Avançar para o conteúdo principal

I have a dream

Com estas maravilhas sociológicas todas com as quais temos sido brindados, nós comuns mortais, arredados das luzes da ribalta, do brilho da sofisticação e dos front rows, tão a milhas dos seres bling bling da blogosfera, considero sinceramente ser generosa com um canal de televisão nos antípodas da minha pessoa.

Ora, tivemos a Samsung com o bando de tontos e sua inerente incapacidade para articular uma ideia interessante que fosse nos seus fofos monólogos. 

Hoje foi o deslumbre do vídeo promocional do Diário de um Baton ao som do George Michael (temi que a moça tivesse também lingerie made in Fotosport e a mostrasse). 

Amanhã vai rodar a baiana de como há muito blogger a ganhar e bem com esta coisa das marcas baixarem as calcinhas e os posts serem, nos blogs com mais visualizações, 10% inocentes (e todo o restante, pagos)... Há sempre aquele momento delicioso em que "A" anda 2 semanas a escrever, a fazer previews e a mostrar fotografias da campanha das galochas do Jumbo, que protagoniza, e 3 dias depois vai à festa (muito mais gira e chique) das galochas das Hawaianas! 

E o tema é empurrado para os jornalistas que recebem amostras de produtos, mas e então e os jornalistas-bloggers que sem problemas assumem que alugam banners nos seus blogs mas também usam estes quer para divulgar os seus trabalhos jornalisticos como para arranjar conteúdos para peças (pelo meio a carteira jornalistica, onde anda mesmo?).

Assim sendo, proponho uma Casa dos Segredos Bloggers! É um "programa" popular nestes circulos blogosféricos, haveria casais, rivalidades, disputas, ciumeiras, Ipads para status em real time no Facebook,  podiam andar de equipamento de running, tão em voga para essa gente toda, o dia inteiro, com menus detox Liquid-Origem, e quando a fomeca apertasse era ver o estilo Primark a vir ao de cima e a louça partir toda. Ía ser um sucesso.

E, depois, saiam e escreviam cada um o seu livro a contar a história (assim como assim já andam pra' aí armados em grandes referências da literatura pop-moderna ou do styling icónico massificado) e faziam um grande jantar num hotel a precisar de promoção (nunca no Ritz ou na Lapa porque saberiam lá pegar nos talheres, pelos deuses!). Eu aposto na gaja com as mamas maiores. Já ganhou! 

TVI, temos programa? Vale ouro!

Comentários

Eh Pah! Eu ofereço-me já para ser a primeira a entrar na casa! :DDD
Mónica disse…
palmier, creio que não te aguentavas. afogavas alguém na piscina ao fim de meia hora. E talvez te falte silicone. Digo eu!
lucia disse…
ahahah! exactamente o que eu penso!

Mensagens populares deste blogue

Do arrebatamento

O vestido caiu facilmente. Estava apenas preso pelas alças nos ombros magros e deslizou com vontade declarada pelo corpo, até ao chão, enquanto ela acendia uma única luz de presença.

Beijou-lhe o ventre. Sentiu-o a tremer. Antecipação. Expectativa. Sentia-lhe o calor sem sequer tocar. Era como uma fonte inesgotável de desejo prestes a desmoronar-se com um toque. Os dedos enfiaram-se entre a pele e a linha das cuecas de renda fazendo-as sair com mestria. Estava liberta, da máscara de tecidos, não das demais camadas de protecção. Tal não a impedia de arfar baixinho e com satisfação sob um rosto que perdia vergonha a cada caída da cabeça para trás.


Nua, encostada à parede fria, costas arqueadas, totalmente exposta viu-a a desmontar-se com cuidado ao primeiro beijo que se colou à boca como dali não houvera saída. Era intenso, forte, penetrante o modo como ela o arrastava para si com a língua e uma perna em torno da cintura.


Todo aquele momento era primário, selvagem, sem travões ainda que, e…

Das razões

Quero-te pela desarrumação incompreensível que somos. Quero-te pela forma como me procuras à noite na cama, ainda a dormir, de modo instintivo, apenas para te recostares do mundo e amaciares no meu calor. Quero-te (tanto) quando sais do mar, feliz e salgado, qual criança livre agarrado à prancha como se fosse o teu bem mais precioso, a tua melhor amiga, a porta para o teu refúgio. Quero-te pelos beijos inesperados, lentos, que invadem qual descarga eléctrica, e afirmam sem hesitações desejo e amor. Quero-te pela forma como te afundas num livro e tudo à volta entra em pause-still e, mesmo assim, de repente tocas-me no joelho, no cabelo, dás-me a mão. Quero-te porque sei que acreditas em mim e não me questionas, crês que posso mudar o mundo. Quero-te pela tesão, confiança, cumplicidade e pelas saudades que temos, ainda, sempre, um do outro. Quero-te por te rires quando começo a cantar músicas que gosto e ouço a tocar, esteja onde esteja. Quero-te por dançarmos na rua se preciso entre ga…

Dos maldiitos

via boudoir photography

Agora acordo com mensagens que iluminam o telemóvel e em que dás conta de como pensas em mim antes de dormir. E que o queres partilhar comigo porque agora sentes saudades minhas. Agora recebo telefonemas sem hora nem expectativa e a voz é meiga e quente. Não ouço nada do que dizes, as palavras apenas são ditas mas há muito que já não têm peso ou impacto.
Antes foi a indecisão. O jogo dos que não se comprometem, que querem atalhos facilitados para um espaço confortável de repouso, salvação emocional momentânea, ilusão de pertença. Egoísta forma de ser que suga o querer dos outros para se sustentar, para sentir uma rede rápida de carinho e abraço mas que reclama para si a indisponibilidade de reciprocidade. Para quê? Se vos é dado grátis um sentimento para que serve o esforço de lutar por ele, qual o propósito de envolvimento, de estar, dar a mão, partilhar silêncios e perder a possibilidade de ter mais e mais, melhor, diferente, sempre mais, outras.
Era assim, ante…