Avançar para o conteúdo principal

expliquem-me como se eu fosse muito burra

Esta semana vi o João Malheiro, aquela figura que se tornou conhecida pela voz cavernosa com que exercia o cargo de Director de Comunicação do Glorioso. 

João Malheiro cresceu entretanto para figura VIP dos pobres e aparece, por tudo o que é festa nas docas, concerto dos Carreira, agarrado às damas mais vulgares do burgo, sempre com aquele seu ar bonacheirão, bon vivant, e cabelo a precisar de um banho. Tipo Alvim, mas num género engatatão ordinarote. 

Mas até com pinta de ser amigo do seu amigo o que nos tempos que correm é uma mais valia que tem muito peso.

Ora bem, cruzo-me eu com o Malheiro, num edifício de  escritórios, quando o dito se dirigia à máquina de pagamento do parque de estacionamento, onde uma morenaça de vestido comprido (algo feio) pagava. Malheiro aproxima-se, cruza-se comigo e ... BAM, afinfa no rabo da moça um valente apalpão à descarada. Foi um encher a mão em movimento côncavo óbvio e depois fechá-la abarcando grande parte da nádega feminina, deixando a mão como se a tivesse pousado no ombro.

Esta sucessão de eventos, desenrolada à minha frente, e com o testemunho de dois seguranças e mais um transeunte, cheirava a bordel por todos os poros. Foi mesmo... blhac...

Expliquem-me, no entanto, como raio alguma mulher ainda aguenta estas merdas? Ou como ainda há mulheres tão banais que gostem deste tipo de comportamento? Acham carinhoso, apaixonado ou sexy? Coisa mais baixo nível. 

Pessoalmente, apeteceu-me afinfar-lhe um belo soco nas trombas e sacar-lhe aquele risinho costumeiro. 

Felizmente, a nádega não era minha. 

Comentários

Luisinho disse…
Ui! é desta que pinga processo! hehehe

Mensagens populares deste blogue

A importância de se chamar Candidato

Numa altura em que as empresas recorrem cada vez mais às redes sociais para procurar candidatos a postos de trabalho (89%) e que 65% por cento é bem-sucedida, conseguindo contratações satisfatórias (Fonte: PR Comunicácion) convinha que as empresas de recrutamento e de executive search pensassem um bocadinho mais sobre o seu modus operandi.


Falo por experiência, por conhecimento e por não ter conseguido efectivar mudanças. 

O headhunter da velha guarda, armado em doutrina maquiavélica, que nunca leu, perspectiva o candidato como um meio para atingir um fim: facturar.  O candidato só serve enquanto servir os interesses do projecto. A satisfação do cliente é posta à frente de tudo e todos. Esta sobranceira linha de raciocínio,  a frio, tem alguma razão de ser. Quem paga as contas são os clientes. Como metodologia, é um erro crasso.
Num mercado concorrencial, um factor claramente diferenciador é a relação que se estabelece entre um consultor e os seus candidatos, pelo menos com aqueles que a…

Da alegria

Gosto desses olhos que se iluminam e que pausam em mim como se nada mais existisse naquele longo momento. Esse olhar decidido, seguro, revelador de um modo de estar ciente do que se quer e descomplicado.
Fazes-me rir. Como se o mundo fosse fácil. Como se salvar-me das trevas não fosse uma missão mas sim manter-me saciada, livre, às gargalhadas, serena e em silencio, a ler com as pernas esticadas sobre ti.

Gosto das madrugadas de surf, mesmo ao frio. Dos beijos salgados e daquele teu cheiro misturado com água gelada. O cheiro que ainda hoje me faz ficar apreensiva, receosa, quando acordo a meio da noite e te ouço a respirar devagarinho e aquele cheiro está encostado a mim. E como aquele cheiro me apareceu e inundou de alegria.

I shine

Kiss me before you break my heart. There is still room to be damaged for every breath I take on myself and for myself. I regain confidence on me on every touch of you, even those that will be lost. 
The shivers running down on my spine awaken me and allow me to make you feel stronger, bolder, in love with life. 
I expand my senses while you will torn my world apart. We are under the same sky but I am meant to be a trail of light rather than a guiding star. 
I will burn your soul and you will break my heart. Yet I shine. So, kiss me and let's pretend.