Avançar para o conteúdo principal

são dias estranhos


Outro dia estava a ouvir num seminário motivacional que a loucura, nos dias que correm, é salutar e bem-vinda como força anímica para nos fazer aguentar estar onda depressiva que assola o país. 

Mercúrio anda retrógrado dizem os entendidos. Deve ser. Só pode ser. 

Hoje li umas declarações, a titulo informal, ou de registo pessoal, de uma pessoa que costuma comentar temas políticos nos media, e o desabafo era: isto em menos de um ano vai dar merda da grossa. Vai ser a derrocada, a decadência, bom, o colapso total. E nem sequer era em tom demagógico ou catastrófico; era uma assumpção de um facto - é assim que vai ser. 

Preparemo-nos: o nosso mundo (não daqueles que associados aos grupos de interesse que estão a beneficiar com terem conseguido eleger um testa de ferra - Relvas - e um bom 2ª linha, Passos Coelho; mas o do comum dos mortais) está em mudança drástica mas vai evoluir, e rapidamente, para a hecatombe. Eu ouço, amiúde, esta pessoa opinar e apesar dos receios que já partilhou perante os riscos de médio prazo, inerentes à tomada de determinadas decisões governamentais, nunca publicamente assumiu um postura tão derrotista de take shelter.


Surpreende? Não. Não temos nem governo nem lideres políticos à altura do que desafio que temos pela frente e, pior, o caminho tem sido tão desastroso que a tendência é mesmo afundar. 

Por um lado, o espirito que nos obriga a manter a lucidez e a levantar todos os dias para continuar a levar para frente faz uma espécie de denial. Ou isso, ou tudo perde de facto sentido e mais vale ou fazer a trouxa ou ficar na cama a olhar para o tecto à espera do fim. Por outro lado, a nossa cultura sebastiânica faz muitos acreditar que ainda virá alguém in extremis salvar a coisa e vamos voltar num instantinho aos plasmas, às viagens, à carrinha Laguna para uma família de 3. Uhm... receio que não!

Gerir o dia a dia neste contexto, por muita boa disposição que se tenha, custa. 

Há sempre qualquer coisa que faz curto circuito, sejam: 

- os rumores que no pós eleições americanas, a divida publica dos EUA vai estourar e vai ser o descalabro; 

- o caso de alguém que se conhece que precisa de fazer tratamento médico grave e encontra entraves (depois de saber que um amigo com cancro, andou às bolandas entre o IPO - que lhe recusou tratamento pelos custos - e o Hospital da sua área de residência, onde obrigaram a fazer todo o processo de identificação da doença, que já havia sido feito num hospital privado, adiando o inicio do tratamento durante 6 meses, e muitas vezes chegava às sessões e vinha para casa porque não havia medicação... bem, apesar de ter seguro de saúde da empresa, mantive o seguro que já tinha!); 

- os juízes a queixar-se que se ganham pouco poderão ser corruptos (quão baixo se pode ser?);

- as histórias de abandonos de animais, aceleradas pelos cortes orçamentais domésticos e com rituais de malvadez; 

- a podre história da não licenciatura do Relvas, insultuosa até mais não, mas que não abana, não afecta, nada aquele couraça pestilenta; 

- as lojas que conhecemos há anos, que num dia encerram e mais uns quantos vão para a incógnita fila do centro de emprego; 

- os fornecedores que (quiçá esmagados pela redução do numero de pessoas nas suas estruturas - ?!) não conseguem dar resposta às solicitações nem em tempo útil nem nas fronteiras do bom senso, obrigando a um esforço grande em termos laborais para negociar internamente novos prazos e lidar com o que é, de facto, a ineficiência que grassa no país.  


E os "acidentes" da vida, aqueles que podem acontecer a qualquer momento, ganham proporções disruptivas nos dias pesados que vivemos. Sejam as doenças, as separações, as mudanças de país, as novas relações, uma gravidez inesperada. Tudo é vivido com emoções ainda mais complexas do que o costume. 

E o desgaste é grande. Entre manter a sanidade com o grau de loucura recomendável, não esmorecer perante os golpes, não perder o pé, não acumular fúria ao ponto do assassinato e ainda rir para espantar os espíritos negativos, há um cansaço acumulado e uma descrença global contra os quais se torna muito difícil lutar com animo. 

Como vai ser?




Comentários

Mensagens populares deste blogue

A importância de se chamar Candidato

Numa altura em que as empresas recorrem cada vez mais às redes sociais para procurar candidatos a postos de trabalho (89%) e que 65% por cento é bem-sucedida, conseguindo contratações satisfatórias (Fonte: PR Comunicácion) convinha que as empresas de recrutamento e de executive search pensassem um bocadinho mais sobre o seu modus operandi.


Falo por experiência, por conhecimento e por não ter conseguido efectivar mudanças. 

O headhunter da velha guarda, armado em doutrina maquiavélica, que nunca leu, perspectiva o candidato como um meio para atingir um fim: facturar.  O candidato só serve enquanto servir os interesses do projecto. A satisfação do cliente é posta à frente de tudo e todos. Esta sobranceira linha de raciocínio,  a frio, tem alguma razão de ser. Quem paga as contas são os clientes. Como metodologia, é um erro crasso.
Num mercado concorrencial, um factor claramente diferenciador é a relação que se estabelece entre um consultor e os seus candidatos, pelo menos com aqueles que a…

Da alegria

Gosto desses olhos que se iluminam e que pausam em mim como se nada mais existisse naquele longo momento. Esse olhar decidido, seguro, revelador de um modo de estar ciente do que se quer e descomplicado.
Fazes-me rir. Como se o mundo fosse fácil. Como se salvar-me das trevas não fosse uma missão mas sim manter-me saciada, livre, às gargalhadas, serena e em silencio, a ler com as pernas esticadas sobre ti.

Gosto das madrugadas de surf, mesmo ao frio. Dos beijos salgados e daquele teu cheiro misturado com água gelada. O cheiro que ainda hoje me faz ficar apreensiva, receosa, quando acordo a meio da noite e te ouço a respirar devagarinho e aquele cheiro está encostado a mim. E como aquele cheiro me apareceu e inundou de alegria.

I shine

Kiss me before you break my heart. There is still room to be damaged for every breath I take on myself and for myself. I regain confidence on me on every touch of you, even those that will be lost. 
The shivers running down on my spine awaken me and allow me to make you feel stronger, bolder, in love with life. 
I expand my senses while you will torn my world apart. We are under the same sky but I am meant to be a trail of light rather than a guiding star. 
I will burn your soul and you will break my heart. Yet I shine. So, kiss me and let's pretend.