Avançar para o conteúdo principal

coisas que me fascinam...

Este é daqueles temas que quando eu falo tenho a distinta sensação de que as pessoas com quem esteja a falar, sejam homens ou mulheres, novos ou seniores, olham para mim com comiseração do "tadinha, é solteira..."

Mas asseguro-vos que os meus neurónios que, seguramente serão mais que 2, não conseguem ao fim de 36 anos de vida perceber o porquê de "isto" ainda acontecer. Ultrapassa-me, é-me incompreensível e, sinceramente, não encaixo.

As mulheres, por todo o mundo, com maior ou menor expressão, com maior ou menor igualdade de oportunidades, invadiram o mercado de trabalho, chegam a cargos de topo, desempenham funções de alto nível nos órgãos políticos, judiciais e militares dos seus países, estão em maioria nas universidades e com resultados académicos claramente mais relevantes. As mulheres decidem se querem filhos, ou quando os querem. 

Decidem se querem mais mamas, menos rabo, mais cabelo, ou cabelo de outra cor. 

As mulheres saem de casa dos pais, compram casa e vivem sozinhas. Viajam sozinhas, conduzem SUVs que quase parecem mini-TIRs. 

Saltam de para quedas por divertimento, saem à noite em grupo e seduzem estranhos para one night stand. Vão a sex shops e têm mais do que um vibrador, como quem tem mais do que um telemóvel. As mulheres experimentam com outras mulheres, com homens mais novos, com homens mais velhos, com homens que amam muito. 

As mulheres, tenham a idade que tenham, saem à rua, seguras de si, de calções curtos; de saltos altos que desafiam as leis físicas; de leggins justas; e camisolas com suaves decotes. Ou então saem com meia dúzia de trapos mal amanhados que misturam sem grande lógica nem grande preocupação.

As mulheres levantam-se cedo, dão de comer aos filhos, levam-nos à escola, vão ao ginásio, trabalham horas a fio, vão à massagem, à manicura, ou ao médico das crianças, voltam a casa para tratar do jantar, aninhar os lençóis aos pequenos e apreciar ou o silencio ou o mais-que-tudo. Ou então são workaholics de Blackberry colado à mão e trolley sempre pronto para entrar num avião.

As mulheres fazem isto tudo. São isto tudo. 

E quando optam / decidem / escolhem casar, mesmo assim, põem o apelido do marido no Cartão de Cidadão, como se fossem um vitelo borrego a ser marcado. Em quê esse apelido extra de possessão ainda é necessário como sinal de estatuto ou elemento distintivo de ser "alguém"?  

Ao fim de anos, décadas, séculos, porquê? 

Comentários

Rubi disse…
Posso concordar a 200%?!!!! A sério, é como dizem, desistem do nome do pai para colocarem o do sogro. Eu não fui nessa, never!
Rubi disse…
Dás licença que divulgue o texto, obviamente fazendo referência ao blogue?
Mónica disse…
Cara Rubi, divulgai! É uma modesta opiniao contra corrente!
Limited Edition disse…
concordo e foi por isso mesmo que não adoptei o apelido do meu (recente) marido. nem nunca o faria, em circunstância alguma. quanto muito ficaríamos os dois com o apelido um do outro, parece-me mais justo.
Mónica disse…
Limited EDITION, nesse caso, dupla reciprocidade, consigo aceitar. Não sei sel o faria mas acho equilibrado, vá! Eu sou pessoa tolerante mas este é daqueles temas que juro que vire pelo prisma que vire não consigo encontrar ponta de logica
Sei que pode soar insulto a 90% das mulheres que eu conheço mas não entendo qual o nexo desta coisa

Mensagens populares deste blogue

Da alegria

Gosto desses olhos que se iluminam e que pausam em mim como se nada mais existisse naquele longo momento. Esse olhar decidido, seguro, revelador de um modo de estar ciente do que se quer e descomplicado.
Fazes-me rir. Como se o mundo fosse fácil. Como se salvar-me das trevas não fosse uma missão mas sim manter-me saciada, livre, às gargalhadas, serena e em silencio, a ler com as pernas esticadas sobre ti.

Gosto das madrugadas de surf, mesmo ao frio. Dos beijos salgados e daquele teu cheiro misturado com água gelada. O cheiro que ainda hoje me faz ficar apreensiva, receosa, quando acordo a meio da noite e te ouço a respirar devagarinho e aquele cheiro está encostado a mim. E como aquele cheiro me apareceu e inundou de alegria.

A importância de se chamar Candidato

Numa altura em que as empresas recorrem cada vez mais às redes sociais para procurar candidatos a postos de trabalho (89%) e que 65% por cento é bem-sucedida, conseguindo contratações satisfatórias (Fonte: PR Comunicácion) convinha que as empresas de recrutamento e de executive search pensassem um bocadinho mais sobre o seu modus operandi.


Falo por experiência, por conhecimento e por não ter conseguido efectivar mudanças. 

O headhunter da velha guarda, armado em doutrina maquiavélica, que nunca leu, perspectiva o candidato como um meio para atingir um fim: facturar.  O candidato só serve enquanto servir os interesses do projecto. A satisfação do cliente é posta à frente de tudo e todos. Esta sobranceira linha de raciocínio,  a frio, tem alguma razão de ser. Quem paga as contas são os clientes. Como metodologia, é um erro crasso.
Num mercado concorrencial, um factor claramente diferenciador é a relação que se estabelece entre um consultor e os seus candidatos, pelo menos com aqueles que a…

I shine

Kiss me before you break my heart. There is still room to be damaged for every breath I take on myself and for myself. I regain confidence on me on every touch of you, even those that will be lost. 
The shivers running down on my spine awaken me and allow me to make you feel stronger, bolder, in love with life. 
I expand my senses while you will torn my world apart. We are under the same sky but I am meant to be a trail of light rather than a guiding star. 
I will burn your soul and you will break my heart. Yet I shine. So, kiss me and let's pretend.