Avançar para o conteúdo principal

I had a dream...

Esta noite sonhei com uma nova Mónica. Com uma Mónica diferente. Uma Mónica que vai ao encontro das expectativas e criticas de todos os que me rodeiam. Uma Mónica que é resposta ás curas que me receitam. Uma Mónica que emana confiança a rodos e caracteriza-se por:

  1. cá em casa quem cozinha sou eu. E adoro...
  2. Não preciso de dieta, tenho um corpo de estalo (também só me alimento a folhas de alface, água, e vá, de vez em quando, 1 iogurte, enquanto todos comem pasta e gelados em meu redor, com prazer. Mas não conta como dieta; é a minha alimentação e ponto).
  3. O Jorge Jesus é mesmo o meu treinador de eleição, aquele jeito Falagueira é o máximo.
  4. Adoro o colar de pérolas da Drª Manuela Ferreira Leite. Fica tão bem nos posters. Também quero um. E ser amiga do Cavaco. Que inveja. Que homem tao interessante.
  5. Acho mesmo que a Serenella Andrade tem talento. Sobretudo para a extração do Loto e do Euromilhões, e não é nada cunha o que a mantem na RTP.
  6. Quem me chateia no trabalho leva logo com um "vá á merda" mesmo antes de abrir a boca, só de se aproximar. A partir daí é sempre a matar. E a baixar o nivel. E o bom ambiente laboral nao me incomoda.
  7. Sair à noite a sitios mais de moda, nem pensar. Só Bairro Alto com as suas tribos, dealers e cervejó-dependentes é que é um sitio fascinante para sair.
  8. Passo lindamente sem telemóvel, sobretudo sem as SMS;
  9. Não entendo o fascinio por carteiras e óculos de sol. 1 exemplar de cada chega, não vamos ser despesistas.
  10. Relogios, sei lá o que é isso! Eu nem sou muito pontual e não me chateia nada que me deixem á seca. Adoro esperar.
  11. O Rochemback é mesmo um bom jogador, e o Sr. Pinto da Costa é um cavalheiro do mais honesto que há, tal como o Dias Loureiro.
  12. Votarei no santana lopes para a CM Lisboa. É tão distinto, coerente, consistente e vê-se claramente que é um homem de trabalho. Lisboa precisa de bons trabalhadores que ate dizem umas piadas e não de oradores retóricos.
  13. Adoro crianças, sobretudo as mimadas, barulhentas, que acham que o espaço publico é o reinado dos seus caprichos adoráveis. Adoro a sua capacidade de nao obediencia perante pais estupidificados que acham que as crianças precisam sempre de mais 1 DVD e da sua liberdade de expressão, em plenos pulmões, incomodando todas as demais pessoas vs. uma bela galheta bem dada.
  14. Acho os piercings tão elegantes.
  15. Sou pessoa que nao critica nada nem ninguem, nem mesmo quem acha que Nicholas Sparks é 1 escritor. Não é adorável? (dasse, aqui passei-me mesmo!). Retraio-me a comentar aquilo que acho, não vá magoar alguém!
  16. Adoro conduzir e sou super boa nisso.
  17. Sou uma pessoa feliz, todos adoram que eu o diga. E tenha sempre um sorriso agradável e acolhedor. Ninguem tem que se preocupar comigo ou tentar entender-me. Ou pelo menos aceitar-me. O que é um grande alivio para todos os demais.
  18. Sou uma pessoa muito calma e relaxada.
  19. Sei exactamente o que quero da vida e só por isso é que todos me toleram... porque nao ando à deriva e nem me sinto perdida.

Depois acordei, virei-me para o outro lado e pensei: "vão-se todos lixar" e sonhei com a nova colecção das Muu.

Comentários

Tigrão disse…
Sem me estender assim tanto, sendo aliás bem sucinto: triste.
Só isso, triste.
Bjs a todos

Mensagens populares deste blogue

gaja à beira da loucura

Isto pode paracer a demência absoluta mas já estou por tudo. A Alexandra Solnado (isso mesmo, este post vai por esse caminho...) dizia numa entrevista, há umas semanas, ao promover o seu mais recente "livro" que a maioria das pessoas que lhe aparecem para consultas, são pessoas doentes - jura?!
Agora, a sério, as pessoas padecem de doenças fisicas e, no seu desespero, que nem é discutivel porque cada um saberá o que se sente quando se chega a esse patamar, procuram ajuda ou conforto no projecto da Alexandra Solnado (é assim que se chama). Posto isto, explicava a Alexandra Solnado que as doenças são, não obstante, reflexos de outros problemas mais antigos ou e a outros níveis. Não me recordo dos exemplos que ela dava mas era algo como pessoas que tinham tido muitos desgostos e uma vida marcada pela tristeza, desenvolviam uma doença grave em especifico, localizada numa área do corpo em particular. 
Ora, e dando o beneficio da duvida a esta teoria (pois que temos a perder?), gosta…

Inesperadamente, a semana passada

Uns dias bons.
O  25 de Abril. Comer caracóis, os primeiros deste ano. Passear e trabalhar no Porto, deambular nos Clérigos. Diariamente, sessões de The Newsroom e Melhor do Que Falecer. O Pedro Mexia e os ferrinhos na emissão especial do Governo Sombra (e a banda sonora e a Manuela Azevedo e as citações certeiras de Salazar bem seleccionadas por Ricardo Araujo Pereira). O Benfica, tão grande! Opá, o Benfica ❤️

A importância de se chamar Candidato

Numa altura em que as empresas recorrem cada vez mais às redes sociais para procurar candidatos a postos de trabalho (89%) e que 65% por cento é bem-sucedida, conseguindo contratações satisfatórias (Fonte: PR Comunicácion) convinha que as empresas de recrutamento e de executive search pensassem um bocadinho mais sobre o seu modus operandi.


Falo por experiência, por conhecimento e por não ter conseguido efectivar mudanças. 

O headhunter da velha guarda, armado em doutrina maquiavélica, que nunca leu, perspectiva o candidato como um meio para atingir um fim: facturar.  O candidato só serve enquanto servir os interesses do projecto. A satisfação do cliente é posta à frente de tudo e todos. Esta sobranceira linha de raciocínio,  a frio, tem alguma razão de ser. Quem paga as contas são os clientes. Como metodologia, é um erro crasso.
Num mercado concorrencial, um factor claramente diferenciador é a relação que se estabelece entre um consultor e os seus candidatos, pelo menos com aqueles que a…