Avançar para o conteúdo principal

Daí que digam que as mulheres são umas cabras umas pra' as outras...

Esteve fim de semana foi uma treta de neurose mas no fim de semana passado, estando eu fora de Lisboa, num sitio fantástico, mas já sem nada para ler, peguei na "literatura" de gajo que jazia do outro lado da cama e, por entre Playboys, Maxmen e afins, encontrei uma oldie que diz tudo sobre o titulo deste misero texto.
Regressemos à MaxMen, em Outubro de 2009, crónica da Margarida Rebelo Pinto, "Guia para Divorciados", uma espécie de manual de sobrevivência para homens que acabaram de divorciar-se.
A certa altura, a douta cronista, enuncia 5 regras para Não Voltar a Cair Noutra (até nem é uma má ideia, em termos pedagógicos). A coisa vai mais ou menos assim, e passo a citar:
1) "Não se interessem por mulheres desocupadas porque elas têm apenas uma missão: casar com um homem rico".
Dando de barato algum realismo cientifico da teoria, a autora também é um bocado desocupada e, definitivamente, as suas protagonistas, não fazem um boi. Portanto, esta teoria é-lhe fácil de enunciar.
2) "Não saiam com mulheres com mais de 30 anos que nunca casaram antes: não pensam noutra coisa".
Aqui, começo a afinar e a pensar no Sá Pinto. Oh querida, fale por si!!!
Isto é um esterótipo deveras cretino e indutor de erros básicos. É que há gajas que não precisam de casar e estar constantemente acompanhadas de gajo (para grande espanto da autora, certamente) para não se sentirem carentes. Há mulheres com mais de 30 anos que sabem o que valem e não será o casamento que lhes trará a felicidade. Claro que para uma "menina bem de familia católica do Restelo" deve ser dificil de entender isto.
3) Não vá para a cama com uma namorada nova sem protecção (excelente conselho).
4) [e aqui é que dá vontade de realmente Sá-pintar a MRP]: "Se ela diz que está a tomar a pilula, peça para ver a caixa."
Desculpe???!!! Pode repetir? è que parei na estupidez machista e ainda não recuperei! Que merda de comentário é este?
5) "Se ela não mostrar a caixa, acabe com ela antes que já seja tarde".
Não há comentários possiveis. Já se viu a profundidade do pensamento de MRP. É uma questão de ver-se ao espelho nos costumes, não?
Não querendo acreditar que sejamos umas cabras umas pra' outras, mas com gajas assim? Porra, mais vale ser gajo!!!

Comentários

Anónimo disse…
A parte triste é que a fulana não é menina bem coisa nenhuma. Mas sim uma mimada, com um filho igual a ela. Nada e criada em Benfica, com uma mae inteligente e com um pai que idolatra a filha apesar de tudo... nao se podem esperar milagres... é parva mas a verdade é que existe muito boa gente que a le e aimenta...
Alexandra
MBA disse…
Já tinha saudades de te ler.
Obrigado por me ajudares a curar a insónia num hotel perdido longe do centro de Atenas, numa noite de vendaval com a televisão a falar grego (é mesmo verdade, não se percebe uma única palavra!!!) e com a internet à velocidade de um caracol alentejano.
MUMIA disse…
As tretas desta MRP não se podem levar a sério.
Não passam de tretas sem nexo nenhum.

Mónica: chamo-me José Fonseca e fiz algumas ilustrações para a revista do jornal i,; peço-lhe que responda, eles pagam aos colaboradores? já estou à espera desde o princípio de Janeiro.
Responda-me por favor, aqui ou no meu blog.
www.mumiafanzine.blogspot.com
MUMIA disse…
Mónica: Muito Obrigado desde já.
josé F.

Mensagens populares deste blogue

gaja à beira da loucura

Isto pode paracer a demência absoluta mas já estou por tudo. A Alexandra Solnado (isso mesmo, este post vai por esse caminho...) dizia numa entrevista, há umas semanas, ao promover o seu mais recente "livro" que a maioria das pessoas que lhe aparecem para consultas, são pessoas doentes - jura?!
Agora, a sério, as pessoas padecem de doenças fisicas e, no seu desespero, que nem é discutivel porque cada um saberá o que se sente quando se chega a esse patamar, procuram ajuda ou conforto no projecto da Alexandra Solnado (é assim que se chama). Posto isto, explicava a Alexandra Solnado que as doenças são, não obstante, reflexos de outros problemas mais antigos ou e a outros níveis. Não me recordo dos exemplos que ela dava mas era algo como pessoas que tinham tido muitos desgostos e uma vida marcada pela tristeza, desenvolviam uma doença grave em especifico, localizada numa área do corpo em particular. 
Ora, e dando o beneficio da duvida a esta teoria (pois que temos a perder?), gosta…

Inesperadamente, a semana passada

Uns dias bons.
O  25 de Abril. Comer caracóis, os primeiros deste ano. Passear e trabalhar no Porto, deambular nos Clérigos. Diariamente, sessões de The Newsroom e Melhor do Que Falecer. O Pedro Mexia e os ferrinhos na emissão especial do Governo Sombra (e a banda sonora e a Manuela Azevedo e as citações certeiras de Salazar bem seleccionadas por Ricardo Araujo Pereira). O Benfica, tão grande! Opá, o Benfica ❤️

A importância de se chamar Candidato

Numa altura em que as empresas recorrem cada vez mais às redes sociais para procurar candidatos a postos de trabalho (89%) e que 65% por cento é bem-sucedida, conseguindo contratações satisfatórias (Fonte: PR Comunicácion) convinha que as empresas de recrutamento e de executive search pensassem um bocadinho mais sobre o seu modus operandi.


Falo por experiência, por conhecimento e por não ter conseguido efectivar mudanças. 

O headhunter da velha guarda, armado em doutrina maquiavélica, que nunca leu, perspectiva o candidato como um meio para atingir um fim: facturar.  O candidato só serve enquanto servir os interesses do projecto. A satisfação do cliente é posta à frente de tudo e todos. Esta sobranceira linha de raciocínio,  a frio, tem alguma razão de ser. Quem paga as contas são os clientes. Como metodologia, é um erro crasso.
Num mercado concorrencial, um factor claramente diferenciador é a relação que se estabelece entre um consultor e os seus candidatos, pelo menos com aqueles que a…