Avançar para o conteúdo principal

6 graus de separação

Há uns 7 ou 8 anos, eu e o Moço juntámo-nos a um grupo de amigos e/ou conhecidos meus, e mais uns quantos desconhecidos, para participar num evento relacionado com uma 3ª pessoa, de quem eu era próxima. Semanalmente encontravamo-nos e preparava-mo-nos o que tínhamos a preparar. Grosso modo, o Moço não gostou de ninguém, excepto um outro participante, cara-metade de alguém que eu conhecia, na altura, há 11 anos. 

Até pela área profissional em que se movimentavam, era fácil terem tema de conversa nos intervalos. Inclusivamente, o Moço passou o contacto desse participante a um familiar, pois fazia sentido em termos profissionais.

Durante mais de um mês vimo-nos semanalmente e, depois do evento, vimo-nos esporadicamente durante um ano ou dois. Desde então, creio que não nos voltámos a encontrar. 

Há alguns dias, o Moço e o simpático participante reencontraram-se, estando este acompanhado da família que me conhece vai pra' quase 2 décadas. Falaram longamente do que têm feito nos últimos anos, das mudanças de carreira, falaram da tal familiar de quem o Moço havia dado o contacto, actualizaram contactos, ficaram de ir almoçar. Nem sequer lhes passou pela cabeça perguntar sequer se eu era viva, ao menos. Já não digo, mandar cumprimentos (seria pedir demais, eu percebo, dado que não precisam nada de mim, de momento, imagino!) mas nem por cortesia. Em 15 minutos a pessoa que unia a linha dos 6 pontos de separação, resumiu-se a uma única coisa: separação. 

Não, não éramos amigos, nunca fomos, a bem da verdade ('deusmalibre!) mas é bom ter noção do quão diminuto de facto é o nosso papel no universo. Porque nos dias em que há  duvidas se  posso ser demasiado obstinada em levar a minha avante e preferir estar só do que fazer fretes perante o cinismo socialmente correcto, e ter que aturar coisas que não me agradam só para dizer que tenho amigos, eis a resposta: NÃO!.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

A importância de se chamar Candidato

Numa altura em que as empresas recorrem cada vez mais às redes sociais para procurar candidatos a postos de trabalho (89%) e que 65% por cento é bem-sucedida, conseguindo contratações satisfatórias (Fonte: PR Comunicácion) convinha que as empresas de recrutamento e de executive search pensassem um bocadinho mais sobre o seu modus operandi.


Falo por experiência, por conhecimento e por não ter conseguido efectivar mudanças. 

O headhunter da velha guarda, armado em doutrina maquiavélica, que nunca leu, perspectiva o candidato como um meio para atingir um fim: facturar.  O candidato só serve enquanto servir os interesses do projecto. A satisfação do cliente é posta à frente de tudo e todos. Esta sobranceira linha de raciocínio,  a frio, tem alguma razão de ser. Quem paga as contas são os clientes. Como metodologia, é um erro crasso.
Num mercado concorrencial, um factor claramente diferenciador é a relação que se estabelece entre um consultor e os seus candidatos, pelo menos com aqueles que a…

gaja à beira da loucura

Isto pode paracer a demência absoluta mas já estou por tudo. A Alexandra Solnado (isso mesmo, este post vai por esse caminho...) dizia numa entrevista, há umas semanas, ao promover o seu mais recente "livro" que a maioria das pessoas que lhe aparecem para consultas, são pessoas doentes - jura?!
Agora, a sério, as pessoas padecem de doenças fisicas e, no seu desespero, que nem é discutivel porque cada um saberá o que se sente quando se chega a esse patamar, procuram ajuda ou conforto no projecto da Alexandra Solnado (é assim que se chama). Posto isto, explicava a Alexandra Solnado que as doenças são, não obstante, reflexos de outros problemas mais antigos ou e a outros níveis. Não me recordo dos exemplos que ela dava mas era algo como pessoas que tinham tido muitos desgostos e uma vida marcada pela tristeza, desenvolviam uma doença grave em especifico, localizada numa área do corpo em particular. 
Ora, e dando o beneficio da duvida a esta teoria (pois que temos a perder?), gosta…

Inesperadamente, a semana passada

Uns dias bons.
O  25 de Abril. Comer caracóis, os primeiros deste ano. Passear e trabalhar no Porto, deambular nos Clérigos. Diariamente, sessões de The Newsroom e Melhor do Que Falecer. O Pedro Mexia e os ferrinhos na emissão especial do Governo Sombra (e a banda sonora e a Manuela Azevedo e as citações certeiras de Salazar bem seleccionadas por Ricardo Araujo Pereira). O Benfica, tão grande! Opá, o Benfica ❤️