Avançar para o conteúdo principal

Always walk alone



Nashville Temporada 1 - done!
25 Setembro, estreia temporada 2 nos states

Noutra encarnação, para a  qual já estou a trabalhar o meu karma, não me importava nada de voltar como a Connie Britton. Mas nada mesmo!







2013 tem sido o ano em que tudo me tem sido dito, comunicado, diagnosticado, o raio que o parta. 

Desta feita, retenção de líquidos. Bem posso beber 2 litros de água, ou chá até à exaustão, todo o santo dia, que o efeito benéfico ... chapéu! Só aos outros. Fica cá tudo dentro. Aparentemente nas zonas óbvias (e que óbvias, vê-se desde as sondas lunares e dos satélites do Google... que miséria) mas também... nos joelhos, onde temos concentração de gânglios linfáticos. 

Sem grande convicção nos resultados (juntar traços de personalidade como o cepticismo e o pessimismo numa mesma pessoa nunca dá boa coisa, NUNCA), mas seguindo recomendações de várias fontes, tenho andado a fazer tratamentos intensivos de drenagem linfática manual e cavitação que, quanto mais não seja, irão estimular a circulação.  

Não tem sido nada fácil, tenho levado muita tareia, isto nunca nada está perfeito, pois apesar de ser um mamute com cabelo, não sou flácida (ironias!) o que dificulta a coisa e torna tudo assim a modos que doloroso nas massagens de drenagem. Não obstante, a equipa da LX Clinique compensa em boa disposição, espírito positivo e tem sido desde o primeiro minuto muito  profissional e esclarecedora sobre o processo, sobre o que estamos a fazer, próximos passos, e é de uma animação que só visto. As instalações são óptimas e há momentos, raros (!), de relax.

Onde devia conseguir relaxar, até temos musiquinha zen, do mosteiro budista, mas é impossível, é no osteopata. Estava capaz de espetar as agulhas da acupuntura em várias pessoas. 

Inacreditável como as pessoas estão a fazer tratamentos em espaços individuais, mas adjacentes, num ambiente que se quer de descontracção, e não se calam. Pior, não se calam e falam num tom de voz como se estivessem num bar à pinha e tivessem que elevar os decibéis para se fazerem ouvir. Para agravar, os técnicos que os estão a tratar dão-lhe troco e estimulam o dialogo, no mesmo registo de volume. A certa altura não conseguia ouvir o que meu terapeuta me dizia (basicamente, perguntava-me se a intensidade dos choques nas agulhas estavam ok e eu não respondia). Para finalizar o cenário já de si mau, os temas eram do melhorzinho que podia haver: entre as férias no Fundão, amniocenteses e as instalações do SIED (que por acaso, mas só por acaso, devem ser alvo de segredo de Estado, mas como o marido de uma desbocada vai lá arranjar impressoras ela decidiu espalhar aos 4 ventos como é que a coisa se passa), tudo servia para continuar a conversar. Estava enjoada, queria descansar, deu-me uma travadinha e passei-me mesmo da cabeça. Ao menos que baixassem o volume, um pouco de respeito pelas demais pessoas, não custa assim muito, livra! 

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Do arrebatamento

O vestido caiu facilmente. Estava apenas preso pelas alças nos ombros magros e deslizou com vontade declarada pelo corpo, até ao chão, enquanto ela acendia uma única luz de presença.

Beijou-lhe o ventre. Sentiu-o a tremer. Antecipação. Expectativa. Sentia-lhe o calor sem sequer tocar. Era como uma fonte inesgotável de desejo prestes a desmoronar-se com um toque. Os dedos enfiaram-se entre a pele e a linha das cuecas de renda fazendo-as sair com mestria. Estava liberta, da máscara de tecidos, não das demais camadas de protecção. Tal não a impedia de arfar baixinho e com satisfação sob um rosto que perdia vergonha a cada caída da cabeça para trás.


Nua, encostada à parede fria, costas arqueadas, totalmente exposta viu-a a desmontar-se com cuidado ao primeiro beijo que se colou à boca como dali não houvera saída. Era intenso, forte, penetrante o modo como ela o arrastava para si com a língua e uma perna em torno da cintura.


Todo aquele momento era primário, selvagem, sem travões ainda que, e…

Das razões

Quero-te pela desarrumação incompreensível que somos. Quero-te pela forma como me procuras à noite na cama, ainda a dormir, de modo instintivo, apenas para te recostares do mundo e amaciares no meu calor. Quero-te (tanto) quando sais do mar, feliz e salgado, qual criança livre agarrado à prancha como se fosse o teu bem mais precioso, a tua melhor amiga, a porta para o teu refúgio. Quero-te pelos beijos inesperados, lentos, que invadem qual descarga eléctrica, e afirmam sem hesitações desejo e amor. Quero-te pela forma como te afundas num livro e tudo à volta entra em pause-still e, mesmo assim, de repente tocas-me no joelho, no cabelo, dás-me a mão. Quero-te porque sei que acreditas em mim e não me questionas, crês que posso mudar o mundo. Quero-te pela tesão, confiança, cumplicidade e pelas saudades que temos, ainda, sempre, um do outro. Quero-te por te rires quando começo a cantar músicas que gosto e ouço a tocar, esteja onde esteja. Quero-te por dançarmos na rua se preciso entre ga…

Dos maldiitos

via boudoir photography

Agora acordo com mensagens que iluminam o telemóvel e em que dás conta de como pensas em mim antes de dormir. E que o queres partilhar comigo porque agora sentes saudades minhas. Agora recebo telefonemas sem hora nem expectativa e a voz é meiga e quente. Não ouço nada do que dizes, as palavras apenas são ditas mas há muito que já não têm peso ou impacto.
Antes foi a indecisão. O jogo dos que não se comprometem, que querem atalhos facilitados para um espaço confortável de repouso, salvação emocional momentânea, ilusão de pertença. Egoísta forma de ser que suga o querer dos outros para se sustentar, para sentir uma rede rápida de carinho e abraço mas que reclama para si a indisponibilidade de reciprocidade. Para quê? Se vos é dado grátis um sentimento para que serve o esforço de lutar por ele, qual o propósito de envolvimento, de estar, dar a mão, partilhar silêncios e perder a possibilidade de ter mais e mais, melhor, diferente, sempre mais, outras.
Era assim, ante…