Avançar para o conteúdo principal

o meu casal preferido




quando era miuda dizia a toda gente que queria ter filhos mulatos; tenho um trauma desde pequena com este tom de pele à ideal de Petrarca que mais parece que sofro diariamente de ataques vampirescos nocturnos que me deixam branquela e translúcida.

Assim, queria filhos mulatos com aquele tom vibrante e bochechas cheias de vida. Isso implicava arranjar um pai preto. Eu era algo precoce. Os meus pais nem ligavam mas as amigas da minha mãe, bafientas, benziam-se com o que eu dizia. E aos 11 anos dizia que queria adoptar 1 chinês... Angelina e Madonna, move on, o que voces fazem já bailava na minha cabeça há 22 anos. De novo, precoce.

Por isso adoro o casal Seal-Klum. Adoro a voz quente e sensual daquele homem que compensa a falta de uma beleza óbvia por uma aura de cavalheirismo e amor pela sua germânica que dá gosto. E ela linda [magrérrima, a cabra :) ], com o sorriso traquina e ar bem disposto.

O próprio Seal anunciou num concerto em New York City concert no dia 16 Abr 09 que ele e a Louraça estão à espera do 4º filho.

Há esperança pro' mundo. E aí vem mais um mulato fantástico que vai ter aquela voz a embalar-lhe os sonos. Only in America...

Comentários

Tigrão disse…
E não é que 22 anos depois, há gente que continua a benzer-se com esse trauma inexplicável, que só encontra vagos atenueantes caso tenhas apanhado com uma tábua de engomar na cabeça nos últimos 2 meses?!
O trauma e apetência pela côr da obscuridade, do Lúcifer. Por definição, o preto náo é uma côr e sim um indicador de que ali não há côr. Já o branco é exatamente o contrário, ou seja que não absorve nenhuma côr e reflete todas.
Mónica disse…
tanta palavra sem sentido

Mensagens populares deste blogue

Do arrebatamento

O vestido caiu facilmente. Estava apenas preso pelas alças nos ombros magros e deslizou com vontade declarada pelo corpo, até ao chão, enquanto ela acendia uma única luz de presença.

Beijou-lhe o ventre. Sentiu-o a tremer. Antecipação. Expectativa. Sentia-lhe o calor sem sequer tocar. Era como uma fonte inesgotável de desejo prestes a desmoronar-se com um toque. Os dedos enfiaram-se entre a pele e a linha das cuecas de renda fazendo-as sair com mestria. Estava liberta, da máscara de tecidos, não das demais camadas de protecção. Tal não a impedia de arfar baixinho e com satisfação sob um rosto que perdia vergonha a cada caída da cabeça para trás.


Nua, encostada à parede fria, costas arqueadas, totalmente exposta viu-a a desmontar-se com cuidado ao primeiro beijo que se colou à boca como dali não houvera saída. Era intenso, forte, penetrante o modo como ela o arrastava para si com a língua e uma perna em torno da cintura.


Todo aquele momento era primário, selvagem, sem travões ainda que, e…

I shine

Kiss me before you break my heart. There is still room to be damaged for every breath I take on myself and for myself. I regain confidence on me on every touch of you, even those that will be lost. 
The shivers running down on my spine awaken me and allow me to make you feel stronger, bolder, in love with life. 
I expand my senses while you will torn my world apart. We are under the same sky but I am meant to be a trail of light rather than a guiding star. 
I will burn your soul and you will break my heart. Yet I shine. So, kiss me and let's pretend.

Da alegria

Gosto desses olhos que se iluminam e que pausam em mim como se nada mais existisse naquele longo momento. Esse olhar decidido, seguro, revelador de um modo de estar ciente do que se quer e descomplicado.
Fazes-me rir. Como se o mundo fosse fácil. Como se salvar-me das trevas não fosse uma missão mas sim manter-me saciada, livre, às gargalhadas, serena e em silencio, a ler com as pernas esticadas sobre ti.

Gosto das madrugadas de surf, mesmo ao frio. Dos beijos salgados e daquele teu cheiro misturado com água gelada. O cheiro que ainda hoje me faz ficar apreensiva, receosa, quando acordo a meio da noite e te ouço a respirar devagarinho e aquele cheiro está encostado a mim. E como aquele cheiro me apareceu e inundou de alegria.