Avançar para o conteúdo principal

o dia da abóbora

Detesto o Halloween.

Nada contra os americanos que elevaram uma tradição antiga, com raízes na Irlanda, a um conceito popular, parte da cultura norte-america e que movimenta uma industria. 

Só não gosto do Halloween. Não gosto do festival que se montou em Portugal (e se calhar noutros países) à custa da exportação do american way. E para festejar mortos. Acho tétrico. 

O próprio feriado religioso, dia de Todos-os-Santos, celebrado em honra de todos os santos e mártires, é algo que me faz muita confusão. É tudo muito fúnebre, com cemitérios à mistura, é tão Idade Média, com o peso da religião a sentir-se pela força do terror.

Mas embirro mesmo com as abóboras, os vampiros, os esqueletos, tudo. É uma parvoeira sem fim

Não chega a ser o mesmo ódio que nutro pelo Carnaval mas não anda longe. 

Está assim quase a chegar ao nível do que não gosto de Travestis (porquê????? alguém que me explique a piada de ver homens empinocados como gajas com ar de prostitutas baratas que cantam em playback... que mente retorcida acha aquilo excitante?). 

Comentários

Mensagens populares deste blogue

A importância de se chamar Candidato

Numa altura em que as empresas recorrem cada vez mais às redes sociais para procurar candidatos a postos de trabalho (89%) e que 65% por cento é bem-sucedida, conseguindo contratações satisfatórias (Fonte: PR Comunicácion) convinha que as empresas de recrutamento e de executive search pensassem um bocadinho mais sobre o seu modus operandi.


Falo por experiência, por conhecimento e por não ter conseguido efectivar mudanças. 

O headhunter da velha guarda, armado em doutrina maquiavélica, que nunca leu, perspectiva o candidato como um meio para atingir um fim: facturar.  O candidato só serve enquanto servir os interesses do projecto. A satisfação do cliente é posta à frente de tudo e todos. Esta sobranceira linha de raciocínio,  a frio, tem alguma razão de ser. Quem paga as contas são os clientes. Como metodologia, é um erro crasso.
Num mercado concorrencial, um factor claramente diferenciador é a relação que se estabelece entre um consultor e os seus candidatos, pelo menos com aqueles que a…

Da alegria

Gosto desses olhos que se iluminam e que pausam em mim como se nada mais existisse naquele longo momento. Esse olhar decidido, seguro, revelador de um modo de estar ciente do que se quer e descomplicado.
Fazes-me rir. Como se o mundo fosse fácil. Como se salvar-me das trevas não fosse uma missão mas sim manter-me saciada, livre, às gargalhadas, serena e em silencio, a ler com as pernas esticadas sobre ti.

Gosto das madrugadas de surf, mesmo ao frio. Dos beijos salgados e daquele teu cheiro misturado com água gelada. O cheiro que ainda hoje me faz ficar apreensiva, receosa, quando acordo a meio da noite e te ouço a respirar devagarinho e aquele cheiro está encostado a mim. E como aquele cheiro me apareceu e inundou de alegria.

I shine

Kiss me before you break my heart. There is still room to be damaged for every breath I take on myself and for myself. I regain confidence on me on every touch of you, even those that will be lost. 
The shivers running down on my spine awaken me and allow me to make you feel stronger, bolder, in love with life. 
I expand my senses while you will torn my world apart. We are under the same sky but I am meant to be a trail of light rather than a guiding star. 
I will burn your soul and you will break my heart. Yet I shine. So, kiss me and let's pretend.