Avançar para o conteúdo principal

O Politicamente Correcto é uma treta ...

... já lá dizia o Mister e às vezes ele tem mesmo razão. 

Por todo lado há imagens explicitas de sexo. Canta-se sexo, não já num ideal romântico, mas à bruta, ou kinky, ou na rambóia total. Vê-se sexo no mais insuspeito dos filmes ou na mais trivial série histórica. Fala-se de sexo como se se falasse do que almoçámos. 

Fala-se de sexo no metro sem pudores, miúdos ainda com a moleirinha aberta. Fala-se de sexo com as amigas na esplanada sobre o Tejo, como se fossemos todas a Carrie Bradshaw. Fala-se de sexo em registo de piada com os amigos, para aliviar tensão sexual mal resolvida ou para se tirarem duvidas sobre o que se passa entre quatro paredes, com outros e outras. Fala-se de sexo na praia, com palavrões e fios dentais que passam por bikinis mas que só saem puxados por uma pinça. Fala-se de sexo na TV em prime time nas novelas que o povo adora, nos programas do coração para entretenimento dos reformados e domésticas, nos talkshows pedagógicos e no lixo nuclear chamado reality shows (aí fala-se, promete-se e faz-se). 

Fala-se com conhecimento de causa, com segurança e discernimento. Mas também se fala levianamente, sem perceber ponta do tema, ao estilo badalhoco e carroceiro.

Mas esta é a nossa realidade. Aos 16 anos a rodagem é já mais que muita.  O sexo a três passou a ser banal, o swing é giro, ir às putas é coisa glorificada e as festas tipo Eyes Wide Shut são o cumulo do chique, com as máscaras, a coca e o nome de código.

TV, cinema, musica, publicidade puxam pelo sexo. Nada se vende sem a pitada marota.

Ora tudo muito bem, tudo catita, cada um sabe o que faz dos seus orifícios, mas como raio depois se censuram (palavra forte, não?) estes 2 anúncios:

Anuncio Calvin Klein Jeans protagonizado pela modelo holandesa Lara Stone

Julianne Moore & Bulgari

O da CK Jeans foi proibido na Austrália, porque a autoridade de fiscalização de publicidade australiana considerou que o anúncio é “humilhante para as mulheres ao sugerir que elas são um brinquedo daqueles homens” e também para os homens “ao insinuar violência sexual contra as mulheres” e, ainda, é  condenada a imagem por sugeri "violência e violação sexual”.

As boas intenções dos Mate são válidas mas sejamos sinceros: não é nos outdoors que está o trigger para a violência doméstica ou sexual, quem tem o "bicho" não o apanha numa fotografia. Por outro lado, parece-me que a modelo está a receber prazer e não a levar um enxerto. Não será que foi isso que assustou as autoridades australianas: que uma mulher se satisfaça sem vergonha com 3 moços apessoados?

A história da bela Julianne Moore ainda é mais caricata. Os outdoors foram expostos em Cannes, por alturas do Festival, festival altamente patrocinado pelas marcas de luxo. E foram removidos pelo excesso de exposição de derme e pelas imagens sugestivas. Em FRANÇA!!!! O pais em que os ministros passam a vida a pôr palavras sexuais em conversas institucionais, a terra histórica da devassa da Europa Ocidental. 

Anda tudo ou muito sensível ou tapados. São fotografias fabulosas. Singelas gotas de água inocentes face ao pantanal diário que nos bombardeia.

Gente doida.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

gaja à beira da loucura

Isto pode paracer a demência absoluta mas já estou por tudo. A Alexandra Solnado (isso mesmo, este post vai por esse caminho...) dizia numa entrevista, há umas semanas, ao promover o seu mais recente "livro" que a maioria das pessoas que lhe aparecem para consultas, são pessoas doentes - jura?!
Agora, a sério, as pessoas padecem de doenças fisicas e, no seu desespero, que nem é discutivel porque cada um saberá o que se sente quando se chega a esse patamar, procuram ajuda ou conforto no projecto da Alexandra Solnado (é assim que se chama). Posto isto, explicava a Alexandra Solnado que as doenças são, não obstante, reflexos de outros problemas mais antigos ou e a outros níveis. Não me recordo dos exemplos que ela dava mas era algo como pessoas que tinham tido muitos desgostos e uma vida marcada pela tristeza, desenvolviam uma doença grave em especifico, localizada numa área do corpo em particular. 
Ora, e dando o beneficio da duvida a esta teoria (pois que temos a perder?), gosta…

A importância de se chamar Candidato

Numa altura em que as empresas recorrem cada vez mais às redes sociais para procurar candidatos a postos de trabalho (89%) e que 65% por cento é bem-sucedida, conseguindo contratações satisfatórias (Fonte: PR Comunicácion) convinha que as empresas de recrutamento e de executive search pensassem um bocadinho mais sobre o seu modus operandi.


Falo por experiência, por conhecimento e por não ter conseguido efectivar mudanças. 

O headhunter da velha guarda, armado em doutrina maquiavélica, que nunca leu, perspectiva o candidato como um meio para atingir um fim: facturar.  O candidato só serve enquanto servir os interesses do projecto. A satisfação do cliente é posta à frente de tudo e todos. Esta sobranceira linha de raciocínio,  a frio, tem alguma razão de ser. Quem paga as contas são os clientes. Como metodologia, é um erro crasso.
Num mercado concorrencial, um factor claramente diferenciador é a relação que se estabelece entre um consultor e os seus candidatos, pelo menos com aqueles que a…

Inesperadamente, a semana passada

Uns dias bons.
O  25 de Abril. Comer caracóis, os primeiros deste ano. Passear e trabalhar no Porto, deambular nos Clérigos. Diariamente, sessões de The Newsroom e Melhor do Que Falecer. O Pedro Mexia e os ferrinhos na emissão especial do Governo Sombra (e a banda sonora e a Manuela Azevedo e as citações certeiras de Salazar bem seleccionadas por Ricardo Araujo Pereira). O Benfica, tão grande! Opá, o Benfica ❤️