Avançar para o conteúdo principal

Thumbs Up

Para todos aqueles que acham que eu sou uma maldizente hiper critica, venho por este meio... confirmar. É verdade, tudo o que não gosto, digo. Mas descansem que encaixo bem a critica alheia e, melhor que isso, tenho um sentido tremendo de auto-critica. Imune ao que me digam... 

Porém, e para lá das coisas de que gosto muito (carteiras, viagens, livros), fico contente quando me deparo ou descubro algo que acho que faz a diferença e prima pela qualidade.

Três bons exemplos.

Exemplo 1: Papo D'Anjo







Na última edição dos Emmy, a actriz de 10 anos Kiernan Shipka (Mad Men), foi toda bonita com um vestido da marca portuguesa Papo D'Anjo (ver aqui), num vestido desenhado propositadamente para a miuda e para o evento, pela fundadora Catherine Monteiro de Barros.



Catherine Monteiro de Barros é americana e quando estudou Relações Internacionais (grande curso) na Johns Hopkins University, conheceu o marido, português. Depois de ter trabalhado na CNN, quando casou, mudou-se para Portugal em 1991.

Foi neste canto á beira-mar plantado que Catherine fundou a Papo d’Anjo em 1995, quando, já mãe, lhe faltavam opções de roupa infantil ao seu gosto. A linha da Papo D'Anjo caracteriza-se pelo estilo europeu clássico mas com uma qualidade superior, muito trabalho manual e com muita atenção ao detalhe, que permita que as peças resistam de geração para geração. A sede da marca está em Lisboa, assim como todo o design e produção. 


Em 2002 a familia (já são 4 filhos, todos parvos de giros, aliás toda a familia parece saida de uma série de TV muito sofisticada e elegante!!!) mudou-se para Gloucestershire, Inglaterra.

Desde um castelo maravilhoso 
(vinha numa reportagem da Vanity Fair há uns meses), Catherine funciona como Chief Designer e responsável de todo o negócio, que se estende por vários paises, em lojas de topo, mas sendo particularmente forte nos EUA.


Exemplo 2: A República, p'la Vista Alegre

A Vista Alegre Atlantis lançou, em Setembro, uma colecção comemorativa do Centenário da República com ilustrações de Pedro Sousa Pereira. 

A colecção, composta por um conjunto de seis pratos, duas canecas, uma chávena de café e uma taça, tem ilustrações em que surgem os símbolos de Portugal (a bandeira, o busto da República e o Hino Nacional), referências a Os Lusíadas, e é dado destaque a Machado dos Santos por este ter sido, nas palavras do autor, “um homem de acção, corajoso, frontal, aventureiro e determinado”.



Estive a ver as peças e adorei. Os pratos são maravilhosos. Toda a colecção tem imenso bom gosto, e é mesmo bonita. A Vista Alegre pode ter vários problemas, radicados na incapacidade estratégica de perceber as mudanças de mercado, reagindo tardiamente, mas continua a ser uma marca capaz de surpreender. 

É das marcas portuguesas que mais admiro até porque tem tentado, e conseguido, ter a qualidade de séculos com a inovação mas sem sair do seu ADN.


Exemplo 3: Bulhosa de Entrecampos

Ao fim de ano e meio entrei, por fim, na Bulhosa de Entrecampos ontem e fiquei fã. 

As pessoas são simpáticas, a loja é enorme e dá para almoçar!!! Tem um cantinho simples, com sopa, saladas, arroz, salgados (as empanadas têm muito bom aspecto), um prato quente,  e café. Simples, tranquilo, maravilhoso. Almoçar, ou lanchar, entre livros é uma espécie de deleite. É sublime.

Claro que vou limitar as minhas ida a este sitio do "Demo". Fui almoçar e trouxe 2 livros: 







A lista de pendentes volta a ultrapassar os 40 livros. Raios!!!

Comentários

Mensagens populares deste blogue

gaja à beira da loucura

Isto pode paracer a demência absoluta mas já estou por tudo. A Alexandra Solnado (isso mesmo, este post vai por esse caminho...) dizia numa entrevista, há umas semanas, ao promover o seu mais recente "livro" que a maioria das pessoas que lhe aparecem para consultas, são pessoas doentes - jura?!
Agora, a sério, as pessoas padecem de doenças fisicas e, no seu desespero, que nem é discutivel porque cada um saberá o que se sente quando se chega a esse patamar, procuram ajuda ou conforto no projecto da Alexandra Solnado (é assim que se chama). Posto isto, explicava a Alexandra Solnado que as doenças são, não obstante, reflexos de outros problemas mais antigos ou e a outros níveis. Não me recordo dos exemplos que ela dava mas era algo como pessoas que tinham tido muitos desgostos e uma vida marcada pela tristeza, desenvolviam uma doença grave em especifico, localizada numa área do corpo em particular. 
Ora, e dando o beneficio da duvida a esta teoria (pois que temos a perder?), gosta…

A importância de se chamar Candidato

Numa altura em que as empresas recorrem cada vez mais às redes sociais para procurar candidatos a postos de trabalho (89%) e que 65% por cento é bem-sucedida, conseguindo contratações satisfatórias (Fonte: PR Comunicácion) convinha que as empresas de recrutamento e de executive search pensassem um bocadinho mais sobre o seu modus operandi.


Falo por experiência, por conhecimento e por não ter conseguido efectivar mudanças. 

O headhunter da velha guarda, armado em doutrina maquiavélica, que nunca leu, perspectiva o candidato como um meio para atingir um fim: facturar.  O candidato só serve enquanto servir os interesses do projecto. A satisfação do cliente é posta à frente de tudo e todos. Esta sobranceira linha de raciocínio,  a frio, tem alguma razão de ser. Quem paga as contas são os clientes. Como metodologia, é um erro crasso.
Num mercado concorrencial, um factor claramente diferenciador é a relação que se estabelece entre um consultor e os seus candidatos, pelo menos com aqueles que a…

Inesperadamente, a semana passada

Uns dias bons.
O  25 de Abril. Comer caracóis, os primeiros deste ano. Passear e trabalhar no Porto, deambular nos Clérigos. Diariamente, sessões de The Newsroom e Melhor do Que Falecer. O Pedro Mexia e os ferrinhos na emissão especial do Governo Sombra (e a banda sonora e a Manuela Azevedo e as citações certeiras de Salazar bem seleccionadas por Ricardo Araujo Pereira). O Benfica, tão grande! Opá, o Benfica ❤️