Avançar para o conteúdo principal

Já a formiga tem catarro

Fui fazer um exame médico de rotina, coisas chatas mas as coisas são como são, lá diz o Tio Pipoco, e com pouca vontade e muita pressa que aquilo acabe, de sorriso amarelo, lá se enfrenta a coisa.

Já de bata vestida, deitada na marquesa enquanto esperava que a máquina ficasse pronta, a enfermeira faz umas perguntas normais e eis que vislumbro a mudança de expressão no rosto da senhora que me começa a mexer nas pernas discretamente e faz uma inflexão na linha de questionário. Começa a ser de tal modo estranho, que a ansiedade dá um coice sobretudo quando me diz que vai chamar um médico "que esteja por ali". O ali é a Imagiologia, não há medicos de plantão.

Quando, por fim, regressa com um começam a examinare as pernas, os pés, depois os braços e prosseguem com as questões fora de contexto.

Oh pá, então não é que acharam as minhas extremidades inferiores demasiado brancas, vulgo pálidas, e portanto soou-lhes uma campainha de alerta e já me queriam fazer testes de urgência? Achavam que eu era zombie da cintura para baixo?

E eu, entre o envergonhada e impaciente, a tentar explicar-lhes que este corpo não faz praia desde 2008, não se expõe ao sol desde 2009 (e mesmo assim numa dose pra' lá de minima) e estas pernas só conhecem calças vai pra' mais de 3 anos... Logo dificilmente, sem exposição aos elementos, é dificil não ser translúcida!

Mas, e ouvirem-me?! Ah, pois, é que não eram argumentos crediveis (perdão?!), era melhor não correr riscos, um filme. Acabou esta brincadeira quando dei um berro e expliquei com muita calma que me falta melanina porque sim, para não me arranjarem mais doenças e me deixarem, a mim e aos pés de albino, em paz.

A sério, quanto mais tenho que aguentar? Tanta proactividade benzadeus!

Comentários

Noa disse…
Ahah a preocupação levada ao exagero :D
Anónimo disse…
Enão mas não é melhor assim?? ;)
It's a g-g-g-g-ghost! :DDD
Mónica disse…
Sim, palmier, dado que tantos me acham uma assombração é possível que seja um ghost. E sim mary sou um choco sem tinta

Mensagens populares deste blogue

Dos maldiitos

via boudoir photography

Agora acordo com mensagens que iluminam o telemóvel e em que dás conta de como pensas em mim antes de dormir. E que o queres partilhar comigo porque agora sentes saudades minhas. Agora recebo telefonemas sem hora nem expectativa e a voz é meiga e quente. Não ouço nada do que dizes, as palavras apenas são ditas mas há muito que já não têm peso ou impacto.
Antes foi a indecisão. O jogo dos que não se comprometem, que querem atalhos facilitados para um espaço confortável de repouso, salvação emocional momentânea, ilusão de pertença. Egoísta forma de ser que suga o querer dos outros para se sustentar, para sentir uma rede rápida de carinho e abraço mas que reclama para si a indisponibilidade de reciprocidade. Para quê? Se vos é dado grátis um sentimento para que serve o esforço de lutar por ele, qual o propósito de envolvimento, de estar, dar a mão, partilhar silêncios e perder a possibilidade de ter mais e mais, melhor, diferente, sempre mais, outras.
Era assim, ante…

Do arrebatamento

O vestido caiu facilmente. Estava apenas preso pelas alças nos ombros magros e deslizou com vontade declarada pelo corpo, até ao chão, enquanto ela acendia uma única luz de presença.

Beijou-lhe o ventre. Sentiu-o a tremer. Antecipação. Expectativa. Sentia-lhe o calor sem sequer tocar. Era como uma fonte inesgotável de desejo prestes a desmoronar-se com um toque. Os dedos enfiaram-se entre a pele e a linha das cuecas de renda fazendo-as sair com mestria. Estava liberta, da máscara de tecidos, não das demais camadas de protecção. Tal não a impedia de arfar baixinho e com satisfação sob um rosto que perdia vergonha a cada caída da cabeça para trás.


Nua, encostada à parede fria, costas arqueadas, totalmente exposta viu-a a desmontar-se com cuidado ao primeiro beijo que se colou à boca como dali não houvera saída. Era intenso, forte, penetrante o modo como ela o arrastava para si com a língua e uma perna em torno da cintura.


Todo aquele momento era primário, selvagem, sem travões ainda que, e…

Das razões

Quero-te pela desarrumação incompreensível que somos. Quero-te pela forma como me procuras à noite na cama, ainda a dormir, de modo instintivo, apenas para te recostares do mundo e amaciares no meu calor. Quero-te (tanto) quando sais do mar, feliz e salgado, qual criança livre agarrado à prancha como se fosse o teu bem mais precioso, a tua melhor amiga, a porta para o teu refúgio. Quero-te pelos beijos inesperados, lentos, que invadem qual descarga eléctrica, e afirmam sem hesitações desejo e amor. Quero-te pela forma como te afundas num livro e tudo à volta entra em pause-still e, mesmo assim, de repente tocas-me no joelho, no cabelo, dás-me a mão. Quero-te porque sei que acreditas em mim e não me questionas, crês que posso mudar o mundo. Quero-te pela tesão, confiança, cumplicidade e pelas saudades que temos, ainda, sempre, um do outro. Quero-te por te rires quando começo a cantar músicas que gosto e ouço a tocar, esteja onde esteja. Quero-te por dançarmos na rua se preciso entre ga…