Avançar para o conteúdo principal

aquela coisa anual

Faço anos. Daqui a uns dias (too close).


Todos os anos, sobretudo nos últimos 3 anos, tenho-me sentido uma merda quando chega a data.


Cheira-me que não vai ser excepção. 


Não sou pessoa para conviver bem com a idade vs. não me sentir propriamente feliz com aquilo que sou e com a velocidade do tempo e como de repente parece esse tempo se esvaiu sem darmos conta. 

Citando algo que o Herman José outro dia escrevia no Facebook, "profite de ta jeunesse, c'est elle la vraie richesse...", que lhe terá dito São Schlumberger para exemplificar na perfeição o que sinto. E fico com uma puta de uma neura.


Para baralhar isto tudo, com as Tabelas de IRS a bombar mais a Taxa de Solidariedade (sacana de nome mais lixado!) estou ainda com os nervos mais em franja e com uma vontade desvairada de consumir... 

Assim, coisas que se pudesse oferecia a mim mesma para me animar:



Ipod 169G branco
(porque o Iphone não tem capacidade suficiente para Apps, fotos e musica e irrita-me andar sempre a ouvir o mesmo)






Viagem a Milão
(ou Londres ou Amesterdão)




Hermés Click H










Cheques Zara, Massimo Dutti ou Uterque. 
(dado que não há, em bom rigor, budget para ir às compras)

Comentários

Pedro Almeida disse…
Ofereço-te compreensão e solidariedade, chega ou és pedinchona?
Mónica disse…
Caro PA, chega e sobra. Se já não pagar IRS sobre essas grandes oferendas até faço o pino e bebo uma garrafa de vinho de alegria!
Muito obrigada, sim?
Saudinha eu que lhe desejo. Tão bom moço
Chic Maria disse…
Por acaso quando faço anos fico um bocadinho neurótica tb. Porque o tempo passa tão depressa que parece nem dar tempo para realizarmos os nossos sonhos... Tanta coisa que eu ainda quero fazer... e as tabelas de IRS não vieram ajudar nada. Porque o dinheiro não compra felicidade mas ajuda! :X Olha apesar disso, temos que ser felizes e mais um ano de vida não significa Velhice mas sim Experiência! Xoxo *

Mensagens populares deste blogue

A importância de se chamar Candidato

Numa altura em que as empresas recorrem cada vez mais às redes sociais para procurar candidatos a postos de trabalho (89%) e que 65% por cento é bem-sucedida, conseguindo contratações satisfatórias (Fonte: PR Comunicácion) convinha que as empresas de recrutamento e de executive search pensassem um bocadinho mais sobre o seu modus operandi.


Falo por experiência, por conhecimento e por não ter conseguido efectivar mudanças. 

O headhunter da velha guarda, armado em doutrina maquiavélica, que nunca leu, perspectiva o candidato como um meio para atingir um fim: facturar.  O candidato só serve enquanto servir os interesses do projecto. A satisfação do cliente é posta à frente de tudo e todos. Esta sobranceira linha de raciocínio,  a frio, tem alguma razão de ser. Quem paga as contas são os clientes. Como metodologia, é um erro crasso.
Num mercado concorrencial, um factor claramente diferenciador é a relação que se estabelece entre um consultor e os seus candidatos, pelo menos com aqueles que a…

gaja à beira da loucura

Isto pode paracer a demência absoluta mas já estou por tudo. A Alexandra Solnado (isso mesmo, este post vai por esse caminho...) dizia numa entrevista, há umas semanas, ao promover o seu mais recente "livro" que a maioria das pessoas que lhe aparecem para consultas, são pessoas doentes - jura?!
Agora, a sério, as pessoas padecem de doenças fisicas e, no seu desespero, que nem é discutivel porque cada um saberá o que se sente quando se chega a esse patamar, procuram ajuda ou conforto no projecto da Alexandra Solnado (é assim que se chama). Posto isto, explicava a Alexandra Solnado que as doenças são, não obstante, reflexos de outros problemas mais antigos ou e a outros níveis. Não me recordo dos exemplos que ela dava mas era algo como pessoas que tinham tido muitos desgostos e uma vida marcada pela tristeza, desenvolviam uma doença grave em especifico, localizada numa área do corpo em particular. 
Ora, e dando o beneficio da duvida a esta teoria (pois que temos a perder?), gosta…

Inesperadamente, a semana passada

Uns dias bons.
O  25 de Abril. Comer caracóis, os primeiros deste ano. Passear e trabalhar no Porto, deambular nos Clérigos. Diariamente, sessões de The Newsroom e Melhor do Que Falecer. O Pedro Mexia e os ferrinhos na emissão especial do Governo Sombra (e a banda sonora e a Manuela Azevedo e as citações certeiras de Salazar bem seleccionadas por Ricardo Araujo Pereira). O Benfica, tão grande! Opá, o Benfica ❤️