quinta-feira, 23 de abril de 2009

o meu casal preferido




quando era miuda dizia a toda gente que queria ter filhos mulatos; tenho um trauma desde pequena com este tom de pele à ideal de Petrarca que mais parece que sofro diariamente de ataques vampirescos nocturnos que me deixam branquela e translúcida.

Assim, queria filhos mulatos com aquele tom vibrante e bochechas cheias de vida. Isso implicava arranjar um pai preto. Eu era algo precoce. Os meus pais nem ligavam mas as amigas da minha mãe, bafientas, benziam-se com o que eu dizia. E aos 11 anos dizia que queria adoptar 1 chinês... Angelina e Madonna, move on, o que voces fazem já bailava na minha cabeça há 22 anos. De novo, precoce.

Por isso adoro o casal Seal-Klum. Adoro a voz quente e sensual daquele homem que compensa a falta de uma beleza óbvia por uma aura de cavalheirismo e amor pela sua germânica que dá gosto. E ela linda [magrérrima, a cabra :) ], com o sorriso traquina e ar bem disposto.

O próprio Seal anunciou num concerto em New York City concert no dia 16 Abr 09 que ele e a Louraça estão à espera do 4º filho.

Há esperança pro' mundo. E aí vem mais um mulato fantástico que vai ter aquela voz a embalar-lhe os sonos. Only in America...

2 comentários:

Tigrão disse...

E não é que 22 anos depois, há gente que continua a benzer-se com esse trauma inexplicável, que só encontra vagos atenueantes caso tenhas apanhado com uma tábua de engomar na cabeça nos últimos 2 meses?!
O trauma e apetência pela côr da obscuridade, do Lúcifer. Por definição, o preto náo é uma côr e sim um indicador de que ali não há côr. Já o branco é exatamente o contrário, ou seja que não absorve nenhuma côr e reflete todas.

Mónica disse...

tanta palavra sem sentido