Avançar para o conteúdo principal

Dicas de Gestão II

Segundo Mentes Iluminadas pelas Trevas (ou o diabo no corpo)

3:
Não dar férias aos colaboradores excepto em ultimo recurso (com a autoridade para as condições de trabalho à perna, por exemplo). Sobretudo em momentos de crise, quem quer férias é porque é negligente ou calão e há que ensinar-lhe a ser uma pessoa mais bem formada e empenhada.

Se tiverem muito cansados, descansem ao fim de semana e eventualmente saiam 30 minutos depois da hora de saída durante uns dias (mas venham mais cedo que a hora de entrada estipulada para optimizar o rendimento!)

As equipas têm que ser de alta produtividade e não cabe às chefias, intelectualmente superiores, perder tempo em olhar para mapas de férias (isso é obrigatório???) e planear como os seus colaboradores / lacaios podem rotativamente gozar períodos de não trabalho ao serviço de quem paga os salários.

Sejamos humildes, trabalhemos com afinco e sem parar e pensemos no todo não no individuo. Para isso, já existem pessoas muito mais inteligentes, que essas sim, por terem chegado a chefias, directores ou mesmo accionistas, podem ir de férias no Natal, na Páscoa e no Verão, sem espinhas.

Que saudades dos Gulags!!! Como diria o fabuloso Barney Stinson, "True Story".


PS. Devia escrever 1 livro sobre estes case studies, o que acham?

Comentários

PM disse…
Deves ter material para uma enciclopedia... Força!!!

Mensagens populares deste blogue

A importância de se chamar Candidato

Numa altura em que as empresas recorrem cada vez mais às redes sociais para procurar candidatos a postos de trabalho (89%) e que 65% por cento é bem-sucedida, conseguindo contratações satisfatórias (Fonte: PR Comunicácion) convinha que as empresas de recrutamento e de executive search pensassem um bocadinho mais sobre o seu modus operandi.


Falo por experiência, por conhecimento e por não ter conseguido efectivar mudanças. 

O headhunter da velha guarda, armado em doutrina maquiavélica, que nunca leu, perspectiva o candidato como um meio para atingir um fim: facturar.  O candidato só serve enquanto servir os interesses do projecto. A satisfação do cliente é posta à frente de tudo e todos. Esta sobranceira linha de raciocínio,  a frio, tem alguma razão de ser. Quem paga as contas são os clientes. Como metodologia, é um erro crasso.
Num mercado concorrencial, um factor claramente diferenciador é a relação que se estabelece entre um consultor e os seus candidatos, pelo menos com aqueles que a…

Da alegria

Gosto desses olhos que se iluminam e que pausam em mim como se nada mais existisse naquele longo momento. Esse olhar decidido, seguro, revelador de um modo de estar ciente do que se quer e descomplicado.
Fazes-me rir. Como se o mundo fosse fácil. Como se salvar-me das trevas não fosse uma missão mas sim manter-me saciada, livre, às gargalhadas, serena e em silencio, a ler com as pernas esticadas sobre ti.

Gosto das madrugadas de surf, mesmo ao frio. Dos beijos salgados e daquele teu cheiro misturado com água gelada. O cheiro que ainda hoje me faz ficar apreensiva, receosa, quando acordo a meio da noite e te ouço a respirar devagarinho e aquele cheiro está encostado a mim. E como aquele cheiro me apareceu e inundou de alegria.

I shine

Kiss me before you break my heart. There is still room to be damaged for every breath I take on myself and for myself. I regain confidence on me on every touch of you, even those that will be lost. 
The shivers running down on my spine awaken me and allow me to make you feel stronger, bolder, in love with life. 
I expand my senses while you will torn my world apart. We are under the same sky but I am meant to be a trail of light rather than a guiding star. 
I will burn your soul and you will break my heart. Yet I shine. So, kiss me and let's pretend.