Avançar para o conteúdo principal

Total devaneio

Estou profundamente convencida que o touro que invadiu o hospital em Vila Real ia fugido às gentes da SIC, com muito medinho e na confusão galgou o hospital como se fosse uma igreja em busca de guarida sagrada. Que querem, é um touro! A troca até é compreensível. 

Não que tenha visto a experiência televisiva da SIC. Não vi, não surfei, não zappei, nada. Não vejo tv generalista, nem hoje, nem há um mês, nem há uns dois anos nem certamente nos próximos 1.825 dias. À falta de cabo, há música, livros, silencio, banho imersão. Não é cagança. É assim mesmo. Também não suporto brócolos, logo não os como e não tenho curiosidade em vê-los cozinhar, prová-los, cheirá-los, decorar o prato com eles. Voltando ao touro frio... Não tendo visto, pelo que soube, apesar de ser de uma estupidez gritante e da ausência de massa encefálica associada, à semelhança do vazio dos big brothers ou das casas dos famosos (?), teve audiências. 

Agora, digam-me, espantamo-nos assim tanto com esta maravilha de demissões, nomeações de ministras com lastro de toxicidade, governos nos quais não se percebe quem ainda é quem, negociações de salvação nacional que são "apenas" diálogos, a capacidade de Portas ir mais além ao tentar remodelar a Enciclopédia Portuguesa com as mudanças de conceito e, em simultâneo, lançar-nos em guerra com o Evo, fazer-de-agente-imobiliário-de-escritórios-de-alto-luxo-para-cargos-que-não-se-tem... Ufa! A serio, alguma surpresa? 

É que não me lixem... Ninguém que eu conheço que vê ou admite ter "dado uma vista de olhos" nos BB, no Splash ou na coisa dos touros, é classe C ou D. Aliás ou têm horror a povo ou estão em negação de que vieram do povo porque são muita finos, agora. Mas quando pensamos nestes programas é nas pessoas menos cultas ou com menos opções sócio-económicas que pensamos. Vai-se a ver a acefalia é transversal. Vai também dai, e o mistério deste pais reside onde, mesmo? 

E percebe-se como aquele desgraçado correu, correu, correu, sob 50º nos EUA, 270km, qual Forrest Gump. E ganhou. Com os fantasmas e a raiva que temos para exorcizar de viver nesta esquizofrenia e com a moleirinha toda frita do sol e do desnível, o homem entrou em loop non-stop

Carlos Sá é o meu herói. Não porque soubesse sequer o que era a Badwater, ou porque goste de correr ou sequer porque goste de calor (mais de 25º e podem ligar o ar condicionado e trazer o açúcar porque a quebra de tensão vai começar a fazer estragos). Mas por isso tudo, por ser tão difícil... Caraças, e o homem papa-me aquilo. E tirando para uns quantos verdadeiros maníacos das corridas, Carlos Sá era um ilustre desconhecido que hoje é um exemplo de resistência, perseverança e de um sistema de auto refrigeração incluído. 

Isto vai ser uma loucura de ver quem corre e adora a projecção de dizer que corre, ou de poder escrever sobre isso, sobre a garrafinha de agua, os phones, os ténis, os hotéis onde ficam, a zona chique onde correm e moram, os kms que correm diariamente (faço 6,4 km diariamente de manha, e à tarde medidos numa aplicação chamada Carris... Mas alguém tem que ver isso plasmado no facebook? Get a life!), a tinta que levam nas trombas... E tanto trabalho, tanto dinheiro (vá, uns cravam quase tudo desde a roupa aos ténis à estadia) e vai um Carlos Sá arrebatar as luzes da ribalta. 

Próxima vaga de calor: Amareleja prepara-te, vais ser invadida por umas pessoas estranhas- "o meu reality show sou eu próprio". São giras, têm roupas catitas, muito Swarowski, muita alpercata, só comem sushi. Menos mal, assim os touros estão a salvo. 


Comentários

Mensagens populares deste blogue

Do arrebatamento

O vestido caiu facilmente. Estava apenas preso pelas alças nos ombros magros e deslizou com vontade declarada pelo corpo, até ao chão, enquanto ela acendia uma única luz de presença.

Beijou-lhe o ventre. Sentiu-o a tremer. Antecipação. Expectativa. Sentia-lhe o calor sem sequer tocar. Era como uma fonte inesgotável de desejo prestes a desmoronar-se com um toque. Os dedos enfiaram-se entre a pele e a linha das cuecas de renda fazendo-as sair com mestria. Estava liberta, da máscara de tecidos, não das demais camadas de protecção. Tal não a impedia de arfar baixinho e com satisfação sob um rosto que perdia vergonha a cada caída da cabeça para trás.


Nua, encostada à parede fria, costas arqueadas, totalmente exposta viu-a a desmontar-se com cuidado ao primeiro beijo que se colou à boca como dali não houvera saída. Era intenso, forte, penetrante o modo como ela o arrastava para si com a língua e uma perna em torno da cintura.


Todo aquele momento era primário, selvagem, sem travões ainda que, e…

Das razões

Quero-te pela desarrumação incompreensível que somos. Quero-te pela forma como me procuras à noite na cama, ainda a dormir, de modo instintivo, apenas para te recostares do mundo e amaciares no meu calor. Quero-te (tanto) quando sais do mar, feliz e salgado, qual criança livre agarrado à prancha como se fosse o teu bem mais precioso, a tua melhor amiga, a porta para o teu refúgio. Quero-te pelos beijos inesperados, lentos, que invadem qual descarga eléctrica, e afirmam sem hesitações desejo e amor. Quero-te pela forma como te afundas num livro e tudo à volta entra em pause-still e, mesmo assim, de repente tocas-me no joelho, no cabelo, dás-me a mão. Quero-te porque sei que acreditas em mim e não me questionas, crês que posso mudar o mundo. Quero-te pela tesão, confiança, cumplicidade e pelas saudades que temos, ainda, sempre, um do outro. Quero-te por te rires quando começo a cantar músicas que gosto e ouço a tocar, esteja onde esteja. Quero-te por dançarmos na rua se preciso entre ga…

Dos maldiitos

via boudoir photography

Agora acordo com mensagens que iluminam o telemóvel e em que dás conta de como pensas em mim antes de dormir. E que o queres partilhar comigo porque agora sentes saudades minhas. Agora recebo telefonemas sem hora nem expectativa e a voz é meiga e quente. Não ouço nada do que dizes, as palavras apenas são ditas mas há muito que já não têm peso ou impacto.
Antes foi a indecisão. O jogo dos que não se comprometem, que querem atalhos facilitados para um espaço confortável de repouso, salvação emocional momentânea, ilusão de pertença. Egoísta forma de ser que suga o querer dos outros para se sustentar, para sentir uma rede rápida de carinho e abraço mas que reclama para si a indisponibilidade de reciprocidade. Para quê? Se vos é dado grátis um sentimento para que serve o esforço de lutar por ele, qual o propósito de envolvimento, de estar, dar a mão, partilhar silêncios e perder a possibilidade de ter mais e mais, melhor, diferente, sempre mais, outras.
Era assim, ante…