Avançar para o conteúdo principal

Quando as estrelas bailam ...

Sob as estrelas, ele deitava-se de olhar fixo, preso no céu de um azul aveludado, profundo como o mar onde costumavam mergulhar, pela noite dentro, nus, a rir, à socapa.

Ali, sozinho, perdia-se no efeito reluzente das estrelas. Pareciam unir-se, tornarem-se num só enrendilhado que era como uma mapa. Eram, no fundo, as suas lágrimas que não deixavam ver com clareza a luz que iluminava o seu tecto.

A dor colava-se à pele, percorria-o com a brutalidade de uma onda gigante que rebenta nas nossas costas e nos puxa para a confusão de areia e de água. Mesmo assim, ao semicerrar os olhos, estava sempre à espera que ela aparecesse, lhe afagasse o rosto com aquele olhar meigo mas trocista de quem convida mas de quem fecha a porta. Com aquele sorriso que continha sabor a chocolate e avelã, no qual ele se perdia.

Falava de modo seguro e pausado, quase sempre sussurrando ao seu ouvido qualquer comentário, do fútil ao mais profundo, como se fosse uma musica dos Pearl Jam: arrepiando-lhe a pele.

E as lágrimas caiam, agora, livres, ganhavam espaço na sua face e o céu estava mais negro. Ela não aparecia. Ela não viria. Não mais. A morte, chorada em colectivo, é no entanto uma dor solitária, um corte que nos contrai com tanta força que parece que o coração pára de bater de tal que é a pressão e o corpo perde o rumo, passa a mover-se mecanicamente, sem dono nem certezas.

E no céu, as estrelas separaram-se, abriram um vazio escuro e ele viu-a. Imaginou-a, no seu ultimo suspiro, a ver a vida que levava como bailarina em pontas, leve e atirada ao ar; sentir a mão dele a puxá-la para si, para quem a tinha presa ao ser; e ela a levitar no seu esplendor apesar da parafernália hospitalar.

Não a segurou. Não a conseguiu reter. Ela partira. Jovem, ainda com a frescura de um corpo que ele descobrira sem pudor, amado e beijado em todos os recantos daquela pele morena.

Deitado sob um céu de estrelas, chorou sem controlo. Passavam 20 anos e nunca a esquecera. Há 20 anos que a sua vida se esgotara no último sopro dela.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

gaja à beira da loucura

Isto pode paracer a demência absoluta mas já estou por tudo. A Alexandra Solnado (isso mesmo, este post vai por esse caminho...) dizia numa entrevista, há umas semanas, ao promover o seu mais recente "livro" que a maioria das pessoas que lhe aparecem para consultas, são pessoas doentes - jura?!
Agora, a sério, as pessoas padecem de doenças fisicas e, no seu desespero, que nem é discutivel porque cada um saberá o que se sente quando se chega a esse patamar, procuram ajuda ou conforto no projecto da Alexandra Solnado (é assim que se chama). Posto isto, explicava a Alexandra Solnado que as doenças são, não obstante, reflexos de outros problemas mais antigos ou e a outros níveis. Não me recordo dos exemplos que ela dava mas era algo como pessoas que tinham tido muitos desgostos e uma vida marcada pela tristeza, desenvolviam uma doença grave em especifico, localizada numa área do corpo em particular. 
Ora, e dando o beneficio da duvida a esta teoria (pois que temos a perder?), gosta…

Inesperadamente, a semana passada

Uns dias bons.
O  25 de Abril. Comer caracóis, os primeiros deste ano. Passear e trabalhar no Porto, deambular nos Clérigos. Diariamente, sessões de The Newsroom e Melhor do Que Falecer. O Pedro Mexia e os ferrinhos na emissão especial do Governo Sombra (e a banda sonora e a Manuela Azevedo e as citações certeiras de Salazar bem seleccionadas por Ricardo Araujo Pereira). O Benfica, tão grande! Opá, o Benfica ❤️

A importância de se chamar Candidato

Numa altura em que as empresas recorrem cada vez mais às redes sociais para procurar candidatos a postos de trabalho (89%) e que 65% por cento é bem-sucedida, conseguindo contratações satisfatórias (Fonte: PR Comunicácion) convinha que as empresas de recrutamento e de executive search pensassem um bocadinho mais sobre o seu modus operandi.


Falo por experiência, por conhecimento e por não ter conseguido efectivar mudanças. 

O headhunter da velha guarda, armado em doutrina maquiavélica, que nunca leu, perspectiva o candidato como um meio para atingir um fim: facturar.  O candidato só serve enquanto servir os interesses do projecto. A satisfação do cliente é posta à frente de tudo e todos. Esta sobranceira linha de raciocínio,  a frio, tem alguma razão de ser. Quem paga as contas são os clientes. Como metodologia, é um erro crasso.
Num mercado concorrencial, um factor claramente diferenciador é a relação que se estabelece entre um consultor e os seus candidatos, pelo menos com aqueles que a…