Avançar para o conteúdo principal

Da Emigração

Ao longo da minha vida escolar tive maus professores. Verdadeiramente, um crime aquelas pessoínhas existirem numa sala de aula. E tive alguns, bons professores. Estes, a aparecerem, durante 19 anos em que me dediquei ao estudo, foram sempre realmente muito bons. Ou seja, faltou equilíbrio. Havia os banais-maus, os mesmo muito maus, os muito bons e uns quantos que cumpriam sem brilhantismo mas também sem nódoa.

Com isto dito, passemos à fase seguinte.

Mesmo muitos dos professores "mancha de gordura" que tive, que pecavam pela falta de motivação no que estavam a fazer, logo mal se preparavam e tinham o mesmo nível de paciência que eu em qualquer sitio  em que tenha que esperar, dando aulas arrasadoras de sufriveis; mesmo esses, ou boa parte desses, eram mais qualificados académica e culturalmente, que 85% dos deputados que alapam o real cu na AR. E se alargarmos à classe da "gente" que se dedica a politicar, salvo as excepções, que as há, então... uhuhu! 

A conclusão é quase de lana caprina: quanto mais qualificada uma pessoa é, profissional, académica, cultural e pessoalmente, não estará na politica. Até podia ter interesse, apetência e vontade mas ou desiste por não se querer "deitar na cama" ociosa e pouco interessante onde se movimentam os seus putativos pares ou porque lhe cortam as asas: "qu'é lá isto, um(a) gajo(a) com ideias, que sabe umas coisas, com experiência dessa coisa de trabalhar e munido de integridade?". Na-na-na, pessoas deste calibre ... rua. O que é bom, é nivelar por baixo.

Mesmo o menos bem preparado professor deve ficar fodido com o comentário de "emigrem, vá" do Ajudante de Campo do Sô Relvas. 

Eu, que não sou professora, e até odeio excel,  portanto gosto pouco cá de orçamentos, sou muito mais qualificada que o Passos para o que seja. Perder-me-ia em Massamá, geograficamente não domino (admito), mas sendo mais nova que ele levo-lhe um avanço de anos brutal. Quando o homem se licenciou, já eu tinha feito até um MBA, comecei e desisti de um mestrado, tinha feito uma pós graduação, tinha concluído 2 cursos de línguas e deixado o de alemão pelo caminho por falta de tempo. Mais importante, trabalho há 12 anos. Em condições tão variadas que me deu uma estaleca bem robusta.

Sou a ultima coca cola do deserto? Não, sou uma pessoa normal. Não me encostei a uma estrutura da jota, à cunha do padrinho, à espera que me coroassem "Pedro, o Carismático". Como milhares de outras pessoas, fiz-me à vida.

Apesar de ter trabalho, do qual gosto muito, entendo perfeitamente a necessidade de pensar em emigrar. Porque uma pessoa olha para a situação do país, e ainda que se extirpe a crise internacional, não sente confiança em quem quer que seja que tenha poder de decisão. Há toda uma máquina de criação de decisores que não valem um papel de figurante numa revista do Parque Mayer. É olhar para o Parlamento. Ou observar os Congressos Partidários. Ou atentar aos poderes locais. Ou contar quantos dirigentes de empresas publicas (e até privadas) se pode apostar cujo o seu lugar seria na cadeia. Mas nunca lá irão parar.

Os lideres são fracos, tolinhos, vazios, e/ou corruptos, perdulários, pouco informados, desinteressantes, ladrões de colarinho branco que escapam impunes.

Sim, dá vontade de emigrar. Ou afogá-los. 

Mas ainda bem que temos um primeiro ministro* que nos lembra que aquela é uma opção válida. Porque há tanto mundo lá fora (até no Sahara ou nos glaciares, quem sabe!) e cá, não há nada a fazer por nós. 

Ele pode não gostar do Cavaco mas é tão idiota quanto o outro. Livra


*a doutrina divide-se. PPC é o 1ºM ou apenas o wing-man desse poço de sabedoria chamado Sô Relvas? Uhm ... hesito!

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Do arrebatamento

O vestido caiu facilmente. Estava apenas preso pelas alças nos ombros magros e deslizou com vontade declarada pelo corpo, até ao chão, enquanto ela acendia uma única luz de presença.

Beijou-lhe o ventre. Sentiu-o a tremer. Antecipação. Expectativa. Sentia-lhe o calor sem sequer tocar. Era como uma fonte inesgotável de desejo prestes a desmoronar-se com um toque. Os dedos enfiaram-se entre a pele e a linha das cuecas de renda fazendo-as sair com mestria. Estava liberta, da máscara de tecidos, não das demais camadas de protecção. Tal não a impedia de arfar baixinho e com satisfação sob um rosto que perdia vergonha a cada caída da cabeça para trás.


Nua, encostada à parede fria, costas arqueadas, totalmente exposta viu-a a desmontar-se com cuidado ao primeiro beijo que se colou à boca como dali não houvera saída. Era intenso, forte, penetrante o modo como ela o arrastava para si com a língua e uma perna em torno da cintura.


Todo aquele momento era primário, selvagem, sem travões ainda que, e…

Das razões

Quero-te pela desarrumação incompreensível que somos. Quero-te pela forma como me procuras à noite na cama, ainda a dormir, de modo instintivo, apenas para te recostares do mundo e amaciares no meu calor. Quero-te (tanto) quando sais do mar, feliz e salgado, qual criança livre agarrado à prancha como se fosse o teu bem mais precioso, a tua melhor amiga, a porta para o teu refúgio. Quero-te pelos beijos inesperados, lentos, que invadem qual descarga eléctrica, e afirmam sem hesitações desejo e amor. Quero-te pela forma como te afundas num livro e tudo à volta entra em pause-still e, mesmo assim, de repente tocas-me no joelho, no cabelo, dás-me a mão. Quero-te porque sei que acreditas em mim e não me questionas, crês que posso mudar o mundo. Quero-te pela tesão, confiança, cumplicidade e pelas saudades que temos, ainda, sempre, um do outro. Quero-te por te rires quando começo a cantar músicas que gosto e ouço a tocar, esteja onde esteja. Quero-te por dançarmos na rua se preciso entre ga…

Dos maldiitos

via boudoir photography

Agora acordo com mensagens que iluminam o telemóvel e em que dás conta de como pensas em mim antes de dormir. E que o queres partilhar comigo porque agora sentes saudades minhas. Agora recebo telefonemas sem hora nem expectativa e a voz é meiga e quente. Não ouço nada do que dizes, as palavras apenas são ditas mas há muito que já não têm peso ou impacto.
Antes foi a indecisão. O jogo dos que não se comprometem, que querem atalhos facilitados para um espaço confortável de repouso, salvação emocional momentânea, ilusão de pertença. Egoísta forma de ser que suga o querer dos outros para se sustentar, para sentir uma rede rápida de carinho e abraço mas que reclama para si a indisponibilidade de reciprocidade. Para quê? Se vos é dado grátis um sentimento para que serve o esforço de lutar por ele, qual o propósito de envolvimento, de estar, dar a mão, partilhar silêncios e perder a possibilidade de ter mais e mais, melhor, diferente, sempre mais, outras.
Era assim, ante…