Avançar para o conteúdo principal

I have a dream

Com estas maravilhas sociológicas todas com as quais temos sido brindados, nós comuns mortais, arredados das luzes da ribalta, do brilho da sofisticação e dos front rows, tão a milhas dos seres bling bling da blogosfera, considero sinceramente ser generosa com um canal de televisão nos antípodas da minha pessoa.

Ora, tivemos a Samsung com o bando de tontos e sua inerente incapacidade para articular uma ideia interessante que fosse nos seus fofos monólogos. 

Hoje foi o deslumbre do vídeo promocional do Diário de um Baton ao som do George Michael (temi que a moça tivesse também lingerie made in Fotosport e a mostrasse). 

Amanhã vai rodar a baiana de como há muito blogger a ganhar e bem com esta coisa das marcas baixarem as calcinhas e os posts serem, nos blogs com mais visualizações, 10% inocentes (e todo o restante, pagos)... Há sempre aquele momento delicioso em que "A" anda 2 semanas a escrever, a fazer previews e a mostrar fotografias da campanha das galochas do Jumbo, que protagoniza, e 3 dias depois vai à festa (muito mais gira e chique) das galochas das Hawaianas! 

E o tema é empurrado para os jornalistas que recebem amostras de produtos, mas e então e os jornalistas-bloggers que sem problemas assumem que alugam banners nos seus blogs mas também usam estes quer para divulgar os seus trabalhos jornalisticos como para arranjar conteúdos para peças (pelo meio a carteira jornalistica, onde anda mesmo?).

Assim sendo, proponho uma Casa dos Segredos Bloggers! É um "programa" popular nestes circulos blogosféricos, haveria casais, rivalidades, disputas, ciumeiras, Ipads para status em real time no Facebook,  podiam andar de equipamento de running, tão em voga para essa gente toda, o dia inteiro, com menus detox Liquid-Origem, e quando a fomeca apertasse era ver o estilo Primark a vir ao de cima e a louça partir toda. Ía ser um sucesso.

E, depois, saiam e escreviam cada um o seu livro a contar a história (assim como assim já andam pra' aí armados em grandes referências da literatura pop-moderna ou do styling icónico massificado) e faziam um grande jantar num hotel a precisar de promoção (nunca no Ritz ou na Lapa porque saberiam lá pegar nos talheres, pelos deuses!). Eu aposto na gaja com as mamas maiores. Já ganhou! 

TVI, temos programa? Vale ouro!

Comentários

Eh Pah! Eu ofereço-me já para ser a primeira a entrar na casa! :DDD
Mónica disse…
palmier, creio que não te aguentavas. afogavas alguém na piscina ao fim de meia hora. E talvez te falte silicone. Digo eu!
lucia disse…
ahahah! exactamente o que eu penso!

Mensagens populares deste blogue

A importância de se chamar Candidato

Numa altura em que as empresas recorrem cada vez mais às redes sociais para procurar candidatos a postos de trabalho (89%) e que 65% por cento é bem-sucedida, conseguindo contratações satisfatórias (Fonte: PR Comunicácion) convinha que as empresas de recrutamento e de executive search pensassem um bocadinho mais sobre o seu modus operandi.


Falo por experiência, por conhecimento e por não ter conseguido efectivar mudanças. 

O headhunter da velha guarda, armado em doutrina maquiavélica, que nunca leu, perspectiva o candidato como um meio para atingir um fim: facturar.  O candidato só serve enquanto servir os interesses do projecto. A satisfação do cliente é posta à frente de tudo e todos. Esta sobranceira linha de raciocínio,  a frio, tem alguma razão de ser. Quem paga as contas são os clientes. Como metodologia, é um erro crasso.
Num mercado concorrencial, um factor claramente diferenciador é a relação que se estabelece entre um consultor e os seus candidatos, pelo menos com aqueles que a…

gaja à beira da loucura

Isto pode paracer a demência absoluta mas já estou por tudo. A Alexandra Solnado (isso mesmo, este post vai por esse caminho...) dizia numa entrevista, há umas semanas, ao promover o seu mais recente "livro" que a maioria das pessoas que lhe aparecem para consultas, são pessoas doentes - jura?!
Agora, a sério, as pessoas padecem de doenças fisicas e, no seu desespero, que nem é discutivel porque cada um saberá o que se sente quando se chega a esse patamar, procuram ajuda ou conforto no projecto da Alexandra Solnado (é assim que se chama). Posto isto, explicava a Alexandra Solnado que as doenças são, não obstante, reflexos de outros problemas mais antigos ou e a outros níveis. Não me recordo dos exemplos que ela dava mas era algo como pessoas que tinham tido muitos desgostos e uma vida marcada pela tristeza, desenvolviam uma doença grave em especifico, localizada numa área do corpo em particular. 
Ora, e dando o beneficio da duvida a esta teoria (pois que temos a perder?), gosta…

Inesperadamente, a semana passada

Uns dias bons.
O  25 de Abril. Comer caracóis, os primeiros deste ano. Passear e trabalhar no Porto, deambular nos Clérigos. Diariamente, sessões de The Newsroom e Melhor do Que Falecer. O Pedro Mexia e os ferrinhos na emissão especial do Governo Sombra (e a banda sonora e a Manuela Azevedo e as citações certeiras de Salazar bem seleccionadas por Ricardo Araujo Pereira). O Benfica, tão grande! Opá, o Benfica ❤️