho que não gostava de lá viver.
Posto isto, e baseando-me no site da TSF e em info da Lusa, aparentemente "na apresentação do novo livro, Caim, o Nobel da Literatura afirmou que a Bíblia é um manual de maus costumes e um catálogo de violências, palavras que desagradaram aos católicos (...). A conferência episcopal portuguesa já considerou que Saramago faz uma leitura ingénua da Bíblia.
Por seu turno, o euro deputado social democrata e vice presidente do parlamento europeu, Mário David, já disse que se sente envergonhado e convidou Saramago a renunciar à cidadania portuguesa, por se sentir "envergonhado" com as recentes declarações do Nobel da Literatura sobre a Bíblia. No sítio pessoal na Internet, o vice-presidente do Partido Popular Europeu (PPE), eleito pelo PSD, escreveu que José Saramago «há uns anos, fez a ameaça de renunciar à cidadania portuguesa. Na altura, pensei quão ignóbil era esta atitude. Hoje, peço-lhe que a concretize... E depressa!" "Tenho vergonha de o ter como compatriota! Ou julga que, a coberto da liberdade de expressão, se lhe aceitam todas as imbecilidades e impropérios?", questiona o eurodeputado."
Pronto, aqui começam a chatear-me a sério.
Porque eu desconheço quem é o Mário David, não sei quais os seus méritos, não quero saber, é-me indiferente, mas mesmo assim reconheço-lhe o direito á sua opinião, sendo esta contrária a um tema de um livro (que não li, nem sei se vou ler porque há quem trabalhe, ó Sr. MÁRIO DAVID, entendeu?). O que acontece é que eu gosto da UE, acredito no projecto europeu e enquanto cidadã cumpridora dos meus deveres (votar, pagar impostos, não cuspir para o chão nem para fontes) TENHO VERGONHA QUE ESTE SENHOR SEJA DEPUTADO EUROPEU POR PORTUGAL.
Que a conferência episcopal se sinta melindrada pelas palavras do Saramago, eu entendo. Dou-me por contente de não haver fatwas declaradas pela Igreja Católica e que os tempos da Santa Inquisição já tenham passado.
Agora, o sr. Mário David, se eu conduzisse, e me passasse à frente, era passado a ferro, certinho como eu ser do Benfica. Reitero que ele tem direito à sua opinião mas fazer dela uma arma de arremesso de auto publicidade em tom moralista pequenino, é triste.
Eu sentir-me-ia muito infeliz se fosse ou pensasse como o Mário David. Ó sr. deputado, diga-me lá uma coisa: esta sua "amiga" (que by the way NÃO VOTOU EM SI!) acha a Bíblia assim, como dizê-lo, uma fraude. Uma misturada de acontecimentos bem coloridos para agregar as comunidades na Idade Média. Não acredito em Deus. Acho que Jesus era um viajante que não trabalhava com capacidades de escuta e de psicólogo, com um estilo Woodstock, e talvez, com alguns poderes místicos sempre acompanhado por um bando de gajos ...
Isso faz de mim exactamente o quê? Num país democrático e LAICO (vá ver ao dicionário se não sabe o que é)? Eu respeito quem acredita, mas eu nego e renego. Mas tenho direito a isso, ou não? Ou só tenho direito se disser que os islâmicos põe todos bombas à espera de papar virgens? Ou que os Budistas não fazem ponta e vestem-se mal? Ou que os Judeus têm o desígnio mundial de mandar no mundo e estender tentáculos de poder?
É que eu posso dizer isto tudo, mesmo que não acredite. Mas pra si se calhar não era problema... agora com a Igreja Católica, ' tá mal.
Até o compreendo, que sendo provavelmente católico, se sinta afectado e não goste. Não leia, tem essa opção. Mas imbecil é V. Exa e quem subscreva as suas tão doutas palavras.
E, para mais, até consigo entender quando o Saramago diz que pode mudar de país dado ao estado geral a que este "rectângulo" chegou (já agora, o autor do conceito "rectângulo" é uma vergonha PUBLICA da Republica Portuguesa e é do seu partido, sabia?).
Aliás, pela sua opinião e de outros que concordam, eu vou mesmo mudar de país porque depois de manifestar as minhas teorias sobre a religião católica no mínimo mandam-me para o Tarrafal, aquele sitio onde antes do 25 de Abril quem era dissidente de ideias ia parar (conhece?).
Volto a explicar, antes de ir de viagem para uma zona de praia, ou para uma Guantanamo nas Berlengas: Estado Laico e Democrático. Livre expressão.
Se se podem acusar sem problema o FCP e seus adeptos de corruptos, o Governo de pressionar a comunicação social, o PR de ter um discurso estranho, porque não pode um escritor opinar sobre uma religão?
Mas quem é que votou neste gajo??? Alguém no PSD faz alguma coisa de jeito???

