Avançar para o conteúdo principal

O Lado Negro da Força

Nunca tive nada contra o pepe, mesmo jogando no FCP. Sabia quem ele era porque era o brasileiro estranho que independentemente da temperatura jogava sempre com uma camisola de gola alta por baixo da t-shirt.
Durante mt tempo achei que ele tinha uma horrivel cicatriz que não queria mostrar. Depois tornou-se mesmo só estranho. Mas como ele se diferenciava pela positiva naquela equipa do DEMO (s/ tattoos, sem grande malvadez nas jogadas e low profile). Depois gostei da postura dele na selecção, mesmo nao sendo a favor das naturalizações interesseiras (ex: DECO), sempre me pareceu que o moço se tinha adaptado a portugal e nao tinha "usado" o país.
E de repente, este fim de semana, o homem passa-se e além de uma falta, vá de agredir sem grande dó e zero piedade o adversário (ok, era do Getafe e ainda me custa a acreditar que existe um clube na 1ª divisão espanhola chamada Getafe!!!). ver aqui
Anda, assim, meio mundo entre o incrédulo e recriminatório (um atleta tem que saber controlar-se) e a absolvição (o Pepe nao sabe o que lhe passou pela cabeça, está visivelmente abalado com a situação e até ponderou abandonar os relvados) e eu tenho que opinar (porque sim)!
Quando soube da situação achei que não havia nada que explicasse uma agressão assim violenta, mesmo vindo de um jogador que não é propriamente o jorge costa ou o fernando couto e mt menos um malfadado paulinho santos. Depois vi as imagens e ouvi-o em declarações. E comecei a pensar que a mim me podia acontecer a mesma coisa... salvo as devidas diferenças, sobretudo de eu não saber jogar à bola.
O que eu quero dizer é, que quantas vezes já me apeteceu pontapear com a mesma garra e violencia alguém que me fez qualquer coisa (grave, pelo menos na minha acepção)? Muitas. Várias vezes. A sério... A verdade é que não o faço. Mas tenho à mesma a vontade e um dia talvez passada da cabeça o venha a fazer. Não estou a desculpar o Pepe e o seu ataque de kickboxing mas mesmo ele dizendo que não sabe o que lhe passou pela cabeça, eu entendo-o. Provavelmente terei uma alma negra e vou virar para o lado errado da Força, mas juro que há momentos na nossa vida, que depois de tanta merda que nos fazem aturar, seria libertador pontapear quem nos irritasse mais da conta (tenho já alguns alvos pré-alinhados).
Ou seja, gostava de ter o tamanho do Pepe e a oportunidade. Logo, não posso criticá-lo apesar do outro desgraçado aparentemente não ter feito nada demais, excepto atravessar-se à frente dele.
Stª Prada, preciso mesmo de terapia!

Comentários

Tigrão disse…
Como pessoa bem formada que me considero, aceito e até entendo que há milhares de coisas que nos podem despoletar reacções violentas e aparentemente desmedidas. O que não consigo compreender é o facto de que quem as pratica apelar posteriormente uma alegada insanidade por uns meros 6/7 segundos (o chamado lusco-fusco), achando que essa introspecção ou argumentação, passam uma esponja sobre o assunto. Seja o Pepe (de quem até nem desgosto), seja o filósofo Sócrates, seja o Totta, há que assumir duma vez por todas que a actos correspondem reacções/consequências.
Penso que quando houver essa consciência, todos estarão em maior harmonia. Mas se calhar sou só eu e mais uns poucos que pensam assim....

Mensagens populares deste blogue

Do arrebatamento

O vestido caiu facilmente. Estava apenas preso pelas alças nos ombros magros e deslizou com vontade declarada pelo corpo, até ao chão, enquanto ela acendia uma única luz de presença.

Beijou-lhe o ventre. Sentiu-o a tremer. Antecipação. Expectativa. Sentia-lhe o calor sem sequer tocar. Era como uma fonte inesgotável de desejo prestes a desmoronar-se com um toque. Os dedos enfiaram-se entre a pele e a linha das cuecas de renda fazendo-as sair com mestria. Estava liberta, da máscara de tecidos, não das demais camadas de protecção. Tal não a impedia de arfar baixinho e com satisfação sob um rosto que perdia vergonha a cada caída da cabeça para trás.


Nua, encostada à parede fria, costas arqueadas, totalmente exposta viu-a a desmontar-se com cuidado ao primeiro beijo que se colou à boca como dali não houvera saída. Era intenso, forte, penetrante o modo como ela o arrastava para si com a língua e uma perna em torno da cintura.


Todo aquele momento era primário, selvagem, sem travões ainda que, e…

I shine

Kiss me before you break my heart. There is still room to be damaged for every breath I take on myself and for myself. I regain confidence on me on every touch of you, even those that will be lost. 
The shivers running down on my spine awaken me and allow me to make you feel stronger, bolder, in love with life. 
I expand my senses while you will torn my world apart. We are under the same sky but I am meant to be a trail of light rather than a guiding star. 
I will burn your soul and you will break my heart. Yet I shine. So, kiss me and let's pretend.

Da alegria

Gosto desses olhos que se iluminam e que pausam em mim como se nada mais existisse naquele longo momento. Esse olhar decidido, seguro, revelador de um modo de estar ciente do que se quer e descomplicado.
Fazes-me rir. Como se o mundo fosse fácil. Como se salvar-me das trevas não fosse uma missão mas sim manter-me saciada, livre, às gargalhadas, serena e em silencio, a ler com as pernas esticadas sobre ti.

Gosto das madrugadas de surf, mesmo ao frio. Dos beijos salgados e daquele teu cheiro misturado com água gelada. O cheiro que ainda hoje me faz ficar apreensiva, receosa, quando acordo a meio da noite e te ouço a respirar devagarinho e aquele cheiro está encostado a mim. E como aquele cheiro me apareceu e inundou de alegria.