Avançar para o conteúdo principal

A Viagem (repetição)

(texto datado de 22 Maio de 2011. Profético e apropriado.)


________________________________________________________________

A Viagem

Ela fingiu estar ainda a dormir, enquanto ele deambulava devagar e em silêncio pelo quarto, recolhendo as coisas. Susteve a respiração, deixou-se estar quieta sabendo que estava à beira das lágrimas. 

Ele estava de partida, viagem de trabalho, segundo o eufemismo. Ela sabia que ele não regressaria. Daí a um mês estaria a recolher o que ele deixasse em casa, para pôr numa caixa de cartão que ele apanharia num dia em que ela não estivesse em casa. Sabia-o.

O amor que lhe tinha não fora suficiente para aguentar tantos danos no casco. A distância física era mínima no dia-a-dia mas tremenda na ligação que haviam desenhado. Não falavam, ela isolava-se na sua solidão, ele estava presente sempre com a mente a vaguear por uma vida mais aventureira, bem disposta, que aproveitasse a época dos 30 que havia de findar.

Ele sentou-se ao lado dela e observou-a a dormir. O cabelo algo transpirado colava-se ao rosto, um rosto antes alegre e cheio de paixão, agora sempre contido e envelhecido. Mantinha os mesmos traços que o tinham levado a amá-la intensamente, contra família e amigos. Ganhara muitos quilos. E amargura. Lutava contra tristeza em vão, já sozinha porque ele desistira, impotente, de a ajudar. 

Amava-a, ainda. As suas mãos carinhosas a passar-lhe no rosto, despertavam-lhe o desejo. Mesmo assim, descobrira outras mulheres. De bem com vida, vaidosas do look tentador, cheias de sal no corpo bronzeado. Os amigos avisaram-no: iria deixar-se seduzir por essa renovada energia e já não voltaria atrás.

Depositou-le um beijo cheio de saudade, de agradecimento e de cobardia, na testa, e preparou-se para sair. Não iria voltar. Queria ser feliz e o refugio que haviam sido aqueles anos, já não lho permitia.

Sabia que não voltaria  a ser amado como fora, por ela. Mas o
cliché do vazio entre ambos e o desnorte do abandono a que ela se deixara abater vieram cedo de mais. Era algo muito forte. Como numa metáfora, o peso dela tornara-a o ambiente muito denso.

Ela ouviu a porta fechar, devagar. Esvaziou a mente. Preparou-se para voltar a dormir. Antes, de forma avassaladora, chorou. Estava, de facto, só. 

Comentários

Mensagens populares deste blogue

gaja à beira da loucura

Isto pode paracer a demência absoluta mas já estou por tudo. A Alexandra Solnado (isso mesmo, este post vai por esse caminho...) dizia numa entrevista, há umas semanas, ao promover o seu mais recente "livro" que a maioria das pessoas que lhe aparecem para consultas, são pessoas doentes - jura?!
Agora, a sério, as pessoas padecem de doenças fisicas e, no seu desespero, que nem é discutivel porque cada um saberá o que se sente quando se chega a esse patamar, procuram ajuda ou conforto no projecto da Alexandra Solnado (é assim que se chama). Posto isto, explicava a Alexandra Solnado que as doenças são, não obstante, reflexos de outros problemas mais antigos ou e a outros níveis. Não me recordo dos exemplos que ela dava mas era algo como pessoas que tinham tido muitos desgostos e uma vida marcada pela tristeza, desenvolviam uma doença grave em especifico, localizada numa área do corpo em particular. 
Ora, e dando o beneficio da duvida a esta teoria (pois que temos a perder?), gosta…

Inesperadamente, a semana passada

Uns dias bons.
O  25 de Abril. Comer caracóis, os primeiros deste ano. Passear e trabalhar no Porto, deambular nos Clérigos. Diariamente, sessões de The Newsroom e Melhor do Que Falecer. O Pedro Mexia e os ferrinhos na emissão especial do Governo Sombra (e a banda sonora e a Manuela Azevedo e as citações certeiras de Salazar bem seleccionadas por Ricardo Araujo Pereira). O Benfica, tão grande! Opá, o Benfica ❤️

A importância de se chamar Candidato

Numa altura em que as empresas recorrem cada vez mais às redes sociais para procurar candidatos a postos de trabalho (89%) e que 65% por cento é bem-sucedida, conseguindo contratações satisfatórias (Fonte: PR Comunicácion) convinha que as empresas de recrutamento e de executive search pensassem um bocadinho mais sobre o seu modus operandi.


Falo por experiência, por conhecimento e por não ter conseguido efectivar mudanças. 

O headhunter da velha guarda, armado em doutrina maquiavélica, que nunca leu, perspectiva o candidato como um meio para atingir um fim: facturar.  O candidato só serve enquanto servir os interesses do projecto. A satisfação do cliente é posta à frente de tudo e todos. Esta sobranceira linha de raciocínio,  a frio, tem alguma razão de ser. Quem paga as contas são os clientes. Como metodologia, é um erro crasso.
Num mercado concorrencial, um factor claramente diferenciador é a relação que se estabelece entre um consultor e os seus candidatos, pelo menos com aqueles que a…