Comentários

Anónimo disse…
O excesso do Saramago, algum excesso do eurodeputado e o teu total excesso. Ou a tal democracia tambem não lhe permite opinião. Pode o saramago continuar a atacar não só pricipios base da sociedade, apontar o seu desgosto em ser portugues (alias, os mesmos portugueses que compram e que fizeram dele o que é, mais o PCP claro), e nós - os portugueses, não podemos não o querer com tamanho comportamento.
E será que algum partido faz alguma coisa de jeito, ou politico ou eventualmente pessoa?! é excessivo. Claro que sim. O PSD e outros.O problema é a massa da população criticar mas nao agir.
Alexandra

Mensagens populares deste blogue

Do arrebatamento

O vestido caiu facilmente. Estava apenas preso pelas alças nos ombros magros e deslizou com vontade declarada pelo corpo, até ao chão, enquanto ela acendia uma única luz de presença.

Beijou-lhe o ventre. Sentiu-o a tremer. Antecipação. Expectativa. Sentia-lhe o calor sem sequer tocar. Era como uma fonte inesgotável de desejo prestes a desmoronar-se com um toque. Os dedos enfiaram-se entre a pele e a linha das cuecas de renda fazendo-as sair com mestria. Estava liberta, da máscara de tecidos, não das demais camadas de protecção. Tal não a impedia de arfar baixinho e com satisfação sob um rosto que perdia vergonha a cada caída da cabeça para trás.


Nua, encostada à parede fria, costas arqueadas, totalmente exposta viu-a a desmontar-se com cuidado ao primeiro beijo que se colou à boca como dali não houvera saída. Era intenso, forte, penetrante o modo como ela o arrastava para si com a língua e uma perna em torno da cintura.


Todo aquele momento era primário, selvagem, sem travões ainda que, e…

I shine

Kiss me before you break my heart. There is still room to be damaged for every breath I take on myself and for myself. I regain confidence on me on every touch of you, even those that will be lost. 
The shivers running down on my spine awaken me and allow me to make you feel stronger, bolder, in love with life. 
I expand my senses while you will torn my world apart. We are under the same sky but I am meant to be a trail of light rather than a guiding star. 
I will burn your soul and you will break my heart. Yet I shine. So, kiss me and let's pretend.

Da alegria

Gosto desses olhos que se iluminam e que pausam em mim como se nada mais existisse naquele longo momento. Esse olhar decidido, seguro, revelador de um modo de estar ciente do que se quer e descomplicado.
Fazes-me rir. Como se o mundo fosse fácil. Como se salvar-me das trevas não fosse uma missão mas sim manter-me saciada, livre, às gargalhadas, serena e em silencio, a ler com as pernas esticadas sobre ti.

Gosto das madrugadas de surf, mesmo ao frio. Dos beijos salgados e daquele teu cheiro misturado com água gelada. O cheiro que ainda hoje me faz ficar apreensiva, receosa, quando acordo a meio da noite e te ouço a respirar devagarinho e aquele cheiro está encostado a mim. E como aquele cheiro me apareceu e inundou de alegria.