Avançar para o conteúdo principal

há pessoas mais honestas no Pq. Eduado VII





De acordo com a Revista Sábado nº 448 de 29 de Novembro de 2012, o Governo espanhol está a analisar conceder atribuições de residência a estrangeiros que adquiram imóveis em Espanha por valores acima dos 160.000€. 

Já a Hungria equaciona conceder o estatuto de cidadania a todo e aquele individuo que compre títulos de divida publica do país a partir de 250.000€.

Ou seja, candidatos a lavagem de dinheiro, patrões de redes de tráfico de droga e/ou tráfico humano, corruptos de países terceiros, qualquer um que queira um passaporte comunitário, um livre trânsito europeu, só tem que comprar um T1 no Barrio de Salamanca.

Eu percebo a urgência dos países descapitalizados em atrair investimento mas vender cartões de cidadão ao desbarato? Ao preço de uma tarde de compras da amante de um gangster psicopata russo ou de um capricho de um produtor de petróleo e criador de camelos do Médio Oriente.

Ondas de emigrantes vieram, contribuiram com trabalho e para ter uma licença de residencia em Espanha (e já não falemos da Hungria e o clima estranho, cada vez mais radical, que por lá se vive) tiveram muitas vezes dificuldades, esperaram anos e enfrentaram sempre o preconceito de serem "cidadãos" menores.

E, agora, a coisa é mais fácil que nem putedo. É que as putas têm, por norma, um código de honra. 

Comentários

Olha que por cá também se faz isso...
Mónica disse…
o paulinho também quer fazer mas com uma diferença: é um milhão. a fasquia está mais alta! vai dar ao mesmo, é um facto mas já se pode argumentar investimento vs "rapidinha"
É uma coisa Parque Eduardo VII vs Elefante Branco... :DDD

Mensagens populares deste blogue

gaja à beira da loucura

Isto pode paracer a demência absoluta mas já estou por tudo. A Alexandra Solnado (isso mesmo, este post vai por esse caminho...) dizia numa entrevista, há umas semanas, ao promover o seu mais recente "livro" que a maioria das pessoas que lhe aparecem para consultas, são pessoas doentes - jura?!
Agora, a sério, as pessoas padecem de doenças fisicas e, no seu desespero, que nem é discutivel porque cada um saberá o que se sente quando se chega a esse patamar, procuram ajuda ou conforto no projecto da Alexandra Solnado (é assim que se chama). Posto isto, explicava a Alexandra Solnado que as doenças são, não obstante, reflexos de outros problemas mais antigos ou e a outros níveis. Não me recordo dos exemplos que ela dava mas era algo como pessoas que tinham tido muitos desgostos e uma vida marcada pela tristeza, desenvolviam uma doença grave em especifico, localizada numa área do corpo em particular. 
Ora, e dando o beneficio da duvida a esta teoria (pois que temos a perder?), gosta…

Inesperadamente, a semana passada

Uns dias bons.
O  25 de Abril. Comer caracóis, os primeiros deste ano. Passear e trabalhar no Porto, deambular nos Clérigos. Diariamente, sessões de The Newsroom e Melhor do Que Falecer. O Pedro Mexia e os ferrinhos na emissão especial do Governo Sombra (e a banda sonora e a Manuela Azevedo e as citações certeiras de Salazar bem seleccionadas por Ricardo Araujo Pereira). O Benfica, tão grande! Opá, o Benfica ❤️

A importância de se chamar Candidato

Numa altura em que as empresas recorrem cada vez mais às redes sociais para procurar candidatos a postos de trabalho (89%) e que 65% por cento é bem-sucedida, conseguindo contratações satisfatórias (Fonte: PR Comunicácion) convinha que as empresas de recrutamento e de executive search pensassem um bocadinho mais sobre o seu modus operandi.


Falo por experiência, por conhecimento e por não ter conseguido efectivar mudanças. 

O headhunter da velha guarda, armado em doutrina maquiavélica, que nunca leu, perspectiva o candidato como um meio para atingir um fim: facturar.  O candidato só serve enquanto servir os interesses do projecto. A satisfação do cliente é posta à frente de tudo e todos. Esta sobranceira linha de raciocínio,  a frio, tem alguma razão de ser. Quem paga as contas são os clientes. Como metodologia, é um erro crasso.
Num mercado concorrencial, um factor claramente diferenciador é a relação que se estabelece entre um consultor e os seus candidatos, pelo menos com aqueles que a…