Avançar para o conteúdo principal

habemus tugas

Irrita-me particularmente, e aparentemente está muito em voga, esta mania da carneirada rotular as criticas com o o argumento de "é inveja" naquele tom de porteira abespinhada.

Eu explico: tornou-se comum que pessoas com alguma notoriedade (evito a expressão "figuras publicas" porque não estamos a falar nem de putativas estátuas nem de nomes de ruas ou de hospitais; muito longe disso) venham dizer, ou mandem dizer, ou incitem que se diga, perante criticas que lhes sejam feitas, que as mesmas são apenas fruto desse mal que assola gerações de genes tugas - a inveja. 

E, pronto, isto maça-me. Primeiro porque que se bate na tecla de um pecado do repositório cristão, coisa da qual não nos conseguimos livrar. Segundo, porque é de um facilitismo atroz e é uma boa maneira de sacudir água do capote. 

De facto, é bem provável, que a coisa se aplique em algumas situações mas ó minha boa gente, sejamos sinceros, se estão no "olho do furacão" por força das circunstâncias (e por norma, V. Exmas. querem estar exactamente aí), é normal que as vossas opiniões, afirmações, modos de estar, o que dizem, escrevem, falam, espirram, possa ser alvo de critica. E? Qual é o mal? Onde está a gravidade da critica? Desde que não seja ofensiva nem caluniosa, claro está! 

E porque raio uma diferença de opinião significa inveja do sucesso de outrem? É um mundo um bocadinho triste e limitado em termos de perspectiva, não? E altamente umbiguista, I'll say. Tipo, comigo ou contra mim. 

É curioso que estas acusações de "inveja" nunca provenham de pessoas que se destacam pelos feitos científicos, académicos, humanitários, empresariais. Alguém vê, sei lá, a Isabel Jonnet a queixar-se que é alvo de invejas? E se há pessoa que representa sucesso é ela. Ou acham que o sucesso se mede só pelo numero de pares de sapatos que se tem no closet ou pelos carros estacionados na garagem?

Cresçam mas é. 

Comentários

Mensagens populares deste blogue

gaja à beira da loucura

Isto pode paracer a demência absoluta mas já estou por tudo. A Alexandra Solnado (isso mesmo, este post vai por esse caminho...) dizia numa entrevista, há umas semanas, ao promover o seu mais recente "livro" que a maioria das pessoas que lhe aparecem para consultas, são pessoas doentes - jura?!
Agora, a sério, as pessoas padecem de doenças fisicas e, no seu desespero, que nem é discutivel porque cada um saberá o que se sente quando se chega a esse patamar, procuram ajuda ou conforto no projecto da Alexandra Solnado (é assim que se chama). Posto isto, explicava a Alexandra Solnado que as doenças são, não obstante, reflexos de outros problemas mais antigos ou e a outros níveis. Não me recordo dos exemplos que ela dava mas era algo como pessoas que tinham tido muitos desgostos e uma vida marcada pela tristeza, desenvolviam uma doença grave em especifico, localizada numa área do corpo em particular. 
Ora, e dando o beneficio da duvida a esta teoria (pois que temos a perder?), gosta…

Inesperadamente, a semana passada

Uns dias bons.
O  25 de Abril. Comer caracóis, os primeiros deste ano. Passear e trabalhar no Porto, deambular nos Clérigos. Diariamente, sessões de The Newsroom e Melhor do Que Falecer. O Pedro Mexia e os ferrinhos na emissão especial do Governo Sombra (e a banda sonora e a Manuela Azevedo e as citações certeiras de Salazar bem seleccionadas por Ricardo Araujo Pereira). O Benfica, tão grande! Opá, o Benfica ❤️

A importância de se chamar Candidato

Numa altura em que as empresas recorrem cada vez mais às redes sociais para procurar candidatos a postos de trabalho (89%) e que 65% por cento é bem-sucedida, conseguindo contratações satisfatórias (Fonte: PR Comunicácion) convinha que as empresas de recrutamento e de executive search pensassem um bocadinho mais sobre o seu modus operandi.


Falo por experiência, por conhecimento e por não ter conseguido efectivar mudanças. 

O headhunter da velha guarda, armado em doutrina maquiavélica, que nunca leu, perspectiva o candidato como um meio para atingir um fim: facturar.  O candidato só serve enquanto servir os interesses do projecto. A satisfação do cliente é posta à frente de tudo e todos. Esta sobranceira linha de raciocínio,  a frio, tem alguma razão de ser. Quem paga as contas são os clientes. Como metodologia, é um erro crasso.
Num mercado concorrencial, um factor claramente diferenciador é a relação que se estabelece entre um consultor e os seus candidatos, pelo menos com aqueles que a…