Avançar para o conteúdo principal

Quem nasceu ...



... para pobrezinho, não chega a Espirito Santo. Factos são factos. 

Não vale a pena dissecar por aí além as declarações de Cristina Espirito Santo. Felizmente para uma larga maioria, na qual provavelmente ela não se incluirá, vivemos em democracia, e cada um de nós pode pensar e dizer o que lhe vai na mona. Por mais tonto, disparatado ou atroz. Não podemos assumir que a senhora, lá por ter nascido numa familia com dinheiro, tenha automaticamente desenvolvido conceitos como inteligência emocional ou solidariedade social. 

Sejamos honestos, a familia da senhora que com esta idade ainda recorda com saudade o "brincar aos pobrezinhos" (já se vê que o a destreza cognitiva ali não é um ponto forte), é uma familia de dinheiro. Não é uma familia com séculos de história, aristocrática, com raízes ligadas à história fundadora e constituinte do nosso pais. Não. O patriarca da familia, José Maria do Espirito Santo Silva, vendia lotarias, câmbios e títulos. Há desmérito nisso? Nenhum. Muito pelo contrario, foi um empreendedor à sua época que incutiu aos seus descendentes o gosto ... pelo dinheiro. Que, posteriormente, vieram a dispersar em outros interesses económicos, mas sempre com um tronco comum: dinheiro. Às vezes, menos cagança na imagem da familia não lhes ficava mal. Agem, olham para os demais com a sobranceria como se fossem herdeiros directos da Ínclita Geração. Menos, boa gente, menos. 

A Sra. Dona Cristina nasceu numa das famílias de referencia do núcleo tradicional do pais. Aprendeu a falar francês, estou certa, a usar os talheres correctos, a saber os nomes dos 237 primos, havia aulas de equitação, piano, ténis. Sabe como comer frugalmente de molde a ser elegante e não ter colesterol. E foi à catequese. Os ensinamentos católicos se não passam das frases longas e complexas da Bíblia, podem ser dose para pessoas que nem com muitos desenhos lá chegam. Quando não se entende a mensagem de base, deve ter sido do caraças explicar o respeito pelos outros ou a consciência social à bela da Cristina que se distraia rapidamente com a passagem dos mosquitos. 

As declarações que surgiram na reportagem não me chocaram, em bom rigor. Revelam apenas as coisas como são mas vistas à luz da insensibilidade de uma cabeça oca no pior momento para ter a sua deixa. E essa falta de percepção da realidade não lhe permitiu ter o recato, que a educação correcta de pessoas de facto bem educadas sabem ter, de não dizer tamanha tolice e neste contexto social. 

Mas que sirva de lição para os deslumbrados que descobriram a Comporta nos últimos 2 anos, que correm atrás de moda, que fingem achar os mosquitos uma coisa castiça  e que afoitos adorammmmmmmm encher a boca para dizer que vão para a Praia do Pego ou do Carvalhal e correr as redes sociais com fotografias do paraíso. Tudo muito mimimi, tudo muito Top, Top, mas não são bem-vindos, não são hippie-boho-chics

Agarrem-se ao pedestal para não cair e façam inveja ao vizinho, porque não são do clube, não passam de "povo".





Comentários

Cailin disse…
vi os blogues e o fb, que a cada dia que passa me chateia mais com coisas estupidas, a encherem-se disso. não entendo como é que o pessoal não entende que isto é só o deitar cá pra fora da realidade que vai na cabeça de mta gente igual a ela. é tipo a pepa! e pior do que os que conheceram a comporta nos ultimos dois anos, são os que conheceram mm só com esta notícia!
Falta de paciência para estes dramas sociais. Anda tudo com pouco que fazer, é o que é.

Mensagens populares deste blogue

Do arrebatamento

O vestido caiu facilmente. Estava apenas preso pelas alças nos ombros magros e deslizou com vontade declarada pelo corpo, até ao chão, enquanto ela acendia uma única luz de presença.

Beijou-lhe o ventre. Sentiu-o a tremer. Antecipação. Expectativa. Sentia-lhe o calor sem sequer tocar. Era como uma fonte inesgotável de desejo prestes a desmoronar-se com um toque. Os dedos enfiaram-se entre a pele e a linha das cuecas de renda fazendo-as sair com mestria. Estava liberta, da máscara de tecidos, não das demais camadas de protecção. Tal não a impedia de arfar baixinho e com satisfação sob um rosto que perdia vergonha a cada caída da cabeça para trás.


Nua, encostada à parede fria, costas arqueadas, totalmente exposta viu-a a desmontar-se com cuidado ao primeiro beijo que se colou à boca como dali não houvera saída. Era intenso, forte, penetrante o modo como ela o arrastava para si com a língua e uma perna em torno da cintura.


Todo aquele momento era primário, selvagem, sem travões ainda que, e…

Das razões

Quero-te pela desarrumação incompreensível que somos. Quero-te pela forma como me procuras à noite na cama, ainda a dormir, de modo instintivo, apenas para te recostares do mundo e amaciares no meu calor. Quero-te (tanto) quando sais do mar, feliz e salgado, qual criança livre agarrado à prancha como se fosse o teu bem mais precioso, a tua melhor amiga, a porta para o teu refúgio. Quero-te pelos beijos inesperados, lentos, que invadem qual descarga eléctrica, e afirmam sem hesitações desejo e amor. Quero-te pela forma como te afundas num livro e tudo à volta entra em pause-still e, mesmo assim, de repente tocas-me no joelho, no cabelo, dás-me a mão. Quero-te porque sei que acreditas em mim e não me questionas, crês que posso mudar o mundo. Quero-te pela tesão, confiança, cumplicidade e pelas saudades que temos, ainda, sempre, um do outro. Quero-te por te rires quando começo a cantar músicas que gosto e ouço a tocar, esteja onde esteja. Quero-te por dançarmos na rua se preciso entre ga…

Dos maldiitos

via boudoir photography

Agora acordo com mensagens que iluminam o telemóvel e em que dás conta de como pensas em mim antes de dormir. E que o queres partilhar comigo porque agora sentes saudades minhas. Agora recebo telefonemas sem hora nem expectativa e a voz é meiga e quente. Não ouço nada do que dizes, as palavras apenas são ditas mas há muito que já não têm peso ou impacto.
Antes foi a indecisão. O jogo dos que não se comprometem, que querem atalhos facilitados para um espaço confortável de repouso, salvação emocional momentânea, ilusão de pertença. Egoísta forma de ser que suga o querer dos outros para se sustentar, para sentir uma rede rápida de carinho e abraço mas que reclama para si a indisponibilidade de reciprocidade. Para quê? Se vos é dado grátis um sentimento para que serve o esforço de lutar por ele, qual o propósito de envolvimento, de estar, dar a mão, partilhar silêncios e perder a possibilidade de ter mais e mais, melhor, diferente, sempre mais, outras.
Era assim, ante…