Avançar para o conteúdo principal

Da Emigração

Ao longo da minha vida escolar tive maus professores. Verdadeiramente, um crime aquelas pessoínhas existirem numa sala de aula. E tive alguns, bons professores. Estes, a aparecerem, durante 19 anos em que me dediquei ao estudo, foram sempre realmente muito bons. Ou seja, faltou equilíbrio. Havia os banais-maus, os mesmo muito maus, os muito bons e uns quantos que cumpriam sem brilhantismo mas também sem nódoa.

Com isto dito, passemos à fase seguinte.

Mesmo muitos dos professores "mancha de gordura" que tive, que pecavam pela falta de motivação no que estavam a fazer, logo mal se preparavam e tinham o mesmo nível de paciência que eu em qualquer sitio  em que tenha que esperar, dando aulas arrasadoras de sufriveis; mesmo esses, ou boa parte desses, eram mais qualificados académica e culturalmente, que 85% dos deputados que alapam o real cu na AR. E se alargarmos à classe da "gente" que se dedica a politicar, salvo as excepções, que as há, então... uhuhu! 

A conclusão é quase de lana caprina: quanto mais qualificada uma pessoa é, profissional, académica, cultural e pessoalmente, não estará na politica. Até podia ter interesse, apetência e vontade mas ou desiste por não se querer "deitar na cama" ociosa e pouco interessante onde se movimentam os seus putativos pares ou porque lhe cortam as asas: "qu'é lá isto, um(a) gajo(a) com ideias, que sabe umas coisas, com experiência dessa coisa de trabalhar e munido de integridade?". Na-na-na, pessoas deste calibre ... rua. O que é bom, é nivelar por baixo.

Mesmo o menos bem preparado professor deve ficar fodido com o comentário de "emigrem, vá" do Ajudante de Campo do Sô Relvas. 

Eu, que não sou professora, e até odeio excel,  portanto gosto pouco cá de orçamentos, sou muito mais qualificada que o Passos para o que seja. Perder-me-ia em Massamá, geograficamente não domino (admito), mas sendo mais nova que ele levo-lhe um avanço de anos brutal. Quando o homem se licenciou, já eu tinha feito até um MBA, comecei e desisti de um mestrado, tinha feito uma pós graduação, tinha concluído 2 cursos de línguas e deixado o de alemão pelo caminho por falta de tempo. Mais importante, trabalho há 12 anos. Em condições tão variadas que me deu uma estaleca bem robusta.

Sou a ultima coca cola do deserto? Não, sou uma pessoa normal. Não me encostei a uma estrutura da jota, à cunha do padrinho, à espera que me coroassem "Pedro, o Carismático". Como milhares de outras pessoas, fiz-me à vida.

Apesar de ter trabalho, do qual gosto muito, entendo perfeitamente a necessidade de pensar em emigrar. Porque uma pessoa olha para a situação do país, e ainda que se extirpe a crise internacional, não sente confiança em quem quer que seja que tenha poder de decisão. Há toda uma máquina de criação de decisores que não valem um papel de figurante numa revista do Parque Mayer. É olhar para o Parlamento. Ou observar os Congressos Partidários. Ou atentar aos poderes locais. Ou contar quantos dirigentes de empresas publicas (e até privadas) se pode apostar cujo o seu lugar seria na cadeia. Mas nunca lá irão parar.

Os lideres são fracos, tolinhos, vazios, e/ou corruptos, perdulários, pouco informados, desinteressantes, ladrões de colarinho branco que escapam impunes.

Sim, dá vontade de emigrar. Ou afogá-los. 

Mas ainda bem que temos um primeiro ministro* que nos lembra que aquela é uma opção válida. Porque há tanto mundo lá fora (até no Sahara ou nos glaciares, quem sabe!) e cá, não há nada a fazer por nós. 

Ele pode não gostar do Cavaco mas é tão idiota quanto o outro. Livra


*a doutrina divide-se. PPC é o 1ºM ou apenas o wing-man desse poço de sabedoria chamado Sô Relvas? Uhm ... hesito!

Comentários

Mensagens populares deste blogue

gaja à beira da loucura

Isto pode paracer a demência absoluta mas já estou por tudo. A Alexandra Solnado (isso mesmo, este post vai por esse caminho...) dizia numa entrevista, há umas semanas, ao promover o seu mais recente "livro" que a maioria das pessoas que lhe aparecem para consultas, são pessoas doentes - jura?!
Agora, a sério, as pessoas padecem de doenças fisicas e, no seu desespero, que nem é discutivel porque cada um saberá o que se sente quando se chega a esse patamar, procuram ajuda ou conforto no projecto da Alexandra Solnado (é assim que se chama). Posto isto, explicava a Alexandra Solnado que as doenças são, não obstante, reflexos de outros problemas mais antigos ou e a outros níveis. Não me recordo dos exemplos que ela dava mas era algo como pessoas que tinham tido muitos desgostos e uma vida marcada pela tristeza, desenvolviam uma doença grave em especifico, localizada numa área do corpo em particular. 
Ora, e dando o beneficio da duvida a esta teoria (pois que temos a perder?), gosta…

Inesperadamente, a semana passada

Uns dias bons.
O  25 de Abril. Comer caracóis, os primeiros deste ano. Passear e trabalhar no Porto, deambular nos Clérigos. Diariamente, sessões de The Newsroom e Melhor do Que Falecer. O Pedro Mexia e os ferrinhos na emissão especial do Governo Sombra (e a banda sonora e a Manuela Azevedo e as citações certeiras de Salazar bem seleccionadas por Ricardo Araujo Pereira). O Benfica, tão grande! Opá, o Benfica ❤️

A importância de se chamar Candidato

Numa altura em que as empresas recorrem cada vez mais às redes sociais para procurar candidatos a postos de trabalho (89%) e que 65% por cento é bem-sucedida, conseguindo contratações satisfatórias (Fonte: PR Comunicácion) convinha que as empresas de recrutamento e de executive search pensassem um bocadinho mais sobre o seu modus operandi.


Falo por experiência, por conhecimento e por não ter conseguido efectivar mudanças. 

O headhunter da velha guarda, armado em doutrina maquiavélica, que nunca leu, perspectiva o candidato como um meio para atingir um fim: facturar.  O candidato só serve enquanto servir os interesses do projecto. A satisfação do cliente é posta à frente de tudo e todos. Esta sobranceira linha de raciocínio,  a frio, tem alguma razão de ser. Quem paga as contas são os clientes. Como metodologia, é um erro crasso.
Num mercado concorrencial, um factor claramente diferenciador é a relação que se estabelece entre um consultor e os seus candidatos, pelo menos com aqueles que a…