Avançar para o conteúdo principal

Alta Definição

(só o nome me faz lembrar o Rui Unas e fico logo com nauseas e urticária) ...

Como GOSTO da minha mui querida Kitty Lina, aqui vai:

  • Gosto de ler. Muito. Em casa, no autocarro, no café. Revistas, livros, tudo menos catálogos do DMail ou banda desenhada. Gostava de ter mais tempo para ler. Mais. Em miuda gostava de bibliotecas, que croma.
  • Gosto do Benfica. Fico ansiosa quando jogam. Irrita-me quando perdem mas gosto demasiado à mesma. E passa-me o ataquito. Não concebo ver jogos de outros clubes. Futebol é Benfica. Basquetebol, voleibol, atletismo, rugby é Benfica (ou os Lobos, vá). 
  • Gosto de dormir. É em mim uma forma de arte. Durmo tranquilamente um dia inteiro. Ou dois. Durmo em qualquer lado. Menos nos aviões (nunca andei em 1ª classe, facto!). E preciso de pelo menos 2 almofadas. 
  • Gosto de carteiras. Sou viciada. E de óculos de sol. Não há pancada maior. 
  • Gosto de ir ao cinema sozinha. E, em verdade, só mesmo sozinha. 
  • Gosto de secretárias espaçosas para arrumar cadernos, pastas, agendas, caixas e caixas de canetas, post-its e livros. E ainda conseguir escrever confortavelmente. Faço listas para tudo e, no trabalho, tenho um To Do List elaborado religiosamente. 
  • Gosto de café, de chocolate, de gelados, das batatas fritas do Burger King, de lattes e de chás frios do Starbucks, do cabrito da Tia Matilde, de ameijoas, caracóis e chouriço assado, de pão nan, da salada de frango com Mac & Cheese do Hard Rock, de bolas de berlim sem creme e de tarte de limão. E de café (repito, porque é duplamente importante).
  • Gosto de Portugal.
  • Gosto do Iphone, de hotéis, de frio, de mar, da Foz do Arelho, de quando os bébes dobram o riso, do Governo Sombra, do E Tudo Vento Levou, das Gilmore Girls, da Murphy Brown, de dar e receber presentes. 
  • Gosto de Nova Iorque, Londres e Milão. 
  • Gosto de maquilhagem, cremes de tratamento e perfumes!!!
  • Gosto de ser cheia arestas mas coerente. Gosto de ser irónica mesmo quando ninguém entende. Gosto quando me rio, mesmo sozinha. 



Não gosto ...

  • Não gosto de atrasos. 

  • Não gosto de calor em excesso. 
  • Não gosto de pessoas cuja opinião depende do dia e da companhia nem de pessoas que têm duplicidade de critérios. Não gosto (nada) de pessoas deslumbradas e petulantes.  
  • Não gosto de ter que me preocupar com dinheiro. Não gosto não poder tomar a decisão que neste momento tenho que tomar. 
  • Não gosto que gente estupida dite regras fascistas para pessoas como eu: que devia levantar-me às 5h da manhã para correr 10kms, ir 5 vezes ao ginásio, fazer maratonas todos fins de semana, comer saladas e iogurtes, não ter um namorado magro (como é possivel isso acontecer?), tapar-me o mais possivel (burkha?). Não gosto de donos da verdade. 
  • Não gosto dos anonimatos na blogosfera.
  • Não gosto da falta de cultura civica e modo de estar de desresponsabilização dos portugueses. 
  • Não gosto da falta de educação, de exigência e 'tou nem aí de alguns pais "moderninhos" para com as suas  crianças. 
  • Não gosto de não ir à praia. Faz-me infeliz. 
  • Não gosto de circo, de novelas, dos reality shows, da Anatomia de Grey, de peep toes com plataforma, de cebola e bróculos, da obsessão (moda/tentativa de parecer sofisticado) com sushi, de Pandora nem relogios Eletta Vilamoura, da Primark ou piercings no nariz e no umbigo. 
  • Não gosto que não digam "bom dia/boa tarde" nos elevadores. Ou pessoas que não conseguem pedir desculpa quando erram. 
  • Não gosto que me agarrem. 
  • Não gosto de viver em Portugal. 
  • Não gosto de contrafacção seja em objectos ou em personalidade. 
  • Não gosto falar do que sinto (e chateia-me muitoooooo que insistam). 

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Do arrebatamento

O vestido caiu facilmente. Estava apenas preso pelas alças nos ombros magros e deslizou com vontade declarada pelo corpo, até ao chão, enquanto ela acendia uma única luz de presença.

Beijou-lhe o ventre. Sentiu-o a tremer. Antecipação. Expectativa. Sentia-lhe o calor sem sequer tocar. Era como uma fonte inesgotável de desejo prestes a desmoronar-se com um toque. Os dedos enfiaram-se entre a pele e a linha das cuecas de renda fazendo-as sair com mestria. Estava liberta, da máscara de tecidos, não das demais camadas de protecção. Tal não a impedia de arfar baixinho e com satisfação sob um rosto que perdia vergonha a cada caída da cabeça para trás.


Nua, encostada à parede fria, costas arqueadas, totalmente exposta viu-a a desmontar-se com cuidado ao primeiro beijo que se colou à boca como dali não houvera saída. Era intenso, forte, penetrante o modo como ela o arrastava para si com a língua e uma perna em torno da cintura.


Todo aquele momento era primário, selvagem, sem travões ainda que, e…

Das razões

Quero-te pela desarrumação incompreensível que somos. Quero-te pela forma como me procuras à noite na cama, ainda a dormir, de modo instintivo, apenas para te recostares do mundo e amaciares no meu calor. Quero-te (tanto) quando sais do mar, feliz e salgado, qual criança livre agarrado à prancha como se fosse o teu bem mais precioso, a tua melhor amiga, a porta para o teu refúgio. Quero-te pelos beijos inesperados, lentos, que invadem qual descarga eléctrica, e afirmam sem hesitações desejo e amor. Quero-te pela forma como te afundas num livro e tudo à volta entra em pause-still e, mesmo assim, de repente tocas-me no joelho, no cabelo, dás-me a mão. Quero-te porque sei que acreditas em mim e não me questionas, crês que posso mudar o mundo. Quero-te pela tesão, confiança, cumplicidade e pelas saudades que temos, ainda, sempre, um do outro. Quero-te por te rires quando começo a cantar músicas que gosto e ouço a tocar, esteja onde esteja. Quero-te por dançarmos na rua se preciso entre ga…

Dos maldiitos

via boudoir photography

Agora acordo com mensagens que iluminam o telemóvel e em que dás conta de como pensas em mim antes de dormir. E que o queres partilhar comigo porque agora sentes saudades minhas. Agora recebo telefonemas sem hora nem expectativa e a voz é meiga e quente. Não ouço nada do que dizes, as palavras apenas são ditas mas há muito que já não têm peso ou impacto.
Antes foi a indecisão. O jogo dos que não se comprometem, que querem atalhos facilitados para um espaço confortável de repouso, salvação emocional momentânea, ilusão de pertença. Egoísta forma de ser que suga o querer dos outros para se sustentar, para sentir uma rede rápida de carinho e abraço mas que reclama para si a indisponibilidade de reciprocidade. Para quê? Se vos é dado grátis um sentimento para que serve o esforço de lutar por ele, qual o propósito de envolvimento, de estar, dar a mão, partilhar silêncios e perder a possibilidade de ter mais e mais, melhor, diferente, sempre mais, outras.
Era assim, ante…