Avançar para o conteúdo principal

Alta Definição

(só o nome me faz lembrar o Rui Unas e fico logo com nauseas e urticária) ...

Como GOSTO da minha mui querida Kitty Lina, aqui vai:

  • Gosto de ler. Muito. Em casa, no autocarro, no café. Revistas, livros, tudo menos catálogos do DMail ou banda desenhada. Gostava de ter mais tempo para ler. Mais. Em miuda gostava de bibliotecas, que croma.
  • Gosto do Benfica. Fico ansiosa quando jogam. Irrita-me quando perdem mas gosto demasiado à mesma. E passa-me o ataquito. Não concebo ver jogos de outros clubes. Futebol é Benfica. Basquetebol, voleibol, atletismo, rugby é Benfica (ou os Lobos, vá). 
  • Gosto de dormir. É em mim uma forma de arte. Durmo tranquilamente um dia inteiro. Ou dois. Durmo em qualquer lado. Menos nos aviões (nunca andei em 1ª classe, facto!). E preciso de pelo menos 2 almofadas. 
  • Gosto de carteiras. Sou viciada. E de óculos de sol. Não há pancada maior. 
  • Gosto de ir ao cinema sozinha. E, em verdade, só mesmo sozinha. 
  • Gosto de secretárias espaçosas para arrumar cadernos, pastas, agendas, caixas e caixas de canetas, post-its e livros. E ainda conseguir escrever confortavelmente. Faço listas para tudo e, no trabalho, tenho um To Do List elaborado religiosamente. 
  • Gosto de café, de chocolate, de gelados, das batatas fritas do Burger King, de lattes e de chás frios do Starbucks, do cabrito da Tia Matilde, de ameijoas, caracóis e chouriço assado, de pão nan, da salada de frango com Mac & Cheese do Hard Rock, de bolas de berlim sem creme e de tarte de limão. E de café (repito, porque é duplamente importante).
  • Gosto de Portugal.
  • Gosto do Iphone, de hotéis, de frio, de mar, da Foz do Arelho, de quando os bébes dobram o riso, do Governo Sombra, do E Tudo Vento Levou, das Gilmore Girls, da Murphy Brown, de dar e receber presentes. 
  • Gosto de Nova Iorque, Londres e Milão. 
  • Gosto de maquilhagem, cremes de tratamento e perfumes!!!
  • Gosto de ser cheia arestas mas coerente. Gosto de ser irónica mesmo quando ninguém entende. Gosto quando me rio, mesmo sozinha. 



Não gosto ...

  • Não gosto de atrasos. 

  • Não gosto de calor em excesso. 
  • Não gosto de pessoas cuja opinião depende do dia e da companhia nem de pessoas que têm duplicidade de critérios. Não gosto (nada) de pessoas deslumbradas e petulantes.  
  • Não gosto de ter que me preocupar com dinheiro. Não gosto não poder tomar a decisão que neste momento tenho que tomar. 
  • Não gosto que gente estupida dite regras fascistas para pessoas como eu: que devia levantar-me às 5h da manhã para correr 10kms, ir 5 vezes ao ginásio, fazer maratonas todos fins de semana, comer saladas e iogurtes, não ter um namorado magro (como é possivel isso acontecer?), tapar-me o mais possivel (burkha?). Não gosto de donos da verdade. 
  • Não gosto dos anonimatos na blogosfera.
  • Não gosto da falta de cultura civica e modo de estar de desresponsabilização dos portugueses. 
  • Não gosto da falta de educação, de exigência e 'tou nem aí de alguns pais "moderninhos" para com as suas  crianças. 
  • Não gosto de não ir à praia. Faz-me infeliz. 
  • Não gosto de circo, de novelas, dos reality shows, da Anatomia de Grey, de peep toes com plataforma, de cebola e bróculos, da obsessão (moda/tentativa de parecer sofisticado) com sushi, de Pandora nem relogios Eletta Vilamoura, da Primark ou piercings no nariz e no umbigo. 
  • Não gosto que não digam "bom dia/boa tarde" nos elevadores. Ou pessoas que não conseguem pedir desculpa quando erram. 
  • Não gosto que me agarrem. 
  • Não gosto de viver em Portugal. 
  • Não gosto de contrafacção seja em objectos ou em personalidade. 
  • Não gosto falar do que sinto (e chateia-me muitoooooo que insistam). 

Comentários

Mensagens populares deste blogue

gaja à beira da loucura

Isto pode paracer a demência absoluta mas já estou por tudo. A Alexandra Solnado (isso mesmo, este post vai por esse caminho...) dizia numa entrevista, há umas semanas, ao promover o seu mais recente "livro" que a maioria das pessoas que lhe aparecem para consultas, são pessoas doentes - jura?!
Agora, a sério, as pessoas padecem de doenças fisicas e, no seu desespero, que nem é discutivel porque cada um saberá o que se sente quando se chega a esse patamar, procuram ajuda ou conforto no projecto da Alexandra Solnado (é assim que se chama). Posto isto, explicava a Alexandra Solnado que as doenças são, não obstante, reflexos de outros problemas mais antigos ou e a outros níveis. Não me recordo dos exemplos que ela dava mas era algo como pessoas que tinham tido muitos desgostos e uma vida marcada pela tristeza, desenvolviam uma doença grave em especifico, localizada numa área do corpo em particular. 
Ora, e dando o beneficio da duvida a esta teoria (pois que temos a perder?), gosta…

Inesperadamente, a semana passada

Uns dias bons.
O  25 de Abril. Comer caracóis, os primeiros deste ano. Passear e trabalhar no Porto, deambular nos Clérigos. Diariamente, sessões de The Newsroom e Melhor do Que Falecer. O Pedro Mexia e os ferrinhos na emissão especial do Governo Sombra (e a banda sonora e a Manuela Azevedo e as citações certeiras de Salazar bem seleccionadas por Ricardo Araujo Pereira). O Benfica, tão grande! Opá, o Benfica ❤️

A importância de se chamar Candidato

Numa altura em que as empresas recorrem cada vez mais às redes sociais para procurar candidatos a postos de trabalho (89%) e que 65% por cento é bem-sucedida, conseguindo contratações satisfatórias (Fonte: PR Comunicácion) convinha que as empresas de recrutamento e de executive search pensassem um bocadinho mais sobre o seu modus operandi.


Falo por experiência, por conhecimento e por não ter conseguido efectivar mudanças. 

O headhunter da velha guarda, armado em doutrina maquiavélica, que nunca leu, perspectiva o candidato como um meio para atingir um fim: facturar.  O candidato só serve enquanto servir os interesses do projecto. A satisfação do cliente é posta à frente de tudo e todos. Esta sobranceira linha de raciocínio,  a frio, tem alguma razão de ser. Quem paga as contas são os clientes. Como metodologia, é um erro crasso.
Num mercado concorrencial, um factor claramente diferenciador é a relação que se estabelece entre um consultor e os seus candidatos, pelo menos com aqueles que a…