Avançar para o conteúdo principal

E um dia

Um dia percebes que já não te levarão a Paris, só porque sim, para um fim de semana de borboletas no estômago a ignorar franceses; ou a Londres, para passeios sob o frio e compras. Que não receberás flores ao fim de um dia cansativo só para te sentires amada, ou numa manha de sábado para que as peónias te iluminem o fim de semana. Que ninguém te organizará uma festa de aniversario surpresa porque ninguém gosta de facto assim tanto de ti, independentemente das palavras vazias e soltas. Ninguém te dará uma jóia por mais simples que seja, como umas pérolas, ou um acessório inesquecível, sob as estrelas mágicas natalícias. Não saborearás amêijoas num domingo solarengo numa esplanada de praia. Não acordarás numa cama de hotel, com vista sobre a cidade e o Tejo, em paz e em modo OFF. Que não verás o por de sol na Comporta. Um dia, ganhamos consciência que nenhum Rhett Buttler nos amará ao ponto de nos comprar um closet cheio de roupa. Não é que não soubéssemos, mas vivíamos em "denial". Não virá o Rhett. Chama-se a isto, "face the brutal facts". Ou envelhecer. Ou viver com a vida que se tem.

Comentários

Será perceber e ganhar consciencia que sempre que se desconsideram os pequenos gestos de carinho, que existiam sem a égide da Prada ou do Hotel mais chique da Europa ou da praia mais in, causa-se a extinção dessa espécie de gestos? Talvez sim.
Todos os que ainda te damos, as singelas palavras e gestos de carinho, é porque de facto gostamos de ti, mesmo que nunca tenhamos suficiente glamour/estilo/elan para te satisfazer. Gostamos e resistimos. Da nossa maneira, gerindo a frustração que causas em nós por não chegar ao que almejas, continuamos a querer dar-te sorrisos, carinho, surpresas.
Somos medíocres? Não, mas também gostamos de café que não seja o Starbucks.
Depois de amar um seixo de praia conseguimos dar um diamante, mas amar verdadeiramente o gesto que de dar.

Mensagens populares deste blogue

Do arrebatamento

O vestido caiu facilmente. Estava apenas preso pelas alças nos ombros magros e deslizou com vontade declarada pelo corpo, até ao chão, enquanto ela acendia uma única luz de presença.

Beijou-lhe o ventre. Sentiu-o a tremer. Antecipação. Expectativa. Sentia-lhe o calor sem sequer tocar. Era como uma fonte inesgotável de desejo prestes a desmoronar-se com um toque. Os dedos enfiaram-se entre a pele e a linha das cuecas de renda fazendo-as sair com mestria. Estava liberta, da máscara de tecidos, não das demais camadas de protecção. Tal não a impedia de arfar baixinho e com satisfação sob um rosto que perdia vergonha a cada caída da cabeça para trás.


Nua, encostada à parede fria, costas arqueadas, totalmente exposta viu-a a desmontar-se com cuidado ao primeiro beijo que se colou à boca como dali não houvera saída. Era intenso, forte, penetrante o modo como ela o arrastava para si com a língua e uma perna em torno da cintura.


Todo aquele momento era primário, selvagem, sem travões ainda que, e…

Das razões

Quero-te pela desarrumação incompreensível que somos. Quero-te pela forma como me procuras à noite na cama, ainda a dormir, de modo instintivo, apenas para te recostares do mundo e amaciares no meu calor. Quero-te (tanto) quando sais do mar, feliz e salgado, qual criança livre agarrado à prancha como se fosse o teu bem mais precioso, a tua melhor amiga, a porta para o teu refúgio. Quero-te pelos beijos inesperados, lentos, que invadem qual descarga eléctrica, e afirmam sem hesitações desejo e amor. Quero-te pela forma como te afundas num livro e tudo à volta entra em pause-still e, mesmo assim, de repente tocas-me no joelho, no cabelo, dás-me a mão. Quero-te porque sei que acreditas em mim e não me questionas, crês que posso mudar o mundo. Quero-te pela tesão, confiança, cumplicidade e pelas saudades que temos, ainda, sempre, um do outro. Quero-te por te rires quando começo a cantar músicas que gosto e ouço a tocar, esteja onde esteja. Quero-te por dançarmos na rua se preciso entre ga…

Dos maldiitos

via boudoir photography

Agora acordo com mensagens que iluminam o telemóvel e em que dás conta de como pensas em mim antes de dormir. E que o queres partilhar comigo porque agora sentes saudades minhas. Agora recebo telefonemas sem hora nem expectativa e a voz é meiga e quente. Não ouço nada do que dizes, as palavras apenas são ditas mas há muito que já não têm peso ou impacto.
Antes foi a indecisão. O jogo dos que não se comprometem, que querem atalhos facilitados para um espaço confortável de repouso, salvação emocional momentânea, ilusão de pertença. Egoísta forma de ser que suga o querer dos outros para se sustentar, para sentir uma rede rápida de carinho e abraço mas que reclama para si a indisponibilidade de reciprocidade. Para quê? Se vos é dado grátis um sentimento para que serve o esforço de lutar por ele, qual o propósito de envolvimento, de estar, dar a mão, partilhar silêncios e perder a possibilidade de ter mais e mais, melhor, diferente, sempre mais, outras.
Era assim, ante…