Avançar para o conteúdo principal

Crónica de uma Loucura Anunciada ≠ 5

1. Tentam enganar-nos com a putativa redução despesa publica, mas a CP vai ter 7 carros novos na frota. 2. Os juízes, que aplicam a já de si intrincada, complexa e arcaica justiça, advogam que há mínimos salariais abaixo dos quais é-lhes justificável ser corruptos. 3. Marcelo Rebelo de Sousa tem a derradeira ego trip e faz um videoclip confrangedor para exibição na Alemanha (tenho vergonha só de pensar em quem possa ter visto aquilo) e ainda acha que há "excesso de zelo" germânico (fora da grelha de programação TVI é a chamada noção de ridículo). 4. O pais agita-se em indignação pelas questiunculas entre os seres braindead que habitam numa cada fechada e animam os serões dos pobres de espírito que consomem este peep-show. Mais sorte ser puta e honrada do que ser audiência de baixo nível. 5. O Sporting já ganha (!!!) mas numa gestão de equipas que se queira efectiva, a chegada do seu novo treinador, nas manifestações demonstradas para o exterior, é pautada por atitudes pouco adequadas, sobretudo no contexto em causa, to say the least. 6. Há um triste azeiteiro que juntou as orelhas à cabeça e está feliz por isso; ainda bem, o espaço ocupado entre as orelhas sentir-se-á agora menos solitário e fará menos eco; é cozy. 7. Portugal é o país em que se destila ódio, com a rapidez do vento e da falta de discernimento, porque há ignorância - ignora-se o conceito da metáfora e de como "bife" pode ser uma analogia. 8. Quem quer fazer politica pela diferença não pode só afirmar-se diferente porque anda de transportes, ou recusa subvenções: dizer que solidariedade ou acção social é "caridadezinha" é coisa "de fatos" e "tias de Cascais" para se manterem ocupados a fazer favores aos pobres e mantê-los nessa categoria é estupidez em estado puro de quem nunca levantou o cu para ajudar quem precisa, quem anda a raspar o couro no Bairro Alto, cerveja numa mão, charro noutra a vomitar demagogia; o BE nunca vai chegar a lado algum a sua noção de sociedade limita-se à Pensão Amor, ao Adamastor e aos sindicatos. 9. Por este caminho, Relvas nem conduzir, de facto, pode; apenas aqueles carrinhos tipo eléctricos para quem tem a 4ª classe. 10. Pobres, á deriva, na falência emocional colectiva, à beira da psicose, mas jamais ficar atrás dos outros: também temos as nossas Sombras de Grey, neste caso do Daniel V., para aquecer os motores das sopeiras tugas. Fodidos, por fodidos ... SIGA!

Comentários

Mensagens populares deste blogue

gaja à beira da loucura

Isto pode paracer a demência absoluta mas já estou por tudo. A Alexandra Solnado (isso mesmo, este post vai por esse caminho...) dizia numa entrevista, há umas semanas, ao promover o seu mais recente "livro" que a maioria das pessoas que lhe aparecem para consultas, são pessoas doentes - jura?!
Agora, a sério, as pessoas padecem de doenças fisicas e, no seu desespero, que nem é discutivel porque cada um saberá o que se sente quando se chega a esse patamar, procuram ajuda ou conforto no projecto da Alexandra Solnado (é assim que se chama). Posto isto, explicava a Alexandra Solnado que as doenças são, não obstante, reflexos de outros problemas mais antigos ou e a outros níveis. Não me recordo dos exemplos que ela dava mas era algo como pessoas que tinham tido muitos desgostos e uma vida marcada pela tristeza, desenvolviam uma doença grave em especifico, localizada numa área do corpo em particular. 
Ora, e dando o beneficio da duvida a esta teoria (pois que temos a perder?), gosta…

Inesperadamente, a semana passada

Uns dias bons.
O  25 de Abril. Comer caracóis, os primeiros deste ano. Passear e trabalhar no Porto, deambular nos Clérigos. Diariamente, sessões de The Newsroom e Melhor do Que Falecer. O Pedro Mexia e os ferrinhos na emissão especial do Governo Sombra (e a banda sonora e a Manuela Azevedo e as citações certeiras de Salazar bem seleccionadas por Ricardo Araujo Pereira). O Benfica, tão grande! Opá, o Benfica ❤️

A importância de se chamar Candidato

Numa altura em que as empresas recorrem cada vez mais às redes sociais para procurar candidatos a postos de trabalho (89%) e que 65% por cento é bem-sucedida, conseguindo contratações satisfatórias (Fonte: PR Comunicácion) convinha que as empresas de recrutamento e de executive search pensassem um bocadinho mais sobre o seu modus operandi.


Falo por experiência, por conhecimento e por não ter conseguido efectivar mudanças. 

O headhunter da velha guarda, armado em doutrina maquiavélica, que nunca leu, perspectiva o candidato como um meio para atingir um fim: facturar.  O candidato só serve enquanto servir os interesses do projecto. A satisfação do cliente é posta à frente de tudo e todos. Esta sobranceira linha de raciocínio,  a frio, tem alguma razão de ser. Quem paga as contas são os clientes. Como metodologia, é um erro crasso.
Num mercado concorrencial, um factor claramente diferenciador é a relação que se estabelece entre um consultor e os seus candidatos, pelo menos com aqueles que a…