Avançar para o conteúdo principal

o homem que matara a música

A luz iluminava cautelosamente a lamina a raspar a pele do rosto ainda novo mas envelhecido no espelho a sua frente. Fazia barba de modo lento, não por medo de cortar-se mas porque de manhã nada conseguia fazer a outro ritmo. Levantava-se maquinalmente com uma dor nas costas, tensão lancinante nos ombros que mal lhe permitia equilibrar-se naqueles primeiros momentos vespertinos.

Em pé cerrava os olhos, deixava cair a cabeça já cansado e buscava no modo de estar alienado forcas para tomar banho e começar mais um dia. Era como se fosse prisioneiro e marcasse na parede a contagem dos dias. A diferença é que a prisão era a sua cabeça, os dias passavam mas não tinha expectativas de liberdade e o crime que cometera fora contra si mesmo.


Com a barba feita, lavou os dentes e em seguida vestiu-se de forma desapegada, como se caminhasse para o vazio. Comeu, por necessidade e não por fome, em silêncio, na cozinha branca e perfeitamente limpa. Não queria acordar a mulher, em paz com o seu sono, nem os gémeos no único momento em que teimavam não gerar o caos.


Fechou os olhos com forca e conteve o dilúvio de emoções. Onde estava a sua vida? Não aquela que sentia ser uma realidade paralela, mas a que traçara na sua mente disciplinada e inconformada?

Haviam ficado para trás as expectativas de viajar, voar pelo mundo para ganhar mais e mais de conhecimento, preencher a curiosidade, observar as pessoas enquanto andam no seu pendular movimento pelas ruas.

Haviam desaparecido os fins-de-semana pelo país, com livros e mapa, roteiros da sua vontade imensa de não estar quieto, de ouvir sons diferentes quer fosse o mar em Sagres, o correr do rio no Douro ou a chuva por entre o verde nos Açores.

A mulher gostava de passear mas gostava mais de ter a casa impecavelmente pronta a fazer inveja aos amigos. Vestia-se a rigor, arranjava os gémeos a preceito e os fins-de-semana pareciam saídos de uma revista de decoração com a rotina das idas dela ao ginásio (e a obrigá-lo a acompanhá-la, coisa que detestava), casa, jardim zoológico, jantares de família, almoços com outros casais e as suas crias a correrem pelo amplo apartamento.

Amava a mulher mas a ideia de ter filhos apanhara-o na curva. Compreendia agora que ela lhe quisera dar sossego, travar aquela ansiedade dos olhos dele. Cansada de poupar para as viagens, surpreendeu-o com a gravidez. "Um filho leva-se para qualquer lado, limitam se alguns gastos mas será quase o mesmo, teremos a vida do costume. Só precisamos de una casa maior", dissera-lhe ela. Nasceram os gémeos e nada foi igual. Talvez, já não a amasse. Porque ela planeara mal a jogada mas mesmo assim estava feliz com a sua ninhada e com a vida que construíra. E ele não conseguia sentir a mesma satisfação.


Pegou no livro e no casaco e fechou a porta. Dirigia-se para o emprego que não gostava. Teimosamente, levava o livro com a vã esperança de conseguir lê-lo à hora de almoço quando conseguisse fugir aos colegas tão desinteressantes como filhos da puta. Tentava com a leitura fugir àquele ambiente contaminado, cheio de sombras negras e de todos os defeitos que as pessoas podem ter. Rotina, mesquinhez, inveja, gritos, prepotência e humilhação. Mas raramente almoçava, por excesso de trabalho ou então não conseguia amainar a alma, com as historias q ouros escreveram, tal era a pressão no peito que sentia, gerada pelo dia a dia laboral.

Entrou no elevador e desejou ser teletransportado. Fugir e não voltar a ter que ir para aquele escritório ou ao supermercado fazer compras mensais ou ter que fazer conversas sobre o melhor colégio com outros pais, que em tempos foram simplesmente amigos.

Sentia-se sem ar, sem espaço, sem alegria. Sem ninguém que o escutasse. Sentia-se banal, sem que nele reparassem. Como uma imagem quase apagada de uma folha de desenho.

Ouviu a música de elevador e percebeu que havia meses que não ligava o iPod. Ele, que havia consumido música em doses massivas, perdera o gosto. Perdera a necessidade. A tomada de consciência foi como um pontapé no peito. Matara a música na sua vida. Sem música, uma pessoa perde o sentido de estar, de ser. Matar a música, era sinal que estava a definhar.

Sentado no carro, sem forca para ligar o rádio, deixou a cabeça cair no volante como um cliché e abateram-se sobre ele todas as dores invisíveis. Onde havia errado? Onde falhara?


Mentalmente, marcado pela inconstância e pela solidão, insatisfeito e destruído, accionou o seu mecanismo de defesa e ligou a ignição. Ia começar mais um dia. Amanha seria um bom dia para recomeçar, pensou. Era mentira, sabia-o.

Saiu da garagem e quase chorava. Era o homem que matara a música. E a sua vontade de ter opções.

Comentários

Anónimo disse…
Fenomenal e tão próximo...

PM

Mensagens populares deste blogue

Da alegria

Gosto desses olhos que se iluminam e que pausam em mim como se nada mais existisse naquele longo momento. Esse olhar decidido, seguro, revelador de um modo de estar ciente do que se quer e descomplicado.
Fazes-me rir. Como se o mundo fosse fácil. Como se salvar-me das trevas não fosse uma missão mas sim manter-me saciada, livre, às gargalhadas, serena e em silencio, a ler com as pernas esticadas sobre ti.

Gosto das madrugadas de surf, mesmo ao frio. Dos beijos salgados e daquele teu cheiro misturado com água gelada. O cheiro que ainda hoje me faz ficar apreensiva, receosa, quando acordo a meio da noite e te ouço a respirar devagarinho e aquele cheiro está encostado a mim. E como aquele cheiro me apareceu e inundou de alegria.

A importância de se chamar Candidato

Numa altura em que as empresas recorrem cada vez mais às redes sociais para procurar candidatos a postos de trabalho (89%) e que 65% por cento é bem-sucedida, conseguindo contratações satisfatórias (Fonte: PR Comunicácion) convinha que as empresas de recrutamento e de executive search pensassem um bocadinho mais sobre o seu modus operandi.


Falo por experiência, por conhecimento e por não ter conseguido efectivar mudanças. 

O headhunter da velha guarda, armado em doutrina maquiavélica, que nunca leu, perspectiva o candidato como um meio para atingir um fim: facturar.  O candidato só serve enquanto servir os interesses do projecto. A satisfação do cliente é posta à frente de tudo e todos. Esta sobranceira linha de raciocínio,  a frio, tem alguma razão de ser. Quem paga as contas são os clientes. Como metodologia, é um erro crasso.
Num mercado concorrencial, um factor claramente diferenciador é a relação que se estabelece entre um consultor e os seus candidatos, pelo menos com aqueles que a…

I shine

Kiss me before you break my heart. There is still room to be damaged for every breath I take on myself and for myself. I regain confidence on me on every touch of you, even those that will be lost. 
The shivers running down on my spine awaken me and allow me to make you feel stronger, bolder, in love with life. 
I expand my senses while you will torn my world apart. We are under the same sky but I am meant to be a trail of light rather than a guiding star. 
I will burn your soul and you will break my heart. Yet I shine. So, kiss me and let's pretend.