Avançar para o conteúdo principal

o charme (pouco) discreto da burguesia

Sempre me atirei para o beta. 

Nunca tive problemas com isso. 

Os outros, sim, tinham imenso problemas com as sweats das Amarras, as calças da Benetton e da El Charro, as mochilas Chevignon Girl, as camisolas em V da Burberry ou com o meu Barbour (18 anos depois, still bombing, ó ignorantes!), o fio de prata, bom... enfim!

Sempre me afectou um pepino, assim a modos como dizem os espanhóis.

Não foi preciso ter 30 anos, ou filhos, ou um T4, ou um monuvolume (tudo coisinhas que o tuga gosta ... não as crianças, note-se, que não são coisas, ok?) para advogar que se tivesse filhos os trataria por "você". E? Os meus pais tratavam os meus avós assim. Pelo meio descarrilaram no frenesim do 25 de Abril. Não fui mais mal educada por isso é certo, mas nos tempos que correm (e já corriam quando há 20 anos pensava da mesma maneira), o meu pensamento alinha-se por outro diapasão. Nada contra os meus pais, mas eu penso de outra maneira. Também não foi preciso ser moda e até os jogadores de futebol chamarem "Maria" aos descendentes para saber exactamente que nomes me dariam na gana.

E sempre tive orientação de esquerda como filosofia central de vida. Não quer dizer que não subscreva determinados pontos politicos da ideologia mais centro-direita mas em rigor sou de esquerda. Isso nunca me impediu de criticar a(s) esquerda(s) quando não me revejo nela(s). 

O que é curioso é que apesar de achar que sou das pessoas menos lineares que conheço, e mais claramente atropeladas pelo planeta, tenho pra' mim que sou bastante coerente nos meus cambiantes. Não mudei assim muito ao longo dos anos. 

Perdi inocência, joie de vivre e passei a ser mais bruta mas grosso modo sinto-me a mesma; e bastante contente quando penso que pessoas que há 15 anos se me vissem à porta da Kapital me chamariam de beta fútil para baixo, pessoas que apregoavam o ideal comunista  (e não é contra este que teço o comentário, atenção, que fique bem claro!) como se fosse um fim absoluto, que viviam na bolha hippie como se a roupa tivesse que ser comprada na Feira da Ladra ou a morte e os filmes somente franceses, polacos, romenos, quanto menos perceptíveis melhor; essas mesmas pessoas vibram em histeria com o Mini Ipad. Delicioso, não?

Quando um jovem revolucionário de esquerda "pura" dá nome de forcado ao filho... I'll die, citando a Rachel Zoe. 




Comentários

Mary disse…
Haveria tanto mas TANTO para dizer sobre estas idiossincracias...!

Mensagens populares deste blogue

A importância de se chamar Candidato

Numa altura em que as empresas recorrem cada vez mais às redes sociais para procurar candidatos a postos de trabalho (89%) e que 65% por cento é bem-sucedida, conseguindo contratações satisfatórias (Fonte: PR Comunicácion) convinha que as empresas de recrutamento e de executive search pensassem um bocadinho mais sobre o seu modus operandi.


Falo por experiência, por conhecimento e por não ter conseguido efectivar mudanças. 

O headhunter da velha guarda, armado em doutrina maquiavélica, que nunca leu, perspectiva o candidato como um meio para atingir um fim: facturar.  O candidato só serve enquanto servir os interesses do projecto. A satisfação do cliente é posta à frente de tudo e todos. Esta sobranceira linha de raciocínio,  a frio, tem alguma razão de ser. Quem paga as contas são os clientes. Como metodologia, é um erro crasso.
Num mercado concorrencial, um factor claramente diferenciador é a relação que se estabelece entre um consultor e os seus candidatos, pelo menos com aqueles que a…

gaja à beira da loucura

Isto pode paracer a demência absoluta mas já estou por tudo. A Alexandra Solnado (isso mesmo, este post vai por esse caminho...) dizia numa entrevista, há umas semanas, ao promover o seu mais recente "livro" que a maioria das pessoas que lhe aparecem para consultas, são pessoas doentes - jura?!
Agora, a sério, as pessoas padecem de doenças fisicas e, no seu desespero, que nem é discutivel porque cada um saberá o que se sente quando se chega a esse patamar, procuram ajuda ou conforto no projecto da Alexandra Solnado (é assim que se chama). Posto isto, explicava a Alexandra Solnado que as doenças são, não obstante, reflexos de outros problemas mais antigos ou e a outros níveis. Não me recordo dos exemplos que ela dava mas era algo como pessoas que tinham tido muitos desgostos e uma vida marcada pela tristeza, desenvolviam uma doença grave em especifico, localizada numa área do corpo em particular. 
Ora, e dando o beneficio da duvida a esta teoria (pois que temos a perder?), gosta…

Inesperadamente, a semana passada

Uns dias bons.
O  25 de Abril. Comer caracóis, os primeiros deste ano. Passear e trabalhar no Porto, deambular nos Clérigos. Diariamente, sessões de The Newsroom e Melhor do Que Falecer. O Pedro Mexia e os ferrinhos na emissão especial do Governo Sombra (e a banda sonora e a Manuela Azevedo e as citações certeiras de Salazar bem seleccionadas por Ricardo Araujo Pereira). O Benfica, tão grande! Opá, o Benfica ❤️