Avançar para o conteúdo principal

Portugal: encerramos estabelecimento por não haver opções de salvação.

Lia outro dia numa revista a história / livro de uma americana recuperada de cancro que combatia a tirania do optimismo. Dizia ela que enquanto esteve doente, família, amigos e médicos queriam a forca que ela de animasse, pensasse positivo e reagisse com animo. E ela pensava: "dasse,  estou doente, cansada dos tratamentos e ainda tenho que fazer o esforço suplementar de me sentir como não me sinto por pressão dos outros?". Na sua opinião ninguém, por mt que goste da pessoa não optimista, quer estar próximo de alguém que não esteja sempre em modo "I love to be alive". 


Ler o texto fez-me sentir, por fim, compreendida. Salve!!!


 Mas o tema de hoje e outro: como reagir com animo e energia ao que se passa no castelo de cartas, chamado Portugal? Não sendo nacionalista, sinto-me confusa: somos europeus? ou estamos atropelados entre África e a América latina? 


Temos:

- 1 candidato a lider do Psd que e alto quadro de uma empresa na qual conviveu com 1 administrador acusado de de subornar o antigo professor de jose Sócrates na independente, que também era assessor externo no MAI de Armando vara.


- o PSD que esta com lider demissionária desde outubro e que tem a capacidade de fazer a oposição de uma criança de 4 anos: a base da birra e de querer roubar os brinquedos dos outros meninos. 


- um jornal, paladino da verdade e da liberdade de expressão, publica escutas que violam o segredo de justiça, liderando um movimento de justiça tipo milícia: de ninguém age contra o plano de controlo dos media, agimos nos. Parabéns, sr. Saraiva. Foi bonito o pais todo ver em directo o desrespeito por uma ordem do tribunal, ignorando o dia inteiro o oficial de justiça que tentava entregar a providencia cautelar.

Com a autoimagem de que seriam os herdeiros do jornalismo watergate (triste deslumbramento), violaram as ordens do tribunal e arautos da verdade colocaram o jornal na rua. Esgotou. Triste pais. Porém, em terras de petróleo, o Sol fez de conta que a liberdade de expressão tem outros conceitos a 8.000 km de distancia, vergou-se a censura e assobiou pro' ar. Tenham vergonha. Eu tenho. De existir no pais em que pago impostos um jornalismo tão reles.


- a grande lutadora da liberdade de informação meteu aproveitou para espetar a farpa no boi desaustinado. Mas não convinha antes ver bem quem paga agora as contas la de casa? São tudo "bons rapazes", certo?


- mais de 1 milhão de euros por ano a ex jota? Só em terra de loucos! 


- vara de volta ao BCP, os homens do presidente e as suas conspirações estivais fraquitas, o rendeiro a passear como se nada fosse pelos restaurantes do guincho (sabendo que fez perder dinheiro a pessoas que querem que não se saiba pois implica que fecharam os olhos ao modo como os lucros chegavam, apesar de saberem que mt legal não seria), o sucateiro que comprou quem se vende com mt menos mérito que 1 puta de estrada.


- o polvo verde que domina a teia empresarial, ca e fora, escolhe lobbistas pra lugares chave em grandes companhias, domina os media não públicos, e perpetua o nome da santíssima trindade. Quem governa Portugal?  


- os anos de julgamento da casa pia, dinheiro que sai do erário publico, em que a montanha vai parir um mini mousse.


- e Sócrates:  que já não tem mais costas para alargar... o exame de ingles técnico ao fim de semana, a licenciatura mal explicada, os amigos mt mal escolhidos, os boys com mau habito de contarem a vida toda ao telemóvel (falta mundo a esta merda de elite político-empresarial que nem filmes vêem), a mania de não gostar que os jornalistas digam mal dele (estou consigo, os jornalistas são maus mas ninguém os quer melhores não vale pena pressiona los porque, apesar de odiando-se uns aos outros, agem com reacção corporativo-sindicalista). 

Homem, demita-se. Ou pra ser preso (as if...) ou pra ter vida calma. Este pais esta alucinado, preso aos Idolos e a ida a Africa do Sul, precisa de uma betoneira. Ou de vender o stock e cada 1 ir a sua vida. Uma grande parte há esta em Angola, são menos a sair. 

Eu não digo pra onde vou. Estou farta de tugas, livra!     

Comentários

Tigrão disse…
Resumo de consciência dos acontecimentos da última semana, muito bom.
Bjs

Mensagens populares deste blogue

gaja à beira da loucura

Isto pode paracer a demência absoluta mas já estou por tudo. A Alexandra Solnado (isso mesmo, este post vai por esse caminho...) dizia numa entrevista, há umas semanas, ao promover o seu mais recente "livro" que a maioria das pessoas que lhe aparecem para consultas, são pessoas doentes - jura?!
Agora, a sério, as pessoas padecem de doenças fisicas e, no seu desespero, que nem é discutivel porque cada um saberá o que se sente quando se chega a esse patamar, procuram ajuda ou conforto no projecto da Alexandra Solnado (é assim que se chama). Posto isto, explicava a Alexandra Solnado que as doenças são, não obstante, reflexos de outros problemas mais antigos ou e a outros níveis. Não me recordo dos exemplos que ela dava mas era algo como pessoas que tinham tido muitos desgostos e uma vida marcada pela tristeza, desenvolviam uma doença grave em especifico, localizada numa área do corpo em particular. 
Ora, e dando o beneficio da duvida a esta teoria (pois que temos a perder?), gosta…

Inesperadamente, a semana passada

Uns dias bons.
O  25 de Abril. Comer caracóis, os primeiros deste ano. Passear e trabalhar no Porto, deambular nos Clérigos. Diariamente, sessões de The Newsroom e Melhor do Que Falecer. O Pedro Mexia e os ferrinhos na emissão especial do Governo Sombra (e a banda sonora e a Manuela Azevedo e as citações certeiras de Salazar bem seleccionadas por Ricardo Araujo Pereira). O Benfica, tão grande! Opá, o Benfica ❤️

A importância de se chamar Candidato

Numa altura em que as empresas recorrem cada vez mais às redes sociais para procurar candidatos a postos de trabalho (89%) e que 65% por cento é bem-sucedida, conseguindo contratações satisfatórias (Fonte: PR Comunicácion) convinha que as empresas de recrutamento e de executive search pensassem um bocadinho mais sobre o seu modus operandi.


Falo por experiência, por conhecimento e por não ter conseguido efectivar mudanças. 

O headhunter da velha guarda, armado em doutrina maquiavélica, que nunca leu, perspectiva o candidato como um meio para atingir um fim: facturar.  O candidato só serve enquanto servir os interesses do projecto. A satisfação do cliente é posta à frente de tudo e todos. Esta sobranceira linha de raciocínio,  a frio, tem alguma razão de ser. Quem paga as contas são os clientes. Como metodologia, é um erro crasso.
Num mercado concorrencial, um factor claramente diferenciador é a relação que se estabelece entre um consultor e os seus candidatos, pelo menos com aqueles que a…