Avançar para o conteúdo principal

O Lado Negro da Força

Nunca tive nada contra o pepe, mesmo jogando no FCP. Sabia quem ele era porque era o brasileiro estranho que independentemente da temperatura jogava sempre com uma camisola de gola alta por baixo da t-shirt.
Durante mt tempo achei que ele tinha uma horrivel cicatriz que não queria mostrar. Depois tornou-se mesmo só estranho. Mas como ele se diferenciava pela positiva naquela equipa do DEMO (s/ tattoos, sem grande malvadez nas jogadas e low profile). Depois gostei da postura dele na selecção, mesmo nao sendo a favor das naturalizações interesseiras (ex: DECO), sempre me pareceu que o moço se tinha adaptado a portugal e nao tinha "usado" o país.
E de repente, este fim de semana, o homem passa-se e além de uma falta, vá de agredir sem grande dó e zero piedade o adversário (ok, era do Getafe e ainda me custa a acreditar que existe um clube na 1ª divisão espanhola chamada Getafe!!!). ver aqui
Anda, assim, meio mundo entre o incrédulo e recriminatório (um atleta tem que saber controlar-se) e a absolvição (o Pepe nao sabe o que lhe passou pela cabeça, está visivelmente abalado com a situação e até ponderou abandonar os relvados) e eu tenho que opinar (porque sim)!
Quando soube da situação achei que não havia nada que explicasse uma agressão assim violenta, mesmo vindo de um jogador que não é propriamente o jorge costa ou o fernando couto e mt menos um malfadado paulinho santos. Depois vi as imagens e ouvi-o em declarações. E comecei a pensar que a mim me podia acontecer a mesma coisa... salvo as devidas diferenças, sobretudo de eu não saber jogar à bola.
O que eu quero dizer é, que quantas vezes já me apeteceu pontapear com a mesma garra e violencia alguém que me fez qualquer coisa (grave, pelo menos na minha acepção)? Muitas. Várias vezes. A sério... A verdade é que não o faço. Mas tenho à mesma a vontade e um dia talvez passada da cabeça o venha a fazer. Não estou a desculpar o Pepe e o seu ataque de kickboxing mas mesmo ele dizendo que não sabe o que lhe passou pela cabeça, eu entendo-o. Provavelmente terei uma alma negra e vou virar para o lado errado da Força, mas juro que há momentos na nossa vida, que depois de tanta merda que nos fazem aturar, seria libertador pontapear quem nos irritasse mais da conta (tenho já alguns alvos pré-alinhados).
Ou seja, gostava de ter o tamanho do Pepe e a oportunidade. Logo, não posso criticá-lo apesar do outro desgraçado aparentemente não ter feito nada demais, excepto atravessar-se à frente dele.
Stª Prada, preciso mesmo de terapia!

Comentários

Tigrão disse…
Como pessoa bem formada que me considero, aceito e até entendo que há milhares de coisas que nos podem despoletar reacções violentas e aparentemente desmedidas. O que não consigo compreender é o facto de que quem as pratica apelar posteriormente uma alegada insanidade por uns meros 6/7 segundos (o chamado lusco-fusco), achando que essa introspecção ou argumentação, passam uma esponja sobre o assunto. Seja o Pepe (de quem até nem desgosto), seja o filósofo Sócrates, seja o Totta, há que assumir duma vez por todas que a actos correspondem reacções/consequências.
Penso que quando houver essa consciência, todos estarão em maior harmonia. Mas se calhar sou só eu e mais uns poucos que pensam assim....

Mensagens populares deste blogue

A importância de se chamar Candidato

Numa altura em que as empresas recorrem cada vez mais às redes sociais para procurar candidatos a postos de trabalho (89%) e que 65% por cento é bem-sucedida, conseguindo contratações satisfatórias (Fonte: PR Comunicácion) convinha que as empresas de recrutamento e de executive search pensassem um bocadinho mais sobre o seu modus operandi.


Falo por experiência, por conhecimento e por não ter conseguido efectivar mudanças. 

O headhunter da velha guarda, armado em doutrina maquiavélica, que nunca leu, perspectiva o candidato como um meio para atingir um fim: facturar.  O candidato só serve enquanto servir os interesses do projecto. A satisfação do cliente é posta à frente de tudo e todos. Esta sobranceira linha de raciocínio,  a frio, tem alguma razão de ser. Quem paga as contas são os clientes. Como metodologia, é um erro crasso.
Num mercado concorrencial, um factor claramente diferenciador é a relação que se estabelece entre um consultor e os seus candidatos, pelo menos com aqueles que a…

gaja à beira da loucura

Isto pode paracer a demência absoluta mas já estou por tudo. A Alexandra Solnado (isso mesmo, este post vai por esse caminho...) dizia numa entrevista, há umas semanas, ao promover o seu mais recente "livro" que a maioria das pessoas que lhe aparecem para consultas, são pessoas doentes - jura?!
Agora, a sério, as pessoas padecem de doenças fisicas e, no seu desespero, que nem é discutivel porque cada um saberá o que se sente quando se chega a esse patamar, procuram ajuda ou conforto no projecto da Alexandra Solnado (é assim que se chama). Posto isto, explicava a Alexandra Solnado que as doenças são, não obstante, reflexos de outros problemas mais antigos ou e a outros níveis. Não me recordo dos exemplos que ela dava mas era algo como pessoas que tinham tido muitos desgostos e uma vida marcada pela tristeza, desenvolviam uma doença grave em especifico, localizada numa área do corpo em particular. 
Ora, e dando o beneficio da duvida a esta teoria (pois que temos a perder?), gosta…

Inesperadamente, a semana passada

Uns dias bons.
O  25 de Abril. Comer caracóis, os primeiros deste ano. Passear e trabalhar no Porto, deambular nos Clérigos. Diariamente, sessões de The Newsroom e Melhor do Que Falecer. O Pedro Mexia e os ferrinhos na emissão especial do Governo Sombra (e a banda sonora e a Manuela Azevedo e as citações certeiras de Salazar bem seleccionadas por Ricardo Araujo Pereira). O Benfica, tão grande! Opá, o Benfica ❤️