Avançar para o conteúdo principal

são dias estranhos


Outro dia estava a ouvir num seminário motivacional que a loucura, nos dias que correm, é salutar e bem-vinda como força anímica para nos fazer aguentar estar onda depressiva que assola o país. 

Mercúrio anda retrógrado dizem os entendidos. Deve ser. Só pode ser. 

Hoje li umas declarações, a titulo informal, ou de registo pessoal, de uma pessoa que costuma comentar temas políticos nos media, e o desabafo era: isto em menos de um ano vai dar merda da grossa. Vai ser a derrocada, a decadência, bom, o colapso total. E nem sequer era em tom demagógico ou catastrófico; era uma assumpção de um facto - é assim que vai ser. 

Preparemo-nos: o nosso mundo (não daqueles que associados aos grupos de interesse que estão a beneficiar com terem conseguido eleger um testa de ferra - Relvas - e um bom 2ª linha, Passos Coelho; mas o do comum dos mortais) está em mudança drástica mas vai evoluir, e rapidamente, para a hecatombe. Eu ouço, amiúde, esta pessoa opinar e apesar dos receios que já partilhou perante os riscos de médio prazo, inerentes à tomada de determinadas decisões governamentais, nunca publicamente assumiu um postura tão derrotista de take shelter.


Surpreende? Não. Não temos nem governo nem lideres políticos à altura do que desafio que temos pela frente e, pior, o caminho tem sido tão desastroso que a tendência é mesmo afundar. 

Por um lado, o espirito que nos obriga a manter a lucidez e a levantar todos os dias para continuar a levar para frente faz uma espécie de denial. Ou isso, ou tudo perde de facto sentido e mais vale ou fazer a trouxa ou ficar na cama a olhar para o tecto à espera do fim. Por outro lado, a nossa cultura sebastiânica faz muitos acreditar que ainda virá alguém in extremis salvar a coisa e vamos voltar num instantinho aos plasmas, às viagens, à carrinha Laguna para uma família de 3. Uhm... receio que não!

Gerir o dia a dia neste contexto, por muita boa disposição que se tenha, custa. 

Há sempre qualquer coisa que faz curto circuito, sejam: 

- os rumores que no pós eleições americanas, a divida publica dos EUA vai estourar e vai ser o descalabro; 

- o caso de alguém que se conhece que precisa de fazer tratamento médico grave e encontra entraves (depois de saber que um amigo com cancro, andou às bolandas entre o IPO - que lhe recusou tratamento pelos custos - e o Hospital da sua área de residência, onde obrigaram a fazer todo o processo de identificação da doença, que já havia sido feito num hospital privado, adiando o inicio do tratamento durante 6 meses, e muitas vezes chegava às sessões e vinha para casa porque não havia medicação... bem, apesar de ter seguro de saúde da empresa, mantive o seguro que já tinha!); 

- os juízes a queixar-se que se ganham pouco poderão ser corruptos (quão baixo se pode ser?);

- as histórias de abandonos de animais, aceleradas pelos cortes orçamentais domésticos e com rituais de malvadez; 

- a podre história da não licenciatura do Relvas, insultuosa até mais não, mas que não abana, não afecta, nada aquele couraça pestilenta; 

- as lojas que conhecemos há anos, que num dia encerram e mais uns quantos vão para a incógnita fila do centro de emprego; 

- os fornecedores que (quiçá esmagados pela redução do numero de pessoas nas suas estruturas - ?!) não conseguem dar resposta às solicitações nem em tempo útil nem nas fronteiras do bom senso, obrigando a um esforço grande em termos laborais para negociar internamente novos prazos e lidar com o que é, de facto, a ineficiência que grassa no país.  


E os "acidentes" da vida, aqueles que podem acontecer a qualquer momento, ganham proporções disruptivas nos dias pesados que vivemos. Sejam as doenças, as separações, as mudanças de país, as novas relações, uma gravidez inesperada. Tudo é vivido com emoções ainda mais complexas do que o costume. 

E o desgaste é grande. Entre manter a sanidade com o grau de loucura recomendável, não esmorecer perante os golpes, não perder o pé, não acumular fúria ao ponto do assassinato e ainda rir para espantar os espíritos negativos, há um cansaço acumulado e uma descrença global contra os quais se torna muito difícil lutar com animo. 

Como vai ser?




Comentários

Mensagens populares deste blogue

Do arrebatamento

O vestido caiu facilmente. Estava apenas preso pelas alças nos ombros magros e deslizou com vontade declarada pelo corpo, até ao chão, enquanto ela acendia uma única luz de presença.

Beijou-lhe o ventre. Sentiu-o a tremer. Antecipação. Expectativa. Sentia-lhe o calor sem sequer tocar. Era como uma fonte inesgotável de desejo prestes a desmoronar-se com um toque. Os dedos enfiaram-se entre a pele e a linha das cuecas de renda fazendo-as sair com mestria. Estava liberta, da máscara de tecidos, não das demais camadas de protecção. Tal não a impedia de arfar baixinho e com satisfação sob um rosto que perdia vergonha a cada caída da cabeça para trás.


Nua, encostada à parede fria, costas arqueadas, totalmente exposta viu-a a desmontar-se com cuidado ao primeiro beijo que se colou à boca como dali não houvera saída. Era intenso, forte, penetrante o modo como ela o arrastava para si com a língua e uma perna em torno da cintura.


Todo aquele momento era primário, selvagem, sem travões ainda que, e…

Das razões

Quero-te pela desarrumação incompreensível que somos. Quero-te pela forma como me procuras à noite na cama, ainda a dormir, de modo instintivo, apenas para te recostares do mundo e amaciares no meu calor. Quero-te (tanto) quando sais do mar, feliz e salgado, qual criança livre agarrado à prancha como se fosse o teu bem mais precioso, a tua melhor amiga, a porta para o teu refúgio. Quero-te pelos beijos inesperados, lentos, que invadem qual descarga eléctrica, e afirmam sem hesitações desejo e amor. Quero-te pela forma como te afundas num livro e tudo à volta entra em pause-still e, mesmo assim, de repente tocas-me no joelho, no cabelo, dás-me a mão. Quero-te porque sei que acreditas em mim e não me questionas, crês que posso mudar o mundo. Quero-te pela tesão, confiança, cumplicidade e pelas saudades que temos, ainda, sempre, um do outro. Quero-te por te rires quando começo a cantar músicas que gosto e ouço a tocar, esteja onde esteja. Quero-te por dançarmos na rua se preciso entre ga…

Dos maldiitos

via boudoir photography

Agora acordo com mensagens que iluminam o telemóvel e em que dás conta de como pensas em mim antes de dormir. E que o queres partilhar comigo porque agora sentes saudades minhas. Agora recebo telefonemas sem hora nem expectativa e a voz é meiga e quente. Não ouço nada do que dizes, as palavras apenas são ditas mas há muito que já não têm peso ou impacto.
Antes foi a indecisão. O jogo dos que não se comprometem, que querem atalhos facilitados para um espaço confortável de repouso, salvação emocional momentânea, ilusão de pertença. Egoísta forma de ser que suga o querer dos outros para se sustentar, para sentir uma rede rápida de carinho e abraço mas que reclama para si a indisponibilidade de reciprocidade. Para quê? Se vos é dado grátis um sentimento para que serve o esforço de lutar por ele, qual o propósito de envolvimento, de estar, dar a mão, partilhar silêncios e perder a possibilidade de ter mais e mais, melhor, diferente, sempre mais, outras.
Era assim, ante…