Avançar para o conteúdo principal

Si a tí te gusta, a mí me encanta

Não, desiludam-se, o post não é sobre filmes pornos. Ontem ouvi a frase "Si a te gusta" num fado (leram bem, castelhano num faduncho) e imediatamente, em causa-efeito, apareceu na m/ mente "a mi me encanta".

Ontem jantei numa casa de fado para comemorar um aniversário. Eu gosto de casas de fado mas o plano estava destinado ao falhanço (desastre?) desde o inicio. E ninguem me quis ouvir. Pois... Passemos às razões:

1) fazer um jantar de aniversário numa casa de fados não é propriamente ideal, sobretudo se se faz anos no próprio dia e o telemovel toca e se atende para agradecer os parabens nos momentos mais inoportunos. Mesmo sem isso, o convivio normal de uma festa de aniversario está limitada pelos momentos de silencio imposto pelas actuações.

2) ir a uma casa de fados à experiencia neste contexto de aniversário é uma péssima ideia. Porque de facto tem que haver predisposição para o silencio e apetencia pelo fado. Falar indiscriminadamente enquanto há actuações não é "simpático" (to say the least) porque... 1ºporque não (e isso devia ser suficiente); mas caso quem não entenda, porque quem está a actuar (sendo melhor ou pior) está a trabalhar e merece respeito.

O argumento do "estou a pagar" é assustador pelo cunho de novo riquismo atroz além de que no teatro ou mesmo no cinema também pagamos e o bom senso / boa educação ditam o silencio. Por fim, as regras do fado assim o convidam (ouvir, sentir, deixar a musica bailar em nós com o seu sentimento). ir aos fados só para dizer que se foi aos fados sem entender isto, pronto... sem palavras. Com a quantidade de restaurantes que lisboa tem onde se pode socializar sem condicionalismos, não se entende ir a uma casa de fados para desrespeitosamente tratar o fado.

3) ir jantar a uma casa de fados no Bairro Alto é como ser uma galinha que pede para ser depenada. Fados no BA = turistas = preços exorbitantes. Nada contra refeições com preços acima da média mas quer dizer-se não estamos a falar da cozinha do Sá Pessoa, do Luis Suspiro, do vitor Sobral ou do Baena. estamos a falar do Forcado na Rua da Rosa, que mais kitsch não podia ser e com uma qualidade que à partida qualquer lisboeta já sabe é de evitar.

Exs: Pratos mais baratos - frango no churrasco c/ bacon €22; prato vegetariano (espargo e mais legumes, ipsis verbis) €22; lulas a €24 mas se quisermos temperos só ha pacotinhos tipo ketchup!!!!; azeite quente para o bacalhau teve que ser pedido e veio a contragosto; o pão era o very typical carcaça... por esta altura já anda a galinha toda depenada a correr sem cabeça. Pedi uma sopa para vir de imediato e passada em creme, chegou 1h40 depois normalissima; chá ... marca branca da makro (mau demais, nao sabe a nada)... toma lá para não te armares em fina, querias o quê: mariage de fréres?! Ou menos Lipton, caramba!

4) outro factor fascinante de uma casa de fados no BA: além do fado tem Folcolore ... HORROR! Antes que me acusem de anti portuguesa, eu sou uma boa cidadã: pago impostos, peço sempre recibos, voto, não cuspo para o chão nem atiro papéis para a rua. Assim, não admito que questionem o meu sentimento de portugalidade mas ODEIO folcolore. é visceral... dá-me dores de estomago, de costas, fico com palpitações e vontade de cortar os pulsos. Pois... ter que gramar isto foi a gota de água mas mais 1 prova de que é para turista ver.

5) os fadistas não eram bons nem maus, eram assim assim e queriam impingir CDs. Mas o momento alto foi o fado em castelhano (!!!???) em que a srª dizia "tiengo" em vez de "tengo". Olé

Não sei se os turistas se deixam comer por parvos ou se os operadores actuam mesmo conscientes que os turistas são uns idiotas que abrem as carteiras. E isto não é exclusivo de Portugal, porque lembro-me de ser altamente engrupida em Praga com uma porcaria de teatro negro e um jantar inanarrável por €60 em 2002 (tão mal gasto!) ou um jantar em Budapeste ao som de ciganos romani que em vez de musica tradicional cantavam o "Viva la España" e "The Girl from Ipanema". Mau, mt mau!!!

Mas, em resumo, sou parva. Porque nessa altura sabia que ia ser enganada e acedi (maldita pressão de grupo) e porque ontem sempre soube que ia ser o que foi. Mas quando se é amigo... somos parvos.

Ainda por cima, o BA não é mesmo a m/ praia. E ao FORCADO, jamais!!!!



NA: eu vou a casas de fado desde tenra idade e por isso estas coisas afectam-me. Tenho dito!!!!

Comentários

Mensagens populares deste blogue

A importância de se chamar Candidato

Numa altura em que as empresas recorrem cada vez mais às redes sociais para procurar candidatos a postos de trabalho (89%) e que 65% por cento é bem-sucedida, conseguindo contratações satisfatórias (Fonte: PR Comunicácion) convinha que as empresas de recrutamento e de executive search pensassem um bocadinho mais sobre o seu modus operandi.


Falo por experiência, por conhecimento e por não ter conseguido efectivar mudanças. 

O headhunter da velha guarda, armado em doutrina maquiavélica, que nunca leu, perspectiva o candidato como um meio para atingir um fim: facturar.  O candidato só serve enquanto servir os interesses do projecto. A satisfação do cliente é posta à frente de tudo e todos. Esta sobranceira linha de raciocínio,  a frio, tem alguma razão de ser. Quem paga as contas são os clientes. Como metodologia, é um erro crasso.
Num mercado concorrencial, um factor claramente diferenciador é a relação que se estabelece entre um consultor e os seus candidatos, pelo menos com aqueles que a…

gaja à beira da loucura

Isto pode paracer a demência absoluta mas já estou por tudo. A Alexandra Solnado (isso mesmo, este post vai por esse caminho...) dizia numa entrevista, há umas semanas, ao promover o seu mais recente "livro" que a maioria das pessoas que lhe aparecem para consultas, são pessoas doentes - jura?!
Agora, a sério, as pessoas padecem de doenças fisicas e, no seu desespero, que nem é discutivel porque cada um saberá o que se sente quando se chega a esse patamar, procuram ajuda ou conforto no projecto da Alexandra Solnado (é assim que se chama). Posto isto, explicava a Alexandra Solnado que as doenças são, não obstante, reflexos de outros problemas mais antigos ou e a outros níveis. Não me recordo dos exemplos que ela dava mas era algo como pessoas que tinham tido muitos desgostos e uma vida marcada pela tristeza, desenvolviam uma doença grave em especifico, localizada numa área do corpo em particular. 
Ora, e dando o beneficio da duvida a esta teoria (pois que temos a perder?), gosta…

Inesperadamente, a semana passada

Uns dias bons.
O  25 de Abril. Comer caracóis, os primeiros deste ano. Passear e trabalhar no Porto, deambular nos Clérigos. Diariamente, sessões de The Newsroom e Melhor do Que Falecer. O Pedro Mexia e os ferrinhos na emissão especial do Governo Sombra (e a banda sonora e a Manuela Azevedo e as citações certeiras de Salazar bem seleccionadas por Ricardo Araujo Pereira). O Benfica, tão grande! Opá, o Benfica ❤️