Avançar para o conteúdo principal

Thumbs Up

Para todos aqueles que acham que eu sou uma maldizente hiper critica, venho por este meio... confirmar. É verdade, tudo o que não gosto, digo. Mas descansem que encaixo bem a critica alheia e, melhor que isso, tenho um sentido tremendo de auto-critica. Imune ao que me digam... 

Porém, e para lá das coisas de que gosto muito (carteiras, viagens, livros), fico contente quando me deparo ou descubro algo que acho que faz a diferença e prima pela qualidade.

Três bons exemplos.

Exemplo 1: Papo D'Anjo







Na última edição dos Emmy, a actriz de 10 anos Kiernan Shipka (Mad Men), foi toda bonita com um vestido da marca portuguesa Papo D'Anjo (ver aqui), num vestido desenhado propositadamente para a miuda e para o evento, pela fundadora Catherine Monteiro de Barros.



Catherine Monteiro de Barros é americana e quando estudou Relações Internacionais (grande curso) na Johns Hopkins University, conheceu o marido, português. Depois de ter trabalhado na CNN, quando casou, mudou-se para Portugal em 1991.

Foi neste canto á beira-mar plantado que Catherine fundou a Papo d’Anjo em 1995, quando, já mãe, lhe faltavam opções de roupa infantil ao seu gosto. A linha da Papo D'Anjo caracteriza-se pelo estilo europeu clássico mas com uma qualidade superior, muito trabalho manual e com muita atenção ao detalhe, que permita que as peças resistam de geração para geração. A sede da marca está em Lisboa, assim como todo o design e produção. 


Em 2002 a familia (já são 4 filhos, todos parvos de giros, aliás toda a familia parece saida de uma série de TV muito sofisticada e elegante!!!) mudou-se para Gloucestershire, Inglaterra.

Desde um castelo maravilhoso 
(vinha numa reportagem da Vanity Fair há uns meses), Catherine funciona como Chief Designer e responsável de todo o negócio, que se estende por vários paises, em lojas de topo, mas sendo particularmente forte nos EUA.


Exemplo 2: A República, p'la Vista Alegre

A Vista Alegre Atlantis lançou, em Setembro, uma colecção comemorativa do Centenário da República com ilustrações de Pedro Sousa Pereira. 

A colecção, composta por um conjunto de seis pratos, duas canecas, uma chávena de café e uma taça, tem ilustrações em que surgem os símbolos de Portugal (a bandeira, o busto da República e o Hino Nacional), referências a Os Lusíadas, e é dado destaque a Machado dos Santos por este ter sido, nas palavras do autor, “um homem de acção, corajoso, frontal, aventureiro e determinado”.



Estive a ver as peças e adorei. Os pratos são maravilhosos. Toda a colecção tem imenso bom gosto, e é mesmo bonita. A Vista Alegre pode ter vários problemas, radicados na incapacidade estratégica de perceber as mudanças de mercado, reagindo tardiamente, mas continua a ser uma marca capaz de surpreender. 

É das marcas portuguesas que mais admiro até porque tem tentado, e conseguido, ter a qualidade de séculos com a inovação mas sem sair do seu ADN.


Exemplo 3: Bulhosa de Entrecampos

Ao fim de ano e meio entrei, por fim, na Bulhosa de Entrecampos ontem e fiquei fã. 

As pessoas são simpáticas, a loja é enorme e dá para almoçar!!! Tem um cantinho simples, com sopa, saladas, arroz, salgados (as empanadas têm muito bom aspecto), um prato quente,  e café. Simples, tranquilo, maravilhoso. Almoçar, ou lanchar, entre livros é uma espécie de deleite. É sublime.

Claro que vou limitar as minhas ida a este sitio do "Demo". Fui almoçar e trouxe 2 livros: 







A lista de pendentes volta a ultrapassar os 40 livros. Raios!!!

Comentários

Mensagens populares deste blogue

A importância de se chamar Candidato

Numa altura em que as empresas recorrem cada vez mais às redes sociais para procurar candidatos a postos de trabalho (89%) e que 65% por cento é bem-sucedida, conseguindo contratações satisfatórias (Fonte: PR Comunicácion) convinha que as empresas de recrutamento e de executive search pensassem um bocadinho mais sobre o seu modus operandi.


Falo por experiência, por conhecimento e por não ter conseguido efectivar mudanças. 

O headhunter da velha guarda, armado em doutrina maquiavélica, que nunca leu, perspectiva o candidato como um meio para atingir um fim: facturar.  O candidato só serve enquanto servir os interesses do projecto. A satisfação do cliente é posta à frente de tudo e todos. Esta sobranceira linha de raciocínio,  a frio, tem alguma razão de ser. Quem paga as contas são os clientes. Como metodologia, é um erro crasso.
Num mercado concorrencial, um factor claramente diferenciador é a relação que se estabelece entre um consultor e os seus candidatos, pelo menos com aqueles que a…

Da alegria

Gosto desses olhos que se iluminam e que pausam em mim como se nada mais existisse naquele longo momento. Esse olhar decidido, seguro, revelador de um modo de estar ciente do que se quer e descomplicado.
Fazes-me rir. Como se o mundo fosse fácil. Como se salvar-me das trevas não fosse uma missão mas sim manter-me saciada, livre, às gargalhadas, serena e em silencio, a ler com as pernas esticadas sobre ti.

Gosto das madrugadas de surf, mesmo ao frio. Dos beijos salgados e daquele teu cheiro misturado com água gelada. O cheiro que ainda hoje me faz ficar apreensiva, receosa, quando acordo a meio da noite e te ouço a respirar devagarinho e aquele cheiro está encostado a mim. E como aquele cheiro me apareceu e inundou de alegria.

I shine

Kiss me before you break my heart. There is still room to be damaged for every breath I take on myself and for myself. I regain confidence on me on every touch of you, even those that will be lost. 
The shivers running down on my spine awaken me and allow me to make you feel stronger, bolder, in love with life. 
I expand my senses while you will torn my world apart. We are under the same sky but I am meant to be a trail of light rather than a guiding star. 
I will burn your soul and you will break my heart. Yet I shine. So, kiss me and let's pretend.